Sexta, 22 De Fevereiro De 2019

LOJA QUINTA CAPA

Crítica | Jurassic World: Reino Ameaçado

Em 2018 o filme original Jurassic Park completa 25 amos, o que é uma grande vantagem para o diretor Juan Antonio Bayona no quinto filme da franquia. Mesmo vindo de filmes terror, Boyana acrescenta algo novo ao quase 30 anos ao Parque dos Dinossauros.

Ser chamativo como foi Jurassic World (2015) talvez seria complicado, mas em Reino Ameaçado, Bayona consegue fazer algo realmente inovador… pelo menos nos 30 primeiros minutos, o que me fez lembrar essencialmente o enredo de O Mundo Perdido: Jurassic Park (1997 ) com um vulcão e muito mais explosões. No entanto, quando a ilha entra em erupção, o filme ganha ares de mega produção. Esse diretor tem um futuro brilhante, além de humanizar pesados monstros pré-históricos que estão aceitando lentamente seu destino ardente.

Claire (BRYCE DALLAS HOWARD) e Franklin (JUSTICE SMITH) encontram Baryonyx. Corre que é tiro!

Claire (Bryce Dallas Howard), tem uma personalidade totalmente diferente do primeiro filme, o que, embora seja uma grande melhoria, nunca é realmente explicado pelo o roteiro. Com certeza, ela e Owen (Chris Pratt) – não perderei meu tempo falando desse papel – ainda são os personagens menos envolventes do filme, por isso é últil que o elenco de apoio do filme seja incrível. Franklin (Justice Smith), Zia (Daniella Pineda) e Maisy (Isabella Sermon), acrescentam um frescor muito necessário ao elenco, quase dando ao filme uma sensação de que é feito para a faixa abaixo dos 18 anos, emocionante e muito mais próximo dos filmes clássicos dos anos 80 e 90. Acho que se a pegada fosse essa, fazer algo mediano e não um blockbuster a franquia teria fôlego por décadas.

A experiência de Bayona em horror realmente faz uma grande diferença no filme. Jurassic World: Fallen Kingdom, título original, completa o terror gótico com uma mansão gigante, uma criança com um segredo sombrio e um velho agonizante. O vilão de Rafe Spall, Mills, trabalha muito bem ao lado do empresário mercenário de Toby Jones, Gunnar Eversol. Bayona trata a enorme propriedade de Lockhart como se fosse uma casa assombrada, assombrada pelos erros dos homens que a construíram … oh, e pelos dinossauros, é claro. Sim, o segundo e terceiro atos do Mundo Jurássico são essencialmente insidiosos e com um raptor hibrido que assusta de verdade.

Images: Universal

O filme tem cortes e espaços incríveis, muitos truques de luz e aquele vislumbre de horror que irá chegar a qualquer momento. Isso também cria uma aparência muito mais realista para os efeitos especiais e visuais fornecidos pela Industrial Light and Magic, os efeitos dos dinossauros beiram à perfeição, não sei como ficará na TV ou na tela do Smartphone, mas na tela do cinema, esses monstros que tanto minha filha ama são assustadores e lindos.

Por fim, Reino Ameaçado compromete-se com suas duras raízes na ficção científica, fazendo algumas escolhas ousadas que parecem se encaixar muito mais no mundo de um livro de Michael Crichton do que em uma franquia de Hollywood. Para mim, funcionou. As tentativas do filme de uma mensagem sobre a vida e os direitos das criaturas que criamos chegaram ao expectador de uma maneira que a franquia muitas vezes perdeu. É improvável que o plot final surpreenda, mas é uma reviravolta divertida que é bem construída por Bayona e pela equipe.

Images: Universal

A maior conquista do Reino Ameaçado são seus momentos finais. À medida que os tons suaves de Jeff Goldblum emitem um aviso aterrador, vislumbramos um admirável mundo novo. É o que muitos de nós queríamos ver nesta franquia. A Terra foi irrevogavelmente transformada pelos homens que sonhavam em trazer essas criaturas antigas de volta à vida.

Jurassic World: Reino Ameaçado está em cartaz

 

 

3.5

Quem é PikachuSama

Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.

 

  

Posts Relacionados
%d blogueiros gostam disto: