Sábado, 16 De Março De 2019

LOJA QUINTA CAPA

Crítica | Love, Death & Robots (Primeira Temporada)

Tudo é tão incrível e surreal, que as vezes ainda penso que estou sonhando e que esta série não existe.

Quando Tim Miller e David Fincher começaram a criar Love, Death & Robots, Fincher disse numa entrevista que eles só queriam fazer algo “legal”.

Missão cumprida. A nova série de antologias da Netflix – composta de 18 curtas de animação, variando entre 5 e 17 minutos de duração – é o epítome desse “legal”; um sonho febril ambicioso, deslumbrante e foda que salta entre gêneros e estilos de animação para oferecer um buffet de esquisitices à base de tudo, de iogurte senciente a peixe fantasma a uma história alternativa que alegremente reimagina as muitas maneiras como Hitler poderia ter morrido. Os análogos mais próximos da série são os de Heavy Metal, Liquid Television e Adult Swim, mas Love, Death & Robots leva as coisas a um outro nível em termos de estilo, alcance e capacidade de chocar.

 

Os curtas não têm tema ou mensagem unificadas – alguns são escuros e niilistas, outros poéticos e esperançosos, alguns mais surrealistas ou abertamente cômicos – mas não há dois curtas falando a mesma coisa, utilizando equipes de animação e estúdios de todo o mundo como a Digic Pictures da Hungria (que recentemente trabalhou na cinemática do jogo no Destiny 2 e no trailer do Rainbow Six Siege da Ubisoft), Image Unit da França (God of War, Beyond Good e Evil 2), Platige Image da Polônia (Metro Exodus, Dishonored: Death Of The Outsider), Reddog Culture House da Coréia (Overwatch, Voltron: Legendary Defender) e o Blur Studio em Los Angeles de Miller (Far Cry 5, Shadow of the Tomb Raider), para citar alguns.

Seis dos curtas trabalham com CG real e captura de movimento, que ocasionalmente funcionam como cenas de jogos estendidos ou cinematografias de trailers – mas são esteticamente impressionantes, mesmo que não consigam atravessar o “Vale da estranheza”. Certo, alguns não sabem o que é, então deixa eu resumir: O vale da estranheza é uma hipótese no campo da estética, robótica e computação gráfica que diz que quando réplicas humanas se comportam de forma muito parecida — mas não idêntica — a seres humanos reais, provocam repulsa entre observadores humanos.

O restante utiliza técnicas estilizadas de CG, rotoscopia, 2D ou mídia mista e, na maioria das vezes, são os curtas-metragens mais tradicionalmente animados que realmente dão um grande impacto, talvez porque usar CGI esteja se tornando tão onipresente, especialmente nos jogos que a gente meio que se acostumou.

Miller e Fincher disseram que deixaram as histórias ditarem o modo como cada curta foi animado, e os curtas-metragens são definitivamente os mais ambiciosos em termos de escala, com “A Guerra Secreta” mostrando uma luta desesperada de um exército contra monstros grotescos na floresta siberiana e “As Vantagens da Sonnie” apresentando uma elaborada luta de monstros gladiadores. Mas há algo clínico nessas peças que podem manter os espectadores à distância – o mais eficaz dos curtas com com movimentos reais é o “Ajudinha”, uma peça de câmara claustrofóbica que habilmente aumenta a tensão para deixá-lo se contorcendo em seu assento.

“A Testemunha”, dirigido e escrito pelo artista Alberto Mielgo, é, sem dúvida, o mais visualmente impressionante e inventivo dos curtas – com sua composição nervosa e ação gráfica, lembra o Aranhaverso dançando com um videoclipe do Marilyn Manson, embora contenha-se em alguns nós narrativos questionáveis para garantir que sua protagonista feminina esteja basicamente nua na maior parte das cenas. (Um artifício desnecessário, dadas as reviravoltas fascinantes da história, mas provavelmente não é indesejável para muitos espectadores.)

Miller e Fincher estavam claramente ansiosos para testar os limites do entretenimento e criar algo que nunca poderia ser encontrado ou visto. Esses curtas são únicos com baldes de sangue, nudez copiosa (masculina e feminina) e violência elaborada. Isto é storytelling transformado perfeitamente.

Mas, assim como em Black Mirror, a caixa de chocolate de possibilidades significa que se alguém gastasse toda a lista de episódios de mais de três horas ou apenas dois ou três curtas assistindo, é improvável que você fique entediado e, com certeza, sairá com, pelo menos, algumas histórias preferidas.

Se os seus gostos se parecem com os meus, os enredos mais íntimos parecem mais propensos na lista dos favoritos (mas se você ama monstros e cenas épicas de batalha, você ainda achará seus interesses bem representados). O ardiloso “Zima Blue” é uma ruminação pungente do significado da vida, apresentado com um belo design de personagens, enquanto “Noite de Pescaria”, baseado em um conto do autor Joe Lansdale, é uma viagem existencial no deserto com o uso impressionante de cor e imaginação. Um trio de contos cômicos—o astuto “Os Três Robôs”, sucinto “Quando o Iogurte assumiu o Controle” e cada vez mais ridículas “Histórias Alternativas”, todas dirigidas por Victor Maldonado e Alfredo Torres em estilos diferentes – são destaques claros, mostrando a flexibilidade do formato desta série animada.

Enquanto Love, Death & Robots tem um escopo amplo pelo design – sua única aspiração é explorar histórias interessantes de todo o espectro da ficção científica, fantasia, terror e comédia. Existem alguns elementos coincidentemente recorrentes (entre eles, gatos, peitos e híbridos entre humanos e animais), mas considerando a vasta gama de gêneros e estilos que a antologia está apresentando, as possibilidades são infinitas, então seria fácil imaginar uma temporada totalmente focada num aspecto do título do projeto (morte e robôs estão ambos bem presentes, mas amor, nem tanto) ou um gênero particular. Ainda assim, este é um miscelânea de histórias fascinantes e recursos visuais atraentes, e é uma viagem que deve valer a pena para qualquer fã de gênero que esteja procurando um desvio rápido da realidade.

Veredito

Para os fãs de Heavy Metal, Liquid Television e Adult Swim, Love, Death & Robots parece uma evolução natural; maior, mais ousada e mais descarada, é insana da melhor maneira. Não está imune aos problemas que mais atormentam as antologias, já que algumas histórias são mais repetitivas ou derivadas do que outras, mas muitos dos mundos são tão fascinantes que inevitavelmente deixam você querendo mais, como toda boa ficção faz, mesmo ela sendo apenas curtas de alguns minutos. Essa é uma viagem visual que vale a pena.

Quem é PikachuSama

Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.

 

  

Posts Relacionados
%d blogueiros gostam disto: