Segunda, 09 De Julho De 2018

Notícias sobre Filmes, Séries e Netflix

Crítica | LUKE CAGE Р2ª Temporada

Nem o Luke Cage conseguiria salvar este barco furado da Netflix.

Meses depois de Luke (Mike Colter) derrotar Cottonmouth (Mahershala Ali) e Diamondback (Erik LaRay Harvey), o her√≥i se torna √≠cone do Harlem, fazendo apari√ß√Ķes na ESPN, m√≠dias sociais, o cara virou uma celebridade. Ele √© um super-her√≥i sem m√°scara, o que √© uma boa mudan√ßa se for comparar com outros her√≥is que se escondem nas sombras, como o Demolidor e o Justiceiro.

 

 

Embora a premissa de um bairro amig√°vel e uma s√©rie bacana, infelizmente, a execu√ß√£o da hist√≥ria √© sem inspira√ß√£o, e √†s vezes francamente cansativa. Em uma tentativa de preencher um vazio que os vil√Ķes da temporada passada deixaram, os criadores da s√©rie d√° a Luke seu pr√≥ximo desafio na forma de um John ‚ÄúBushmaster‚ÄĚ McIver, interpretado por Mustafa Shakir. Bushmaster √© um g√Ęngster jamaicano que sonha controlar o Harlem. Ele tem um passado misterioso e forte que faz dele um oponente formid√°vel para Luke. Shakir faz um belo trabalho de interpreta√ß√£o, mas √© apenas ‚Äėmais um vil√£o‚Äô que possa ser socado por Luke Cage.

 

 

À medida que a temporada avança, a rivalidade de Bushmaster e Cage se torna menos interessante e mais redundante, já que os dois começam a comparar a dor que enfrentaram ao longo de suas vidas, como se fosse algum tipo de competição (Prepare-se para ficar com sono, muito sono). Qualquer simpatia que alguém possa sentir por esses dois homens emocionalmente quebrados é diminuída por uma quantidade excessiva de reflexão, especialmente por parte de Luke.

Na primeira temporada, Luke era um farol que brilhava e dava esperan√ßa para o Harlem, encorajando jovens e negros a pararem de usar a palavra ‚Äún‚ÄĚ, mas agora, ele usa a mesma palavra que uma vez difamava. √Ä medida que a raiva de Luke aumenta, ele se torna algu√©m dif√≠cil de reconhecer, fica quase imposs√≠vel voc√™ terminar a s√©rie. Mas e o resto do elenco da primeira temporada?

Claire Temple ainda est√° por a√≠. Rosario Dawson foi a √Ęncora para as s√©ries da Marvel na Netflix, mas seu personagem est√° perdendo for√ßa. Ela √© a voz da raz√£o em meio ao caos, mas nem mesmo ela pode salvar Luke de ceder √† raiva. Nem mesmo a atriz sabe de seu futuro na s√©rie. Mariah Stokes (Alfre Woodard) e Shades (Theo Rossi) est√£o de volta √† a√ß√£o na segunda temporada. Junto com Bushmaster, Mariah √© outra que Luke tem que enfrentar, os problemas da raiva do Luke √© gra√ßas a Mariah. Personagens legais sendo interpretados por artistas incr√≠veis. Um total desperdicio.

Embora n√£o haja muitas raz√Ķes para assistir a segunda temporada de Luke Cage, h√° algumas apresenta√ß√Ķes musicais que vale a pena no Harlem‚Äôs Paradise, como Jadakiss, Faith Evans e Rakim. Al√©m disso, as equipes de dubl√™s e lutas fazem um √≥timo trabalho nas sequ√™ncias de a√ß√£o. Os golpes de Luke est√£o mais fortes, como se ele tivesse aprendido alguns truques novos com seu tempo gasto em Os Defensores. Al√©m desses destaques externos, segunda temporada de Luke Cage √© uma falha de igni√ß√£o.

 

 

Veredito:

A Temporada 2 de Luke Cage, da Marvel, nunca chega a se ajustar ao longo de seus 13 episódios. A série ainda está lutando para recuperar o que tinha de bom após a saída de Cottonmounth no meio da primeira temporada. Enquanto Mike Colter e Alfre Woodard apresentam performances sólidas, simplesmente não há uma história interessante a ser explorada.

Imagens: Netflix

Quem é PikachuSama

Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.

 

  

Posts Relacionados
%d blogueiros gostam disto: