Terça, 10 De Julho De 2018

Notícias sobre Filmes, Séries e Netflix

Entrevista com Kristoffer Gildenlöw ex-Pain of Salvation

Kristoffer Gildenlöw

Hoje conversaremos um pouco com Kristoffer Gildenlöw. Um nome bastante conhecido para os amantes do Prog Metal e principalmente Pain of Salvation.

Falaremos sobre sua carreira, projetos em que esteve envolvido e principalmente o mais recente deles “Breaking the Chains” que tem o intuito de ajudar no combate ao abuso infantil.

5C: Muito obrigado por nos conceder essa entrevista. Primeiramente podemos falar um pouco sobre o Kristoffer?

Kristoffer: Eu que agradeço! Claro!

5C: Como foi sua iniciação na música?

Kristoffer: Boa pergunta. Quero dizer, mesmo desde o KISS, nos dias em que estávamos tocando air guitar e sonhando em ser astros do rock. Nunca cheguei a correr atrás disso e acabei começando a tocar piano clássico.

Quando eu tinha cerca de 14 anos eu parei porque meu gosto musical pendeu mais para o rock e hard rock e tocar teclado e sintetizadores me atraía muito. Então comecei a tocar bateria e baixo durante os intervalos do almoço na escola.

Me juntei a uns amigos e formamos uma pequena banda e tocamos um pouco de rock. Eu costumava tocar bateria pois era o que eu mais gostava na época, mas quando um dos professores de música nos apresentou a Jimi Hendrix com a música Hey Joe, eu viciei na linha de baixo.

Então, com alguns amigos, começamos uma banda depois da escola, onde eu tocava baixo e cantava. Nós tentamos algumas músicas nossas e foi assim que eu cresci na música.

Nunca quis ter uma carreira como músico, na verdade, mas…. Isso tomou conta da minha alma e agora é minha principal foco na vida.

5C: Apesar de ser multi-instrumentista, acredito que o baixo é seu instrumento principal. Quando você decidiu pelo baixo? Quais suas principais influências no instrumento?

Kristoffer: No começo eu comecei a ouvir os grandes, Jaco, John Petituchi, Francis Rocco Prestia e mais tarde veio Victor Wooten.

Victor foi meu grande herói por vários anos, mas, de repente, eu parei de ouvir os baixistas todos juntos. Parecia mais uma demonstração técnica e senti que sou mais um instrumentista de apoio.

Uma linha de baixo precisa completar a música e construir uma base com a bateria para o resto se basear. É claro que existem holofotes onde você pode brilhar um pouco como um baixista, e eu os utilizo sempre que posso, mas eu prefiro ficar na sombra dando suporte.

Eu encontro minha inspiração principalmente em bateristas hoje em dia e a maneira como eles tocam me inspira a construir e criar.

De resto, a música é comunicação e sentimentos e quando tudo vem naturalmente de forma pura, é quando o melhor acontece.

Conte uma história, comunique algo, diga alguma coisa.

5C: Após vários álbuns no Pain of Salvation você tocou com vários artistas renomados como Lana Lane e Neal Morse, fez parte de bandas como a DIAL assim como lançou dois álbuns solo “RUST” e “The Rain”. Podemos dizer que você já esteve em várias posições dentro de uma banda. O que mais te traz satisfação como músico?

Kristoffer: Por mais que eu goste de fazer música, na verdade é a produção que me intriga.

Levar ideias e transformá-las em canções, organizar e procurar sons e harmonias e construir e quebrar esses arranjos.

Em seguida, misture-o e adicione aos poucos detalhes com efeitos, equalizadores, paisagens sonoras e posicionar os instrumentos em destaque. Isso é quase como criar magia. O difícil é saber quando parar o ha ha.

5C: Mas estamos aqui para falar sobre o seu mais recente projeto “Breaking the Chains”. É um projeto que carrega um alto valor humanitário dando suporte ao combate ao abuso infantil. Pode nos contar como nasceu a ideia?

Kristoffer: Eu fiz vários projetos menores para caridade ao longo dos anos, pois acho que é importante ajudar aqueles que precisam.

Eu sou uma pessoa da natureza, então a maioria dessas instituições de caridade tem sido para ajudar animais e natureza.

Breaking The Chains é o primeiro projeto que faço para uma caridade humanitária. Bikers Against Child Abuse (B.A.C.A.) é uma organização que trabalha de maneira semelhante à minha maneira de pensar. Faça o que você diz e diga o que você faz. Uma promessa é uma promessa e, como um adulto, você tem a responsabilidade de proteger as crianças e não mentir e abusar delas de nenhuma maneira.

A B.A.C.A. não funciona com despesas gerais e CEOs que recebem até 80% dos fundos levantados. Tudo vai diretamente para ajudar as crianças. E é assim que o Breaking The Chains funciona também. Todo mundo é voluntário e faz tudo de graça, todos os músicos gravaram de graça e os patrocinadores nos ajudaram a cobrir os custos de produção. Tudo vai diretamente para o B.A.C.A. e, portanto, diretamente para as crianças.

Começou como um pequeno projeto onde eu gravava apenas uma música de rock e a vendia digitalmente. Mas cada vez mais músicos queriam fazer parte disso e logo acabamos com uma equipe completa para um projeto, fotógrafos, produtores, cineastas, editores e muito mais… finalizando em um álbum completo.

Então eu iniciei a Breaking The Chains Foundation, a fim de fazer tudo separado da minha própria música e companhia e mantê-la transparente para o resto do mundo. Nós fazemos o que dizemos e dizemos o que fazemos.

5C: Sobre as composições, houve alguma divisão entre quem compôs as letras e as músicas?

Kristoffer: Nessa produção, nós simplesmente pedimos aos músicos que nos dessem material sobre o que eles tinham. Algumas de suas músicas e ideias tinham partes de letras, mas a maior parte não tinha.

Karin Molenar (Asrai) assumiu a liderança para escrever as letras iniciais da maioria das músicas, com base no trabalho de B.A.C.A. Em seguida, o produtor trabalharia com o cantor de cada música e ajustaria as letras da melodia ou melodia às letras.

Às vezes as letras precisavam ser reescritas e às vezes as melodias precisavam ser refeitas, mas essa é a parte do produtor e o trabalho dos verdadeiros músicos.

5C: Poderia dar uma ideia do conteúdo das letras para o pessoal que ainda não ouviu?

Kristoffer: Mesmo que não seja um álbum conceitual ou tenha uma história em todo o álbum, há um tópico muito claro por todo o caminho.

Começamos com uma criança abusada que se sente pequena e solitária e ela sonha em ser um super-herói para poder mudar o mundo. Então B.A.C.A. aparece no horizonte em Angels on Wheels.

Então, nós empoderamos uma compilação de histórias nas quais a criança é autossuficiente e forte o suficiente para ficar de pé sobre suas próprias pernas.

Finalmente terminando com a balada ‘‘Silent Wind’’ e o desapego dos medos.

5C: Bikers Against Child Abuse (B.A.C.A.) é uma instituição sem fins lucrativos e toda a renda arrecadada com as vendas do álbum e mechandising do BtC serão destinadas à instituição, correto?

Kristoffer: Sim, todos os custos foram cobertos e, a partir de agora, cada centavo vai diretamente para o B.A.C.A.

5C: Como funciona a instituição? Quais ações estão sendo tomadas para a causa defendida pela instituição?

Kristoffer: B.A.C.A. oferece algo muito original. Em primeiro lugar, é importante que todos saibam que esses motociclistas só têm uma tarefa: fazer com que a criança se sinta segura.

Eles não vão atrás do perpetrador ou tentam fazer algum tipo de justiça, isso é para a polícia e para o juiz. Mas se a criança se sente insegura, mesmo que não haja uma ameaça real, ela estará presente para que a criança se sinta segura novamente. Eles fazem isso 24 horas por dia, 365 dias por ano. Nenhuma outra autoridade pode oferecer isso. É parte da mentalidade “faça o que você diz e diga o que faz”.

A criança, que tem sido decepcionada por mais pessoas do que deveria, deve sempre poder confiar em B.A.C.A. estando do lado deles, dia e noite.

Geralmente é um pai ou mentor que contata B.A.C.A. Isso geralmente ocorre depois que a polícia e as autoridades foram contatadas, portanto, há um procedimento. B.A.C.A. não substitui autoridades ou psicólogos, mas preenche um papel completamente diferente na reconstrução da autoestima e da vida infantil.

Então membros da B.A.C.A. tem uma reunião com a criança e com os pais para ver se seus serviços são desejados e necessários.

Todos os Membros da B.A.C.A. precisam de um “certificado de boa conduta” e devem passar por um treinamento de 2 anos com B.A.C.A. antes de se tornar um verdadeiro membro.

Quando uma criança é “adotada” na família B.A.C.A., eles escolhem seu próprio nome de estrada e há uma “cerimônia de adoção” (nível 1) onde eles vão dar um passeio. Naquele momento, a criança é atribuída a dois membros B.A.C.A. que a criança pode ligar a qualquer hora do dia. B.A.C.A. protegerá essa criança pelo tempo que a criança precisar.

B.A.C.A. descarta todo o tipo de violência e não provoca nenhum perpetrador; na verdade, eles tentarão evitá-los. Mas, ao mesmo tempo, eles juraram sempre ficar entre a criança e qualquer coisa que queira prejudicá-la. Se só pode haver um obstáculo entre a criança e o perpetrador, eles serão o obstáculo e não recuarão. Se a criança for levada a um tribunal, B.A.C.A. estará lá para apoiá-los para que a criança consiga afirmar seu testemunho.

B.A.C.A. apoiará e capacitará essas crianças até que a própria criança indique que não precisa mais deles. Então, chegamos ao nível 4 do programa e há uma comemoração. Mas, claro, B.A.C.A. sempre manterão suas portas abertas para essas crianças no futuro.

5C: Aqui no Brasil há uma comunidade gigante de motoqueiros. Como funciona a expansão da B.A.C.A. pelo mundo?

Kristoffer: Eu não faço ideia. Eu não faço parte do B.A.C.A. em si. Essas iniciativas geralmente vêm de um monte de ciclistas que entram em contato com o B.A.C.A. com o pedido para iniciar seu próprio “capítulo” (divisão). B.A.C.A. é muito rigoroso com suas regras e há muito a cumprir se você quiser começar seu próprio capítulo. Mas B.A.C.A. atualmente, já é uma das maiores organizações sem fins lucrativos do mundo, com mais de 6.000 membros ativos. E o trabalho deles é realmente necessário.

5C: Planos para o futuro próximo? Algo que você possa adiantar para os fãs?

Kristoffer: Eu estou trabalhando no material para o meu terceiro álbum. Espero começar gravações em algum momento neste outono (2018) e lançá-lo no início de 2019. Será, no entanto, um lançamento muito exclusivo, por isso não fiquem de fora.

Em outubro começaremos a turnê com o Kayak novamente, uma banda holandesa que começou há 45 anos. Uma verdadeira honra para fazer parte deste legado.

5C: Há algo que você queira comentar? Algumas palavras para os fãs?

Kristoffer: Caramba, eu estive no Brasil com o PoS em 2005 e me diverti muito. Viajamos muito, então eu não consegui ver muito do seu belo país e cultura. Com certeza adoraria voltar um dia e ver mais. Eu tive uma reação incrível ao povo brasileiro e como fomos bem recebidos pelos fãs.

Amei isso. Espero ver todos vocês novamente um dia. 🙂

Links para quem quer ajudar ou conhecer mais sobre o Kristoffer, B.A.C.A e Breaking the Chains.

Kristoffer:

Site Oficial

Youtube

Facebook

Breaking The Chains:

Breaking the Chains – Youtube

B.A.C.A.:

Bikers Against Child Abuse (B.A.C.A.)

Quem é timEU

Um indivíduo entre outros 7 bilhões que compõe uma única espécie entre outras 3 milhões de espécies já classificadas que vive num planetinha que gira em torno de uma estrelinha que é uma entre outras 100 bilhões de estrelas em uma galáxia entre outras 200 bilhões de galáxias num dos universos possíveis e que vai desaparecer.

  

Posts Relacionados
%d blogueiros gostam disto: