Quinta, 21 De Fevereiro De 2019

LOJA QUINTA CAPA

Os Melhores filmes Original Netfix de 2018, segundo a internet!

2018 foi um ano infernal para a Netflix, a plataforma de Streaming lançou quase 100 Originais! Não tem o que reclamar, teve filme para todo mundo!

Mas a Netflix também tem uma reputação não digna (às vezes justificada) de servir como um local de “despejo” para projetos de estúdio que seriam fracassos de bilheteria e Comédias de baixo orçamento do Adam Sandler. 2018 foi um ano bem movimentado por lá, sem contar, que ela redobrou esforços e dinheiro para trazer estimados cineastas, Roteiristas e produtores para seus projetos. Parece alguém que começa com D e terminei com Y, não é? rs

E apesar de nem todos os filmes lançados em 2018 corresponderem às expectativas, muitos deram certo e até os ultrapassaram, oferecendo não apenas um ótima prateleira de produtos originais, mas um dos melhores filmes do ano.

Como sempre, sobrou para o pokémon aqui fazer essa lista! Desde interpretações sólidas, gêneros para todos os gostos, até premiações esperançosas, experimentos, documentários fantásticos e tudo mais, essa lista representa o melhor conteúdo exclusivo da Netflix lançado no ano passado. Que foi baseada nos nomes mais pesquisados do google.

Deu trabalho? Duas semanas. Então leia até o final! Eu assisti todos!

Com a plataforma já comprometida em lançar filmes de Martin Scorsese, JC Chandor, David Michôd e até Michael Bay este ano, parece que o sucesso da Netflix ainda será maior em 2019.

Mas antes disso, esses são os filmes de 2018 que você poderia ter prestado atenção …a ordem é descrente.

 

Bird Box

 

 

Nó fizemos crítica do filme e livro. Mas vamos novamente, Bird Box é uma adaptação do livro homônimo do romance pós-apocalíptico de 2014 de Josh Malerman.

A direção atmosférica de Susanne Bier é reforçada por uma performance fantástica de Sandra Bullock fazendo papel de uma mãe tentando manter seus filhos seguros em meio a uma invasão de entidades extraterrestres que matarão qualquer um que olhe para eles.

Bird Box oferece ruminações intermitentes sobre a humanidade em crise, mesmo que não aproveite ao máximo o seu elenco espetacular e às vezes pareça um pouco genérico demais para seu próprio bem.

A Netflix que não gosta de revelar a quantidade de expectadores, mas informou que o filme teve 45 milhões de visualizações apenas na sua primeira semana. Um ícone da cultura pop e ainda estamos no começo do mês de Janeiro!

 

 

A Caminho da Fé

 

 

Chiwetel Ejiofor faz uma performance fantasticamente comprometida como o ministro cristão Carlton Pearson. Ele disse para sua congregação que não existia inferno e acabou transformando sua vida em desgraça.

Existem plots muitos bons das cenas de Chiwetel – com excelentes atuações de Martin Sheen, Jason Segel, Danny Glover e Lakeith Stanfield. O diretor Joshua Marston entrega um personagem envolvente e provocador.

O roteiro de Marcus Hinchey são riffs habilmente tocados sobre as complexidades da fé e o que significa ser um “bom cristão”, e como os melhores filmes baseados na fé é mais sobre a humanidade do que sobre Deus.

Independentemente de suas próprias convicções religiosas (ou a falta delas), A Caminho da Fé oferece uma abundância de alimentos ricos para pensar.

 

 

 

22 July

 

 

Apesar de ter ficado um pouco aquém do que venderam na campanha de marketing, a dramatização de Paul Greengrass sobre os ataques na Noruega em 2011 é outro dramático documentário jornalístico do aclamado cineasta.

Anders Danielsen Lie faz uma performance notável como o atacante Anders Breivik, embora Greengrass mostre inteligentemente a maior parte de seu foco nas vítimas dos ataques, permitindo que o dia 22 de julho funcione tanto como um drama tenso quanto um comovente tributo aos mortos e sobreviventes.

 

 

 

Hold the Dark

 

 

Este novo thriller de Jeremy Saulnier (Ruína Azul, Sala Verde) não correspondeu ao brilhantismo confiante dos seus trabalhos anteriores, mas foi, no entanto, um filme agradavelmente atmosférico e sombrio com uma excelente performance de Jeffrey Wright.

A narrativa foi o grande problema do filme. Tanto público, como crítica pegaram pesado nesta parte, mas a cinematografia é de derreter os olhos, o filme é bem bonito, gelado e assustador.

Além disso, o filme pode se orgulhar de um dos mais viscerais tiroteios do ano. Assista com os fones. Valerá a pena!

 

O Plano Imperfeito

 

 

Este é um exemplo de filme que você não perderia seu tempo e acaba esbarrando sem querer.

Como um par de estagiários subestimados que planejam fazer seus chefes horríveis se apaixonarem, Zoey Deutch e Glen Powell são uma dupla encantadora, com uma química fácil e descontraída enquanto seus diálogos são surpreendentemente afiados.

Taye Diggs e Lucy Liu também são muito divertidas como os chefes acima mencionados em um filme que dificilmente poderia ser chamado de imprevisível, mas, ainda assim, consegue injetar uma quantidade incomum de charme num gênero que sempre usa a mesma fórmula.

É um filme perfeito para um domingo preguiçoso, basicamente.

 

 

 

The Land of Steady Habits

 

 

Ben Mendelsohn se afastando de vilões de blockbuster faz ótimos trabalhos.

Mendelsohn continua a se destacar como um dos atores de personagens mais complexos de se interpretar dr sua geração, o filme tem um plot muito bom pelo personagem que ele interpreta, enquanto Edie Falco e Thomas Mann fornecem atuações fortes como ex-mulher e filho, respectivamente.

É provavelmente o filme mais branco lançado no Netflix no ano passado, mas se você está com disposição para uma dose cinematográfica de problemas da classe média americana, assista sem medo.

 

 

 

A balada de Buster Scruggs

 

 

Esse filme é dos irmãos Coen. Eu não sabia disso, até ler os créditos. Mas desses que estão nesta lista é um dos mais cativantes.

Com uma cinematografia incrivelmente pitoresca, um elenco ridiculamente invejável, boa música e a propensão à comédia negra dos Coen, esse filme capta o suficiente da magia cinematográfica característica da dupla icônica.

Vale a pena mesmo.

 

 

 

Para Todos os Garotos que Já Amei

 

 

Essa história é um vigoroso romance de 2014 escrito pot Jenny Han, que embora completamente previsível e talvez muito gostoso para alguns gostos, beneficiou-se enormemente de um conjunto talentoso (Direção, produção e atuação).

A grande surpresa aqui, no entanto, é quão bom parece. A maior parte do conteúdo de comédia da Netflix parece tristemente plana, mas as lentes de Michael Fimognari são maravilhosamente nítidas e meticulosamente compostas.

E é apenas isso que falarei desse filme. rs

 

 

 

Apóstolo

 

 

Meteram o Dan Stevens (Legion, A Bela e Fera) num filme bem interessante de terror com seitas malignas. Apóstolo é motivado em todos os momentos pelo seu humor imponente, uma cinematografia misteriosa com uma produção que não teve medo de ousar.

Dan Stevens e Michael Sheen estão fantásticos. Um como o protagonista e outro como o enigmático líder de seita. No filme ainda temos Mark Lewis Jones roubando a cena.

Embora longe das emoções implacáveis dos filmes de artes marciais que o diretor Gareth Evans é conhecido, Apóstolo leva os espectadores em uma jornada lenta antes de soltar com alguma violência repulsivamente brutal e um final satisfatoriamente insano.

 

 

 

Cam

 

 

Eu acho que filmes de terror e tecnologia precisam comer muito arroz com feijão para realmente funcionar. Porém, Cam conta a história de uma jovem estrela da internet (Madeline Brewer), que encontra uma réplica de si mesma online e acaba vivenciando o que todo famoso dessa plataforma tem medo: A exposição.

O filme é um olhar profundamente inquietante sobre o que a fama significa na era moderna, enquanto explora o cansaço cotidiano de uma camgirl. Ele tem uma tensão e intriga que prende até o final, a performance de Madeline Brewer não é uma das melhores do ano, mas funciona.

Terrivelmente trabalhado no clichê, o filme é como intrinsecamente a tecnologia está agora integrada em todas as nossas vidas, este é um dos mais raros filmes de terror cibernético que provavelmente envelhecerão muito bem. Eu indico até para material pedagógico.

 

 

 

A Noite nos Persegue (The Night Comes for Us)

 

 

Filmes de ação da Indonésia são brutais e com roteiros absurdos. Mas este filme é fora da caixa, escrito e dirigido por Timo Tjahjanto. A Noite nos Persegue tem cenas incríveis de ação, sangue, muito sangue! Eu achei pesado, mas valeu cada segundo! rs

O ator Iko Uwais é a maior estrela da indonésia de todos os tempos em artes marciais. O cara faz coisas que ninguém acredita!

Vendo assim, parece que estamos diante de uma obra-prima de pancadaria. Poderíamos, mas o filme cai logo nos clichês, mais caricatural e menos requintada. Em algum momento a coisa fica sem sentido, mas tudo bem, o filme foi produzido apenas para mostrar chutes, socos e pontapés bem legais de assistir. É infernalmente ruim em estrutura de roteiro, performances e direção, mas infernalmente divertido de assistir.

 

 

 

Legítimo Rei

 

 

O filme passou primeiro no Festival Internacional de Cinema de Toronto, mas foi devastado pela crítica. David Mackenzie, diretor do filme, pegou seu produto entre as pernas e cortou 20 minutos de filme. O que aconteceu? O enredo ao menos ficou mais coeso.

Ele conta a história de Roberth The Bruce (Roberto I da Escócia) liderando uma batalha entre Escócia, que luta por sua liberdade, e a Inglaterra do Rei Edward I. Não tentem assistir essa obra original da Netflix como spin-off de Coração Valente, tudo bem? Teve gente que fez isso.

Ainda que conte com boas cenas de batalha, a verdade é que falta alma em “Legítimo Rei”. Chris Pine jamais convence como Robert ou como alguém capaz de liderar uma nação, mas como eu gosto de filmes históricos, ele tem seu valor.

 

 

Cargo

 

 

Provando que ainda há bastante vida em filmes de zumbi, este fascinante e surpreendentemente afetuoso conto de sobrevivência pós-apocalíptico dá a Martin Freeman o poder de apresentar talvez sua interpretação mais cativante de sua carreira.

Ele se passa na Austrália com uma abordagem nunca vista antes sobre os mortos-vivos.

Cargo é sobre os personagens. Sobre como eles podem sobreviver. Eu simplesmente achei tudo nesse filme bonito, é até emocionante. Lembrou uma versão moderna de Lobo

Solitário, só que em vez de um Pai lutando para sobreviver com seu filho bebê de ninjas e samurais assassinos, aqui é um pai medíocre tentando salvar sua filha de um ataque massivo de zumbis do mal.

Esse filme é uma joia da Netflix. Assistam.

 

 

 

O Outro Lado do Vento (The Other Side Of The Wind)

 

 

Este filme demorou 48 anos para ser finalizado. É filme da época que Orson Welles já não era tão querido assim.

O último filme inacabado de Welles foi concluído com a ajuda da Netflix em conjunto com o ator e astro Peter Bogdanovich e o produtor Frank Marshall. O resultado é fascinante.

Sem surpresa, o outro lado do vento é um filme bagunçado, mas é também uma experiência cinematográfica inesquecível, com Welles construindo uma premissa de filme dentro de um filme que era inegavelmente ambicioso para o seu tempo.

Também não deixe de conferir o documentário complementar, Theyll Love Me When I’m Dead, que é um fascinante olhar de bastidores tanto de Welles quanto da produção desastrosa que foi fazer o filme.

 

 

Black Mirror: Bandersnatch

 

 

Eu não gostei, mas vocês gostaram. A maioria sempre vence.

Charlie Brooker e Netflix deram um ousado passo à frente com este recém-lançado filme onde o telespectador escolhe o destino do personagem, mas que infelizmente se perde entre se é um filme ou apenas um jogo interativo.

Quanto menos se falar sobre o enredo, melhor para os spoilers, mas resumindo o filme conta a vida de um programador de videogame (Fionn Whitehead) lutando com sua sanidade enquanto se aprofunda no desenvolvimento de seu primeiro jogo.

Apesar do telespectador tenha que ser encorajado a explorar as várias permutações de histórias através de um sistema narrativo ramificado e intuitivo. Essa ideia não é original.

Não é tão profundo ou complexo como talvez poderia ter sido, mas, ainda assim, uma peça divertida de narrativa experimental, estimulada por excelentes valores de produção e performances excelentes.

 

 

Calibre

 

 

Sem dúvida, o melhor filme Original Netfliz que ninguém assistiu em 2018, este filme é sobre uma viagem de caça nas montanhas escocesas que deu muito errado. Eu achei uma das surpresas de 2018. Foi barato, tem atuações legais e um tem um clima bem tenso do começo ao fim.

Jack Lowden e Martin McCann são notáveis nos papéis principais, enquanto o diretor Matt Palmer ordenha o estranho cenário escocês.

Construído a partir de uma série de sequências de suspense cada vez mais agitadas, Calibre é um exemplo fantástico do que pode ser feito com recursos limitados.

Netflix ajude seu filme, divulgue-o! Todos merecem assistir!

 

 

 

Shirkers

 

 

Eu gosto de jornalismo investigativo. Esse filme foi bem aclamado pelo mundo, não sei como foi pelo público brasileiro. Mas a cineasta Sandi Tan tenta descobrir o segredo por trás de uma enigmática produtora que fugiu com as filmagens de seu primeiro projeto cinematográfico, Shirkers é um documentário tão comovente quanto bizarro.

Tan (a personagem central da história) é uma figura focal intrigante e espinhosa, e seguir sua jornada para recuperar as imagens perdidas é extremamente recompensadora e extremamente divertida. Se você está todo interessado em fazer cinema, assista Shirkers.

 

 

 

Mais uma Chance (Private Life)

 

 

O primeiro filme de Tamara Jenkins desde 2007. É um drama profundamente comovente sobre um casal de meia-idade (Paul Giamatti e Kathryn Hahn) tentando desesperadamente ter um filho.

Se isso soa totalmente milagroso e convencional, não tenha medo: trata-se de um filme dolorosamente humano e emotivo sobre a busca do sentido da vida.

Devastadoramente engraçado, incrivelmente empático e ricamente satisfatório, é, sem dúvida, o melhor filme sobre a classe média branca americana que você verá na Netflix ou em qualquer outro lugar.

 

 

Aniquilação

 

Que filme fascinante. Alex Garland fez um horror de ficção científica. Essas coisas costumam darem erradas.

Apesar dos murmúrios de pré-lançamento falando que o filme estava um pouco bagunçado – daí a Paramount vendê-lo para a Netflix em primeiro lugar – o filme foi na verdade, uma vitória da Netflix.

Um elenco maravilhoso de atrizes talentosas, lideradas por Natalie Portman, cumpriu a ficção científica ambiciosa, mal-humorada e ferozmente lenta de Aniquilação.

É um filme melhor assistido sem saber muito sobre ele e do desconcertante mal-estar que permeia todo o seu final alucinante, a Aniquilação é exatamente o tipo de trabalho criativo e corajoso para servir como um emblema de filmes Original Netflix no seu melhor momento.

 

 

 

Roma

 

É o filme que fala do amor pela experiência humana em todo o seu horror e alegria. É um dos filmes mais importantes da minha vida.

Afonso Cúaron ao contar um pedaço de uma sua vida infantil, devasta nossos corações mostrando como a vida é quase a mesma para todos. Eu protegerei pelo resto da minha vida o papel feito por Yalitza Aparicio. É filme para ganhar Oscar. Por enquanto, levou melhor diretor e roteiro no Globo de 2019.

 

 

Quais foram seus originais favoritos da Netflix de 2018? Deixei nos comentários!

Imagens: Netflix

Quem é PikachuSama

Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.

 

  

Posts Relacionados
%d blogueiros gostam disto: