Segunda, 09 De Julho De 2018

Notícias sobre Filmes, Séries e Netflix

Resenha | Mr Mercedes (Stephen King)

 
Ainda é madrugada em uma cidade do meio oeste americano tomada pela recessão mas várias pessoas já formam fila em frente ao City Center para uma feira de empregos. Buscando fugir da crise, com a esperança de melhoras, elas pensam que não há como sua situação piorar. Porém, o surgimento de um Mercedes cinza, que avança direto para a multidão, transforma a esperança em uma terrível tragédia.
√Č assim que Stephen King d√° in√≠cio a Mr Mercedes, um de seus romances mais recentes, o primeiro da, como ficou conhecida, trilogia Hodges. Mais conhecido por suas hist√≥rias de terror, onde √© considerado um mestre do g√™nero, King empresta sua genialidade para criar um thriller policial. O resultado n√£o decepciona. A obra foi bem recebida pelo p√ļblico, com avalia√ß√Ķes positivas da cr√≠tica, al√©m de receber o Edgar Award de melhor novela pela Mistery Writers of America.
A história não segue o padrão dos romances de suspense policial, onde o mistério sobre o criminoso não é revelado até o clímax final. Aqui, desde o início somos apresentados ao assassino do Mercedes. Com o mistério revelado ao leitor, a construção dos personagens passa a ser o foco da narrativa. Como já disse em outra oportunidade, uma das grandes qualidades do King é a sua caracterização dos tipos humanos. Em Mr Mercedes isso não é diferente.
O protagonista é o detetive Bill Hodges, que nutre um sentimento de impotência por não ter conseguido resolver o caso do assassino do Mercedes, sendo essa a grande decepção da sua carreira. Ao ver-se aposentado, começa a questionar toda a sua vida e chega a suscitar a possibilidade de suicídio por não ter mais nenhuma expectativa ou motivação, já que sua dedicação à carreira policial lhe custou muito, incluindo o casamento. Porém, recebe uma carta que lhe dá um novo objetivo, uma nova chance de consertar erros do passado.
A carta foi enviada pelo pr√≥prio assassino, Brady Hartsfield. Em ato de narcisismo t√≠pico, o psicopata se revela ao antigo perseguidor na tentativa de quebr√°-lo, aproveitando-se da depress√£o que cresce a cada dia em Hodges, pois descobriu, com a sra Trelawney (a dona do Mercedes que virou a arma da chacina), que levar as pessoas a cometerem suic√≠dio √© mais gratificante que propriamente mat√°-las. A medida que o romance avan√ßa, vamos imergindo cada vez mais na mente do sociopata, conhecendo os eventos que o levaram a ser quem √©, como a rela√ß√£o disfuncional com a m√£e e a morte do irm√£o. Com o assassino do Mercedes, Stephen King criou um de seus melhores vil√Ķes, pois Brady, apesar dos problemas psicol√≥gicos, √© definitivamente mal, movido pelo ego√≠smo, causando antipatia imediata no leitor.
Como de praxe nas obras do King, as personagens secundárias são muito bem construídas, com destaque ao popular Jerome e a emocionalmente abalada Holly. As personagens preenchem bem alguns gaps nas habilidades do detetive, formando com Hodges um trio que objetiva capturar o assassino do Mercedes e evitar que uma nova tragédia aconteça.
Apesar de todas as cartas estarem na mesa desde o início, o autor consegue criar um suspense que vai aumentando até o clímax final, que é muito bem desenvolvido, com momentos realmente angustiantes, deixando o leitor tenso e ansioso para saber como será o fim do embate entre os dois personagens. A tensão é crescente no decorrer das páginas, sendo difícil parar com a leitura.
O livro é um excelente início para a trilogia, sendo também o ponto alto da mesma. Por suas qualidades, Mr Mercedes é uma obra fundamental para quem quer conhecer um lado diferente do autor, fugindo do terror e fantasioso. Seu sucesso motivou a criação de uma série de TV, com Brendan Gleeson e Harry Treadaway nos papéis principais.

Série adaptada do Livro

Texto Jackson Rocha

Quem é PikachuSama

Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.

 

  

Posts Relacionados
%d blogueiros gostam disto: