S√°bado, 22 De Dezembro De 2018

Anuncie Aqui!

SESI deve publicar gibi inédito dos anos 60

Algumas semanas atr√°s publiquei aqui uma mat√©ria sobre uma pessoa que chamei de “o melhor dentre os mais desconhecidos quadrinistas do Brasil”. Trata-se de Amauri Pamplona, um gigante desconhecido, capaz de fazer centenas de p√°ginas por m√™s… e deix√°-las perdidas pelo tempo.

Infelizmente, por motivos que a gente pode apenas imaginar, Amauri Pamplona faleceu praticamente um inédito, tendo impresso apenas duas ou três curtas historinhas em revistas de cultura de pouca longevidade de Teresina-PI.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Tive o prazer de conhecer a obra dele no início dos anos 2000 quando preparava meu trabalho de conclusão de curso para a licenciatura em história. Li umas 500 páginas de seus quadrinhos, o que rendeu um capítulo inteiro no meu TCC , mas não toquei a ideia de publicá-lo para frente. Esse trabalho coube a outro historiador. Inclusive, o quadrinista Amaral (autor de Hipocampo) foi o responsável pela apresentação da obra de Amari Pamplona tanto para mim, quanto para Bruno Azevedo.

Bruno encantou-se pelos quadrinhos de Amauri Pamplona e começou sua própria pesquisa. Juntou material. Ajudei no que pude: visitamos a casa de pessoas que possuíam alguns originais e que foram prontamente oferecidas para ele (muito obrigado à Virgínia Lemos e ao Durvalino Couto).

Com mais de 3mil páginas de quadrinhos inéditos de Amauri Pamplona para trabalhar e com sua experiencia de editor independente, à frente da editora Pitomba (onde publicou livros como o Breganejo Blues, sobre um taxista detetive e fã de Tex), Bruno Azevedo promete publicar os quadrinhos deste desbundado quadrinista, que deitou e rolou todas as maravilhas dos anos 60, 70 e 80, e que estavam no fundo da gaveta, aguardando um sopro editorial.

Fiz uma pequena entrevista com Bruno Azevedo. Espero que leia e que fique t√£o empolgado na espera quanto eu por todo esse material.

Bruno Azevêdo, segurando um dos típicos folhetins baratos que adora

5C:¬† Qual a import√Ęncia da obra do Amauri Pamplona, praticamente um in√©dito no Brasil?

Na real eu n√£o tenho como dimensionar plenamente a import√Ęncia do Amauri, mas posso apontar algumas singularidades: at√© onde me conste n√£o existe no mundo um quadrinista recluso. Quadrinhos s√£o uma m√≠dia eminentemente industrial, n√£o √© como poesia. Quadrinistas adolescem, com os quadrinhos, querem publicar desde sempre, mas esse n√£o era o caso do Amauri jovem. NO Rio, foi o pai que ensaiou public√°-lo. N√£o deu certo e ele se magoou. N√£o tentou mais. S√≥ em Teresina ensaiou ver a obra impressa. Se isso n√£o fosse pouco, a obra dele √© gigantesca, s√≥ eu recuperei mais de 3000 p√°ginas! Tamb√©m h√° o contexto: Amauri era um cara fazendo quadrinhos na ditadura fora dos grandes ou pequenos c√≠rculos, a obra dele era ‚Äúlivre‚ÄĚ nesse sentido, das censuras oficiais e da censura da esquerda, de maneira que temos um documento poderoso sobre um per√≠odo importante. Acho que em alguns anos, com interesse acad√™mico sobre o Amauri, vamos poder responder melhor essa pergunta.

5C: Como descobriu os quadrinhos dele?

Quem me apresentou o Amauri foi o Amaral, em Teresina. Amaral foi amigo dele, e ficou com um dos livros.

5C: O que te motivou a querer publicá-lo e como será essa edição? Que projeto editorial abarcaria um trabalho gigantesco como o dele?

Eu tenho essa coisa, sei lá, esse tipo de material cai na minha mão. Não sei explicar. E sou um fuçador. Acho que a formação de historiador, por mais que precária, me deu essa instiga. Se tem um mistério eu vou atrás. Um cara como o Amauri não pode ficar inédito, é simples assim. A ideia é começarmos pelo Laboratório do Cientista Louco, de 1969, depois publicar o restante da obra que consegui coletar, acho que serão uns 9 livros. Por ora estou ocupado em traçar um perfil biográfico dele, ainda não foquei muito na obra em si. Acho que o projeto editorial deve ter uma função dupla de mercado e pesquisa. Estamos lançando um gibi foda perdido, mas que também é um documento foda sobre os quadrinhos no Brasil e o Brasil mesmo naquela época! Por isso mesmo quero fazer tudo fac-similar.

5C: Foi difícil conseguir parceiros para publicar do Amauri?

Mais ou menos. Por ora tenho um di√°logo muito bom com a editora do Sesi-Sp. Deve sair tudo por l√°.

5C: Porque você acha que Amauri não foi reconhecido em seu tempo?

Na real, porque ele n√£o queria. O Amauri era um sujeito arrogante e dif√≠cil na juventude. Tinha um c√≠rculo de amigos muito estreito, que o ‚Äúaturavam‚ÄĚ apesar de. Ele n√£o queria muito reconhecimento, e se achava acima do que se produzia naquele momento, detestava o Pasquim. A esquizofrenia tinha um papel importante nessa rela√ß√£o dele com o mundo exterior. O Amauri produzia 500 p√°ginas em dois meses, encadernava, dava pra dois amigos lerem e guardava o material sem fazer sequer uma c√≥pia.

 

Posts Relacionados
%d blogueiros gostam disto: