Não deixe de conferir nosso Podcast!

Creed III apresenta uma modernização da fórmula criada por Stallone

A direção de Michael quebra a tradicionalidade e dá ao filme ares mais modernos

O grande mal dos filmes que têm as lutas de boxes como tema central é a dificuldade para encontrar originalidade. Quase sempre é: o protagonista perde a primeira luta, treina, se supera e emociona no final vencendo a revanche.

Com o Rocky do Stallone foi assim, e com Creed não foi diferente. Mas se todos sabem disso, por que continua atraindo tanto público? Justamente pelos detalhes. Basta ver o quanto Creed III, ainda em exibição nos cinemas brasileiros, está diferente dos dois primeiros. Agora a direção é do astro Micheal B. Jordan (Pantera Negra, Sem Remorso), que também interpreta o protagonista Adonis Creed. Stallone desta vez ficou de fora, participando apenas da produção.

Na trama, Adonis, após se aposentar dos ringues, reencontra o amigo Damian Anderson (Jonathan Majors). Os dois têm um passado mal resolvido e Adonis se sente na obrigação de ajuda-lo. Só que Damian quer muito mais, seu sonho é chegar no topo da carreira de boxeador iniciada na adolescência e que foi interrompida quando foi preso.

O diretor Michael B. Jordan consegue imprimir neste terceiro uma modernidade que provavelmente era barrada pelo tradicionalismo de Stallone. A nova fórmula quebrou o medo de fugir do tradicional e não dar certo. Michael diz ter bebido principalmente na fonte de animes (desenho animado japonês), que são dinâmicos e sabem representar muito bem a velocidade dos golpes. Outra forte influência sobre pela nova direção é a música. O trap está muito presente, não só na trilha sonora, mas em todas as formas que envolvem o estilo musical.

Por conta disso, Creed III divida opiniões entre quem prefira a fórmula tradicional criada e defendida por Stallone e quem se encanta mais por uma linguagem mais moderna. Mas o certo que de um modo geral Creed III é um bom filme, cumpre bem o seu papel, consegue empolgar e termina bem. Mas tomara que não queira se igualar ao Rocky Balboa e volte com Creed IV, V, VI…

LEIA TAMBÉM:  Crítica | Euphoria, da HBO, traz Zendaya no papel mais dramático e polêmico de 2019
Jornalista formado pela Universidade Federal do Piauí com mais de 20 anos de atuação na área, sempre com destaque para área cultural, principalmente no campo das histórias em quadrinhos, cinema e séries.