Não deixe de conferir nosso Podcast!

O anti-herói argentino Cazador está de volta em histórias inéditas no Brasil

A Tai Editora está com os dois primeiros volumes da coleção em pré-venda no Catarse

Cazador, o anti-herói que foi o último fenômeno em popularidade e vendas da Argentina, está de volta com histórias nunca publicadas no Brasil. A responsável por isso é a Tai Editora, que trouxe o personagem pela primeira vez em 2020 e acaba de iniciar a pré-venda no Catarse e no próprio site da editora, com dois volumes de Arquivos Cazador de uma vez.

 

A nova coleção será apresentada na ordem que foi publicada na Argentina. Outra novidade importante é que terá o formato Americano (17 x 26 cm), diferente das demais publicações do personagem produzidos pela editora. “Dessa vez a coleção sairá no mesmo tamanho dos anos de 1990 e trará três edições argentinas em cada volume”, destaca a editora, Taína Lauck.

 

As capas terão um layout padronizado em todos os volumes, além de lombada quadrada e orelhas de 8 cm. A coleção “capa azul” terá um total de 12 edições, sempre com dois volumes lançados juntos.

O que nunca muda, no entanto, é o nível de diversão e insanidade das histórias criadas por Jorge Lucas e Claudio Ramirez. Cada volume é uma metralhadora giratória de referências da cultura pop, principalmente dos anos 1990, que transportam o leitor para um tempo em que tudo chegava ao extremo e absolutamente nada era levado a sério.

 

O personagem surgiu em março de 1990, na Argentina, no único número do fanzine chamado Arkham. Na época Jorge Lucas assinava roteiro e desenhos.

 

Em 1992, o Cazador já não seria o mesmo: Sem continuidade com o estágio anterior, o personagem foi modificado a pedido do editor e Cazador ganhou uma revista própria, com circulação nacional. A revista se tornou um sucesso absoluto entre o público que colecionava quadrinhos e aqueles que nem curtiam a nona arte, por conta do seu humor ácido, suas paródias de acontecimentos da época, sua brutalidade extrema e sua impressionante arte.

LEIA TAMBÉM:  Saiu as primeiras reações oficiais de Hellboy e Aquaman, confira!

 

Ao todo, Cazador teve 65 edições entre 1992 e 1999, voltando para mais 22 edições entre 2001 e 2003, além de outras séries derivadas como Cazador Comix e El Dié, que contava as aventuras de Cazador com seu amigo Diego Maradona.

Cazador teve toda sua origem e as edições dos fanzines publicadas no Brasil pela Tai Editora em Cazador: Origens, um encadernado capa dura com 256 páginas e formato grande, lançado em 2022 em comemoração aos 30 anos da aparição do personagem.

 

Apesar de ainda ser pouco conhecido no Brasil, Cazador está em todas a listas “Top 10” de quadrinhos argentinos de todos os tempos. Muitas vezes perdendo apenas para “El Eternauta”, em termos de popularidade.

 

Os autores

Jorge Lucas

Nascido em Salto, Uruguai, Jorge Luis Pereira mudou-se para a Argentina quando tinha 10 anos. É o pai do Cazador. Além do seu trabalho com Cazador, Jorge Lucas também criou outros personagens como Hercules Myst e também trabalhou para a Marvel, DC Comics, Top Cow, IDW e inúmeras outras editoras.

 

Claudio Ramírez

Argentino de nascimento, Claudio Ramírez é um dos grandes ilustradores da contracultura na Argentina. Seus trabalhos envolvem, além de quadrinhos, oficinas de quadrinhos, artes para marcas de skate, capas para discos de heavy metal, artwork para tatuagens e tudo que envolve o universo underground.

 

Serviço

Formato: Americano (17 X 26 cm)

Capa: Cartão com orelha

Miolo: Em off set 90g

Páginas: 84, em preto e branco

Pré-venda: No Cartarse ou no site da Editora

Jornalista formado pela Universidade Federal do Piauí com mais de 20 anos de atuação na área, sempre com destaque para área cultural, principalmente no campo das histórias em quadrinhos, cinema e séries.