Não deixe de conferir nosso Podcast!

Cresce a produção de quadrinhos de super-heróis brasileiros

"Abra sua mente para o super-herói brasileiro, Com certeza vai encontrar muita coisa boa", garante Lobo

Nascidos ainda na década de 60, os super-heróis brasileiros ainda não ocuparam grandes espaços na mídia e no mercado nacional de histórias em quadrinhos. A grande maioria caminha ainda pelas produções independentes. Mas, de acordo com Lorde Lobo (cujo nome verdadeiro é Alexandre, mas segundo ele, nem em casa é chamado dessa forma), desenhista, quadrinhista e produtor do canal Grandes Heróis BR, no Youtube, “a produção de quadrinhos de super-heróis brasileiros é efervescente e vem recebendo cada vez mais a atenção de editoras nacionais”.

“Para você ter uma ideia, atualmente tenho uma pilha com mais de 50 quadrinhos para ler e falar sobre eles no nosso canal. É algo que ainda não podemos chamar de mercado propriamente dito porque ainda é uma luta muito ideológica, mas já temos editoras como a Spitterdragon e a Quimera que já dão uma atenção especiais a produção dos super-heróis brasileiros”, conta.

Lobo ressalta ainda que esse processo de evolução está sendo construído de forma responsável, com uma produção constante, mesmo que ainda de forma alternativa. “A grande diferença é que lá fora os artistas ganham para produzir, e aqui ainda pagamos para produzir”, lembra.

 

O super-herói nacional

Para quem ainda não conhece os super-heróis brasileiros, assim os estrangeiros, eles também podem ter capa, roupa colante e colorida e superpoderes. Uma das principais diferenças são os cenários onde esses personagens atuam. “O meu personagem, por exemplo, o Penitente, vive uma cidade fictícia. Criei uma ilha, a Nova Virtude, que fica exatamente na divisa de Rio de Janeiro e São Paulo”, explica.

 

O canal

O Canal Grandes Heróis BR tem hoje cerca de 3 mil inscritos e já conta um programa constante aos domingos, com quadros específicos e participações especiais. “Nunca falei dos heróis da Marvel e DC Comics, mas, claro, não tenho nada contra, afinal de contas se produzimos e falamos de super-heróis nacionais é porque lemos muitos dos super-heróis importados. A questão é que esse é um espaço dedicado aos nacionais. Ninguém precisa deixar de ler os quadrinhos importados, mas vamos abrir a mente para os nossos super-heróis. Quem fizer isso, com certeza vai encontrar muita história boa”, garantiu.

LEIA TAMBÉM:  Amazon compra mais gibi que os livreiros do Brasil

 

Jornalista formado pela Universidade Federal do Piauí com mais de 20 anos de atuação na área, sempre com destaque para área cultural, principalmente no campo das histórias em quadrinhos, cinema e séries.