Não deixe de conferir nosso Podcast!

Crítica | A Maldição da Mansão Bly, menos sustos, mais coração

Servindo como pano de fundo sobre condição humana e sua tragédia, A Maldição da Mansão Bly é mais emocional do que assustadora.
A Maldição da Mansão Bly
Netflix

Servindo como pano de fundo sobre condição humana e sua tragédia, A Maldição da Mansão Bly é mais emocional do que assustadora.

A Maldição da Mansão Bly (The Haunting of Bly Manor) é obviamente uma história irmã de A Maldição da Residência Hill (The Haunting of the Hill House), mas muito mais ambiciosa, menos assustadora e com um pouco mais de coração. A série, uma adaptação da novela de Henry James, The Turn of the Screw, é um recorte preciso, mesmo que usando terror, sobre a condição humana e sua tragédia. A nova série da Netflix, ao contrário da Residência Hill, com certeza deixará o telespectador mais triste do que assustado.

Esta resenha fará comparações com as duas obras porque se faz necessário

A Mansão Bly é o proverbial palácio da memória em letras pequenas e, como na Residência Hill, os fantasmas aqui estão enraizados no horror cerebral. Em Hill existe um desconforto assustador e inquietante, mas Bly vence quando se trata do drama humano. Há pequenos temas surpreendentes em questões de gênero e sexualidade que dificilmente se poderia esperar em uma série de terror, e eles são tratados sem serem pretensiosos. Existem monólogos que se transformam em poesia.

É sério. A cena das flores e da lua é uma coisa muito preciosa para quem assiste a cena pela primeira vez e ganha mais significado quando termina a série.

A temporada, ao longo de nove episódios, cria um mundo que o elenco torna mais convincente do que a cenografia ou mesmo o ambiente. A verdadeira assombração se desenrola nos rostos dos atores, muitos deles familiares de Residência Hill. Victoria Pedretti, interpretando a protagonista, rouba cada quadro e segundo que aparece. Há algo inerentemente melancólico em seu rosto e sua expressão, ela ouve sem palavras as histórias de outras pessoas, mas suas emoções se manifestam em seus olhos. O elenco coadjuvante que interpreta o jardineiro, a governanta, a cozinheira e as duas crianças sob a responsabilidade da au pair de Pedretti carregam o espetáculo que é A Mansão Bly tanto quanto ela.

A história pega você com calmarias alternadas de crianças falando em línguas assustadoramente adultas e, em seguida, uma vida doméstica confortável e amigável. Chama também a atenção para a vida interior dos personagens de uma forma que os fantasmas são realmente reduzidos a espectros fugazes no fundo.

Eles aparecem com pouca frequência; o foco da série permanece nas histórias de origem. Estes, embora agradáveis, não necessariamente contribuem para os plots dos episódios. Há, no entanto, um episódio inteiro dedicado ao fantasma original da Mansão, ambientado em um século diferente, que quase atrapalhou o ritmo narrativo. Porém, foi uma questão de linguagem e atmosfera necessárias para explicar e dar profundidade para o resto dos personagens.

Também há uma voz narrativa que intervém convenientemente, deixando muito pouco para a imaginação. É poético, mas penso que seria mais autêntico sem que alguém explicasse todos os motivos e conteúdo. A narração parece mais leitura do que visualização, e continua sendo um dos aspectos mais fracos da história. É também o que torna os acontecimentos menos misteriosos.

O protagonista de A Maldição da Mansão Bly, no entanto, é o tema. Enquanto a Mansão Hill mostrou que somos nós que nos assombramos, Bly acredita que nossos amantes e entes queridos o fazem. O fantasma que permeia é a memória, que os personagens às vezes habitam e às vezes visitam indefinidamente. É também um olhar para a vida após a morte, com o inferno encarnado no reviver implacável de memórias dolorosas. Os religiosos chamam isso de purgatório também.

Os personagens falam com o que os assombra e às vezes até convivem com isso. Não há como um estranho saber se a Mansão Bly é realmente assombrada por fantasmas ou se os personagens estão arruinados apenas por seu passado. A série também é existencialista, pois a Mansão é como se fosse uma armadilha para ratos, com sua própria “gravidade” que liga os personagens a ela. A série executa com perfeição a ideia da existência como um reino de retorno e inevitabilidade sem fim. Em uma cena metafórica, vemos a recusa obstinada de um fantasma em olhar para baixo do poço – uma representação do vazio – onde está a verdade espalhafatosa da existência. Isso mesmo, a nossa própria morte.

As memórias assombram e os seres humanos “saltam nos sonhos” através do tempo como fantasmas. As linhas se confundem entre quem é um fantasma e quem é uma invenção do passado. Ambos, ao longo do tempo, perdem o rosto literalmente e, ainda assim, a assombração e maldição continua.

Cada fantasma também é diferente, como as memórias que os geram: alguns não fazem mais nada, apenas vagueiam pela Mansão, alguns são furiosos e outros pousando a mão amorosa no ombro da amada adormecida. Eu tive problemas em encontrar um termo para falar sobre os fantasmas de A Maldição da Mansão Bly, mas acho que existe um universo fantasmagórico no lugar que encapsula o passado como uma casa em que a pessoa vive, e apenas o esquecimento permite o alívio. Talvez seja por isso que é revelado que nenhum lugar real pode ser encontrado com o nome de Bly.

As histórias de amor são o ponto alto da série, ternas de uma forma que deixa seu coração quente e dolorido. Os criadores do programa, na voz do narrador, confessam que uma história de amor é o mesmo que uma história de fantasmas, porque “morto não significa que se foi”.

No final, A Maldição da Mansão Bly é tão assustador quanto nossas vidas normais são, seus fantasmas são apenas amantes do passado. E mais uma vez a Netflix acertou numa série do gênero. Vale muito a pena assistir até o final.

A Maldição da Mansão Bly está disponível na Netflix

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.