Não deixe de conferir nosso Podcast!

Crítica | “Anne With an E” Segunda temporada, mais engraçado, inclusivo e seguro de sua mensagem.

Anne With an E” é mais ousado, mais engraçado, e simplesmente melhor na 2 ª temporada, com novas e empolgantes histórias para os personagens principais do livro “Anne of Green Gables” de L.M. Montgomery. Isso não quer dizer que é melhor do que o livro, mas agora que a série estabeleceu sua fórmula para quebrar regras em sua primeira temporada, desta vez a história pula com os dois pés.

O resultado é uma narrativa mais segura e vibrante que permite à série brincar com seus personagens, o mundo parece que ficou maior para eles. E isso é a estratégia da série. Embora o material original ainda forneça alguma inspiração – como quando Anne (Amybeth McNulty) se assusta com a força de sua imaginação selvagem – as novas histórias oferecem mais aventuras, mais maneiras de desenvolver o caráter e mais insights sobre o período que são relevantes como às questões enfrentadas pelos jovens hoje.

Amybeth McNulty, "Anne With an E"
Reprodução

A segunda temporada começa onde a primeira terminou, a situação em Green Gables não parecia tão terrível. Embora a família Cuthbert estivesse em perigo real de falência, graças ao investimento imprudente de Matthew (R.H. Thomson), a venda de bens e a contratação de alguns inquilinos trouxeram algum dinheiro e muito alívio. Infelizmente, esses hóspedes – o safado de boa aparência Nathaniel (Taras Lavren) e o barulhento sr. Dunlop (Shane Carty) – são, na verdade, bandidos trabalhando secretamente para aplicar um golpe que mudaria Avonlea para sempre.

A maneira como a séria lida com essa história leva Anne e sua amiga Diana (Dalila Bela) a unir-se de uma maneira muito mais complexa e proativa do que vimos anteriormente em suas brincadeiras de fadas de contos de fadas. Isso prepara o cenário para uma atração ainda maior no final da temporada, que nunca perde de vista o que a série é: fazer o bem e celebrar o que é bom no mundo.

Embora isso possa parecer muito ideal para o mundo moderno, a bondade inerente de Anne e sua incapacidade de se conter é um de seus encantos duradouros e, por extensão, da história. A série pelos olhos de Anne vai do sombrio ao alegre, do desajeitado ao choroso, e ainda assim sempre se sente genuína e feliz do que toda a vida tem a oferecer. Mas isso inclui também o lado sombrio, a parte da adaptação da Netflix que recebeu mais críticas. Sim, a série vem sofrendo nas mãos dos fãs puristas das adaptações anteriores. Eles estão em chamas! rs

Amybeth McNulty and Delila Bela, "Anne With an E"
(Reprodução)

E se fosse para criticar algo dessa temporada seria a forma como trabalharam os flashbacks de Anne quando ainda morava e sofria no orfanato. Nada ficou resolvido sobre eles durante a segunda a temporada.

Mas ela não é a única a receber esta perspectiva de voltar ao tempo para entendemos o seu presente. Nesta temporada, seus pais adotivos, Matthew e Marilla (Geraldine James), têm suas histórias reveladas através de flashbacks, e estes são tratados de tal forma que oferece soluções puras no presente. Na verdade, esses são os momentos mais sérios da temporada, é como se falassem para nós, ser adulto é desistir de coisas, ser adulto é duro e ser adulto é acordar para a vida.

A mensagem da série sobre intimidação, aceitação e inclusão é ainda mais direta nesta temporada. Após a morte de seu pai, Gilbert Blythe (Lucas Jade Zumann) foi trabalhar em um navio a vapor, a ideia dele é conhecer o mundo e saber o que gostaria de fazer para sua vida e com sua terra herdada. Esse novo empreendimento o leva a vários portos de escala, mas também permite que ele faça amizade com Sebastian “Bash” Lacroix (Dalmar Abuzeid), um trabalhador afro-caribenho de Trinidad, o primeiro personagem negro a ter alguma vez recebido qualquer história de “Anne of Green Gables”.. E apesar de existirem exageros de exotismo aqui e ali, na maior parte do tempo, a série esclarece e aborda o racismo dos personagens, as desigualdades enfrentadas por uma pessoa não branca, e como Bash é um personagem incrível e pessoa plenamente realizada.

Dalmar Abuzeid, "Anne With an E"
Reprodução

A outra mensagem importante sobre inclusão envolve a tia-avó Josephine (Deborah Glover), que na última temporada revelou que estava apaixonada por alguém chamada Gertrude. Esse enredo retoma de uma forma que também se sobrepõe às experiências de Anne em Avonlea e à ideia de papéis de gênero, identidade e autoaceitação. Embora nenhuma dessas histórias tenha sido incluída no texto original de Montgomery, a série filtra tudo por meio de Anne, que foi mal interpretada, ostracizada, abusada e marginalizada. Só faz sentido que ela gravitasse em direção àqueles que não eram de todo o coração aceitos na sociedade durante esse tempo ou sobre este tema.

Finalmente introduziram a Raposa. Anne sempre abordou as flores e árvores como se fossem pessoas nos livros, mas a raposa é uma forma mais inteligente e mais interativa de representar sua afinidade com o mundo natural. Ele também desempenha um papel importante em uma história no final da temporada e é uma adição bem-vinda ao elenco.

Apesar dos períodos de melancolia e turbulência, esta temporada parece mais enérgica e leve por causa do ritmo mais rápido. É mais confortável em lidar com humor em suas situações cotidianas habilmente enquanto também zomba de si mesma. Uma brincadeira perto do final da temporada resume como tudo gelifica para criar uma aventura completamente edificante e, mais importante, divertida. O elenco jovem da série, na verdade, roubou o programa dos já fortes membros do elenco adulto que jogam por qualquer coisa, inclusive parecendo tolos da maneira mais encantadora do eu consigo escrever e você entender.

"Anne With an E"
Reprodução

A série funciona bem melhor sendo lançado semanalmente do que lançada completa, apesar das histórias abrangentes. Leva o seu tempo para respirar e construir Avonlea, criando verdadeiramente uma imagem mais completa de uma comunidade que não está apenas no local para fornecer um pano de fundo para o crescimento e as travessuras de Anne. Cada episódio completo e satisfatório merece ser digerido antes de correr de cabeça para o próximo.

Está na hora da Netflix permitir a gente, usuários, desativar a reprodução automática. Além disso, consumir a temporada rápida significa muito mais tempo para a próxima série da lista. Anne with an E precisa ser Avisto devagar. A série é cheia de nuance belas e incríveis.

4
PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.