Não deixe de conferir nosso Podcast!

Resenha | Anne with an E é uma aula sobre o direito de expressão e a dignidade humana

É uma das melhores séries para uma geração de pessoas que teimam em não lutar pela liberdade de expressão, pela inclusão, pela defesa dos direitos humanos. Anne with an E é essencial.
Anne With An E
Netflix

“Anne with an E” retorna à Netflix para sua terceira temporada, bem a tempo de ser cancelada. E aconteceu algumas mudanças significativas na idílica cidade de Avonlea que nossa heroína chama de lar. Anne Shirley-Cuthbert tem agora 16 anos, à beira da idade adulta, e se prepara para os exames de admissão que determinarão se ela será admitida na faculdade para o ano seguinte. Tão perto de embarcar em sua vida como adulta, ela de repente se sente sobrecarregada pelo desejo de aprender mais sobre seus falecidos pais e seu passado.

Gilbert está comprometido com seu sonho de realizar pesquisas médicas em um universo dominado pela elite canadense, embora a decisão de qual garota ele deva passar o resto de sua vida continue assombrando o jovem rapaz. Diana está prestes a ser enviada para terminar a escola em Paris, apesar de querer desesperadamente ir para a faculdade com todos os seus amigos, mas antes, arrasa o coração de um jovem. É isso, as crianças da primeira temporada cresceram e se tornaram jovens cheios de dúvidas e medos.

Crítica | “Anne With an E” Segunda temporada, mais engraçado, inclusivo e seguro de sua mensagem

Embora as performances dos jovens atores de Anne with an E sempre tenham sido acima da média, especialmente entre o elenco principal, há um ar de maturidade nesta temporada que mostra até que ponto eles chegaram ao longo dos anos. Amybeth McNulty, como Anne e Lucas Jade Zumann como Gilbert, em particular, desenvolveram uma presença de tela única, o diálogo cuidadosamente bem dito da época história lhes permitiram lidar com o assunto mais substancial e agirem naturalmente bem ao lado de atores com o dobro da idade. Seu enredo romântico, há muito esperado pelos fãs da série, é doce e genuíno.

Parece apropriado para Anne abraçar pessoas marginalizadas, sendo naturalmente empática e canonicamente uma das personagens mais abertas na literatura desse período. Tramas que veem Anne defendendo a liberdade de imprensa e os direitos das mulheres podem ser vistas cinicamente como uma tentativa sutil de trazer o drama da época para o século XXI. Mas, no final das contas, funciona porque essas são as causas pelas quais podemos imaginar Anne lutando.

A história das Primeiras Nações, por outro lado, é um pouco mais desajeitada. É certamente louvável que a série escolha chamar a atenção para os povos indígenas e dar voz àqueles que tantas vezes silenciaram pelas narrativas históricas tradicionais. Mas, ao lidar com a tragédia dos programas de internato residencial canadense para crianças das Primeiras Nações, um sistema que resultou em abuso generalizado e agora é considerado nada menos que genocídio cultural, eles morderam mais do que conseguem mastigar. Seu tom devastadoramente sombrio é inteiramente apropriado para o assunto, mas faz com que as transições entre ele e o resto do programa geralmente otimista pareçam chocantes. Caso queira ler mais sobre esse assunto, eu indico esse artigo: Primeiras Nações: as populações nativas do Canadá.

Apesar disso, acho que o programa merece algum crédito por tentar abraçar diversos problemas de inclusão dentro de uma sociedade totalmente moralista. Além disso, senti que a temporada final de Anne with an E deixou todos os atores confortáveis com seus papéis.

Quando uma série baseado em um livro termina, há certas pontas soltas que você deseja amarrar. Para uma órfã, muitas vezes o sentimento de não conhecer sua história pode ser um fim solto. Marilla (Geraldine James) e Matthew (R.H. Thomson) consideram a necessidade de fechamento da filha adotiva. Eles chamam as pessoas, eles enviam perguntas. Eles fariam qualquer coisa por ela.

No final, Anne mudou-se para a pensão em Charlottesville para frequentar a faculdade, toda crescida com o cabelo para cima e vestido com mangas bufantess.

Marilla e Matthew viajaram para lá para compartilhar uma carta que receberam da Escócia sobre seus pais agora falecidos. A carta não tem respostas, mas o amor deles é real.

Enquanto isso, Anne também está lidando com Gilbert. Houve uma série de mal-entendidos, mas o último episódio começa com Gilbert jogando a real sobre sentimentos com Winifred (Ashleigh Stewart). Ele escreve para Anne uma carta que ela nem lê, apenas chora. Anne compreende e junta as coisas erradamente. É tudo uma bagunça até a própria Winifred contar para Anne a verdade sobre o verdadeiro amor de Gilbert .

E é claro que Diana (Dalila Bela) informa Gilbert no trem que tudo isso foi um mal-entendido.

Eles ainda vão seguir seus próprios caminhos para a faculdade, mas estão destinados um ao outro. E, no final, Marilla e Matthew conseguem um livro que pertencia à mãe de Anne e Anne vê uma foto dela feito à mão – e elas são muito parecidas. Basicamente uma mensagem ao telespectador que Anne está começando sua vida adulta finalmente.

Claro, como podem perceber, deixei diversas coisas fora do texto, como Bash, Mary e sua pequena filha Delphine que ganham um importante espaço na temporada final, mas preferi deixar de fora por motivos pessoais, existe uma mensagem importante sobre o racismo em Anne que a série teve medo de falar claramente, por isso, espero que tenham visto quem assistiu.

Anne com E termina lindamente bem. A mensagem foi dada e as árvores plantadas. É uma das melhores séries para uma geração de pessoas que teimam em não lutar pela liberdade de expressão, pela inclusão, pela defesa dos direitos humanos. Anne with an E é essencial.

Anne with an E tem suas três temporadas disponíveis na Netflix.

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.