Não deixe de conferir nosso Podcast!

Crítica | Project Power é mais um filme de super-herói para sua lista

Project Power é mais um filme de super-herói para sua lista que começou a mostrar traços que está saturando até os fãs do gênero mais apaixonados.
Project Power
Netflix (Reprodução)

Project Power é mais um filme de super-herói para sua lista que começou a mostrar traços que está saturando até os fãs do gênero mais apaixonados.

A sinopse que a Netflix divulgou de Project Power oficial foi essa: Uma nova droga chamada Power chegou às ruas de Nova Orleans – oferecendo ao usuário cinco minutos de superpoderes. A jovem traficante Robin (Dominique Fishback) está trabalhando com o policial Frank (Joseph Gordon-Levitt) para impedir sua disseminação, enquanto o misterioso Art (Jamie Foxx) está em sua própria busca pela origem da pílula.

Mais um filme de super-herói? Mais um filme de super-herói.

Da mutação genética dos X-Men à picada de aranha radioativa do Homem-Aranha, à explosão cósmica absorvida pelo Quarteto Fantástico, o momento em que os super-heróis recebem seus poderes nas páginas de um gibi ou na tela do cinema tende a ser irrevogável, alterando a vida desta pessoa e seu DNA para sempre.

Mas Project Power, as coisas não assim tão simples. O suspense com traços de ação da Netflix oferece um ajuste intrigante e até interessante para os mitos dos super-heróis – aqui, aqueles que tomam uma pílula ‘Power’ são dotados de habilidades sobrenaturais por apenas cinco minutos por dose, sem saber qual habilidade oculta se manifestará.

Apesar de encontrar um novo ângulo em um dos gêneros mais saturados do cinema atual, o Project Power nunca aplica totalmente esse potencial. Toda a premissa do filme está presa em uma trama genérica envolvendo uma organização sombria liderada por uma conspiração de bandidos vazios.

A coisa mais interessante de todo o filme é a estreia de Dominique Fishback fazendo a traficante Robin, que tem uma visão das ruas enquanto a pílula Power se espalha por um ambiente de negros e pobres de Nova Orleans. Robin é uma protagonista divertida e empática, uma jovem mulher negra presa pelas circunstâncias e se segurando enquanto cruza o caminho do ex-militar de Jamie Foxx, Art. O carisma natural de Foxx permanece presente quando sua vingança pessoal para encontrar a fonte da pílula se torna o eixo central da trama. Gordon-Levitt é menosprezado como o herói policial Frank, deram um papel fraco para um ator incrível, que do meio para o fim do filme parece fora de sintonia com todo o sentimento atual nos Estados Unidos da população negra sobre o tratamento da polícia contra eles.

A dupla de diretores Ariel Schulman e Henry Joost – anteriormente por trás do documentário Catfish original, duas sequências de Atividade Paranormal e suspense cibernético Nerve – fazem bom uso de sua estética digital característica, trazendo a Project Power visuais brilhantes que cobrem suas falhas. As cenas ganham cores, a câmera do diretor de fotografia Michael Simmonds encontra ângulos interessantes para filmar, tudo editado com talento. Isso é explicado quando um cliente suspeito toma uma pílula de energia – uma cápsula brilhante, amarela que precisa girar para ativar – suas sinapses explodem em close-up, faíscas voando enquanto ele explode em chamas. Embora as sequências de ação em si não sejam particularmente especiais, elas são habilmente feita – o Project Power consegue parecer interessante, mesmo quando não é nestes momentos específicos.

Mas a verdadeira decepção é a falta de criatividade usando um gênero que está se saturando lentamente. Apenas um poder ativado por pílula – uma capacidade de camuflagem camaleônica – pareceu novo, o resto dos poderes são excessivamente familiares de diversos outros filmes de super-heróis e entregue com CGI abaixo da média.

Como já disse Eça de Queirós: Não há nada novo sob o Sol, e a eterna repetição das coisas é a eterna repetição dos males. Quanto mais se sabe mais se pena. E o justo como o perverso, nascidos do pó, em pó se tornam.

Em meio a toda a confusão está uma exploração indiferente da própria ideia de poder – quem o exerce, como eles o alcançaram e como é distribuído – precisava de mais oxigênio e roteiro, enquanto Amy Landecker e Rodrigo Santoro , grandes atores, ficaram mais perdidos que cego em tiroteio enquanto fazem dois vilões dimensionais. Ainda assim, em uma época sem sucessos de bilheteria, o Project Power é uma diversão espalhafatosa – embora ironicamente fraca.

Prject Power está disponível na Netflix.

Crítica | The Old Guard: Netflix acerta com sua produção baseado em quadrinhos

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.