Não deixe de conferir nosso Podcast!

Crítica | The Old Guard: Netflix acerta com sua produção baseado em quadrinhos

The Old Guardian oferece um toque bem-vindo ao filme de super-heróis e mostra que não precisa gastar toneladas de dinheiro para divertir.
The Old Guard
Netflix

The Old Guardian oferece um toque bem-vindo ao filme de super-heróis e mostra que não precisa gastar toneladas de dinheiro e efeitos especiais para prender o expectador

Estamos na Era dos filmes de super-heróis. É que está dando dinheiro para as produtoras pelo mundo. E eles tem mais é que aproveitar mesmo, isso um dia acabará.

Não é de admirar que Hollywood anda obcecado por super-heróis. A Netflix também anda atrás dessa fatia, é uma das empresas que mais aposta em adaptações de histórias que são originalmente quadrinhos ou literatura/jogos de fantasia. Pensando nisso, lançou os guerreiros imortais de The Old Guard esta semana, uma adaptação do original escrito por Greg Rucka, famoso roteirista de quadrinhos.

Todos os nossos heróis dos quadrinhos e mundos fantásticos já morreram antes, apenas para descobrir que, no caso deles, que essa condição não é permanente. Andrômaca de Scythia “Andy” (Charlize Theron), a mais velha, é a mesma heroína lendária que lutou contra Hércules – e perdeu. Booker (Matthias Schoenaerts) caiu nas guerras napoleônicas. Joe (Marwan Kenzari) e Nicky (Luca Marinelli) agora são amantes, mas já estiveram em lados opostos na época das Cruzadas. Todos eles estão presos agora em um ciclo de morte e ressurreição. As balas são absorvidas e depois repelidas. Ossos quebram e se reformam. Assim é a premissa de Old Guard, guerreiros imortais que estão protegendo a terra por centenas de anos.

Mas eles são excepcionais apenas em sua resiliência sobrenatural – um presente que chegou sem propósito e, como a experiência demonstrou, pode ser retirado sem aviso prévio. Quando um novo membro (Nilo de KiKi Layne) se junta a eles, ele deve lutar com a própria desilusão da equipe. Eles lutam pelos oprimidos há séculos, mas agora não conseguem imaginar um futuro onde sua ajuda não será necessária. É um trabalho sem fim e que ficou sem graça. Não há um Mega vilão que eles possam derrotar para salvar a humanidade de uma vez por todas. “O mundo não está melhorando, está piorando”, diz “Andy” a seus companheiros.

De fato, todas as conversas arrogantes sobre “salvar a humanidade” são reservadas para seu adversário, Merrick (Harry Melling, interpretando Martin Shkreli), um importante executivo farmacêutico que desenvolveu um tratamento inovador para o câncer e agora acredita que os imortais são chave para prolongar a vida útil da humanidade – mesmo que isso signifique mantê-los em uma gaiola pelo resto da eternidade. Ele argumenta que é uma obrigação moral, embora o sorriso desanimado de Melling indique o interesse próprio e a ganância que estão por trás da cortina.

The Old Guard distribui algumas lições de ousadia, provando que não se trata apenas de oferecer estética desbotada e explosiva, mas também de peso moral. É maduro e sincero – um filme de quadrinhos que não é uma brincadeira, que não precisa esconder seus erros com humor ruim. Ele coloca seus personagens LGBT + na frente e no centro de uma maneira que instantaneamente envergonha o restante do gênero. Joe, por exemplo, oferece um odeio desagradável ao amor eterno, terminando com as palavras: “Ele não é meu namorado… ele é tudo e é mais”.

O filme, limitado a um orçamento de nível médio, não quer mostrar cenas épicas e efeitos especiais espetaculares; em vez disso, atrai a intimidade brutal e sangrenta da franquia John Wick (nova fórmula de filmes de ação de médio e baixo orçamento). Theron, aqui como em Atômica (que acaba de ganhar uma sequência pela Netflix) e Mad Max: Estrada da Fúria, luta como uma máquina bem afinada, mas encontra ternura entre os socos. A câmera a empurra com entusiasmo enquanto ela atravessa escritórios modernistas, edifícios abandonados e campos de batalha enlameados. A Mulher é a rainha dos filmes de ação e ponto final.

Nada disso funcionaria sem alguém como Gina Prince-Bythewood atrás das lentes. Ela é uma diretora que pode se deslocar tão facilmente entre os gêneros – tendo trabalhado na série Cloak & Dagger da Marvel e um spin-off do Homem-Aranha, Silver & Black e o romântico Para lá da Ribalta (Beyond the Lights de 2014). Graças a ela, a cena central de Old Guard também é mais serena. É um momento de entendimento sem palavras, ela usa isso lindamente numa cena entre “Andy” e um jovem farmacêutico, que cuida de suas feridas sem questionar ou julgar. Ela chega à conclusão de que, além de fazer o bem, ela capacita outros a fazer o mesmo.

Old Guard é um filme incrível e vale a pena assistir.

Dir: Gina Prince-Bythewood. Estrelando: Charlize Theron, KiKi Layne, Matthias Schoenaerts, Marwan Kenzari, Luca Marinelli, Chiwetel Ejiofor. Faixa etária: 15, 124 minutos.

Leia mais coisas da Netflix clicando aqui.

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.