Não deixe de conferir nosso Podcast!

O nosso Adeus à Akira Toryama

O criador de Dragon Ball,  Akira Toryama morreu e todos perdemos um mestre que moldou nosso caráter.

Akira Toryama
Reprodução

O criador de Dragon Ball,  Akira Toryama morreu e todos perdemos um mestre que moldou nosso caráter.

O mundo está em luto.

No último dia 8 de Março, foi confirmado o falecimento do mangaka mais revolucionário dos últimos 45 anos: Akira Toryama.

O criador da franquia “Dragon Ball”, faleceu no dia 1 de Março aos 68 anos, mas algumas informações de pessoas próximas do artista, falam que ele já estava lutando pela saúde desde de 2023. Sua morte foi provocada por causa de um aneurisma cerebral. Ele tinha um tumor no cérebro.

Mas sua morte não apaga seu legado que será eterno. O impacto de Dragon Ball para a cultura pop é sem precedentes. Quando se trata de histórias tocantes e emocionantes, é só lembrar da morte original de Goku e seu impacto na indústria por todo o planeta. Embora tenha criados diversos personagens poderosos em Dragon Ball, ele nunca negou que tinha um amor pelo o Goku – tanto que, quando matou o personagem no volume 19 de “Dragon Ball Z” em 1993, precisou pedir desculpas, escrevendo: “Neste volume, Son Goku morre. Não tenho muitos sentimentos pelas personagens que desenho, mas sinto-me um pouco triste com a morte de um personagem que desenho há mais de 10 anos. Tentei pensar noutros cenários para a história, mas a morte de Goku foi a melhor. Tentei não ser demasiado sombrio. Mas mesmo assim… Desculpa, Son Goku!”

A morte de Goku foi pensada para ser permanente, para que Gohan o pudesse substituir como protagonista da série. Mas não o público não achou essa ideia incrível e criou um sério problema para Toryama e sua equipe.  No entanto, como a história acabou mostrando por todos esses anos, “Dragon Ball” tem forma de ressuscitar personagens mortos.

LEIA TAMBÉM:  Dragon Ball Heroes | Conheça a nova aventura de Goku e as esferas do Dragão!

Esse argumento que Gohan não pegou como protagonista quando saiu a coleção “Daizenshuu” (Grande Coletânea da obra) em 1995. Foi revelado que Akira Toryama não sentia que Gohan não tinha o carisma de protagonista como foi seu pai. Assim, por causa da crítica e do autor, criou-se uma série de eventos para trazer Goku de volta, começando pela Vovó Uranai que deixou o herói usar seus poderes por 24 horas na Terra. Mas Goku só voltaria definitivamente ao mundo dos mortos depois que Kaioshin lhe deu sua força vital para que Goku pudesse enfrentar o Majin Buu.

Assim, a morte tornou-se apenas um simples detalhe na franquia. A existência das esferas do dragão era conveniente para ressuscitar os mortos e continuar suas histórias. No entanto, a morte é um conceito interessante no universo de Dragon Ball, uma vez que explora temas como a reencarnação e apresenta um reino após a morte que permite que o falecido tenha aventuras após sua passagem na Terra.

Todo mundo queria que nesse momento houvesse esferas mágicas, um deus ou uma bruxa que pudesse trazer Akira Toriyama à vida. Mas estamos no mundo real e no mundo real, todos vamos padecer. Akira Toryama não sabia o quanto era amado pelo mundo. Ele influenciou milhões de jovens pelo mundo, principalmente, nós, pessoas latinas. Dragon Ball é tão profundamente arraigado em nossa vida que Goku e seus amigos parecem que fazem parte da nossa família e que Akira Toryama fosse alguém que viveu sempre conosco. 

É imensurável sua perda. Já que ele era um prolixo artista que apesar de ser preguiçoso, trabalhava há mais de 45 anos em dezenas de projetos que vão de mangás, animes e games. O cara era uma máquina. Tinha uma humor bizarro e único que sabia contar em em suas histórias, mesmo que seus personagens pudessem destruir planetas apenas com um dedo, narrativas sobre bondade, comida e lutar por algo que acredita é que faz a vida ser menos dolorosa.

LEIA TAMBÉM:  Kentaru Miura, criador de Berserk, faleceu aos 54 anos

Vá em Paz Mestre e faça o céu mais feliz com suas piadas e genialidades únicas.

Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.