Não deixe de conferir nosso Podcast!

Crítica | Castlevania, quarta e última temporada é uma obra-prima

Castlevania
Netflix

Castlevania chega ao seu fim na quarta temporada e é o ápice que uma adaptação de um game consegue fazer.

Esta resenha crítica é lotada de spoiler. Só leia depois que assistir.

Quando eu era criança em 1998, estávamos vivendo um boom de locadoras de videogame. Eu morava na periferia, o bairro considerado uma vila e um dos locais mais pobres da região da minha cidade – a região norte.

Era fase dos jogos 3D graças à era do PS1, então, tudo que era relacionado a jogos em 3D, eu jogava, pois era uma coisa revolucionária naquela época. Numa locadora, a gente não tem muitas escolhas, joga-se o game que tem. Uma hora era apenas um real, se deixasse cair o controle, perdia quinze minutos, mas 1998, Um Real, era uma fortuna. Foi em 1998 que conheci pela primeira vez, Castlevania: Symphony of the Night (Konami). Um jogo 2D que parecia um desenho animado onde o personagem principal, saia matando seres das trevas e vampiros assustadores. Em 1998, a internet ainda era uma coisa fora de qualquer realidade para uma criança de periferia e eu via a galera fazer fila para jogar Casteuvânia (a gente pronunciava assim) porque era bem adulto para nossos padrões.

Eu não fazia ideia que Symphony of the Night já era o 13º jogo da franquia, sabia apenas que a gente começava esse jogo a partir do fim de Drácula X com Trevor Belmont finalmente lutando com Drácula. Era tudo novo, os comandos eram diferentes, existia uma história a se seguir, existia diálogos, foi graças a esses diálogos, que começamos a levar um dicionário ingles-português para a locadora para traduzir aquilo que estávamos jogando. Quando você zerava o jogo, rolava uma animação, uma música completa e entendia que estava jogando uma obra-prima.

A partir daquele momento, minha vida de jogador mudaria para sempre e comecei também a jogar RPG, principalmente Final Fantasy. Castlevania sempre esteve nas minhas lembranças, sempre considerei um marco de uma geração de jogadores e quando você assiste tudo que via no jogo numa animação, a coisa se torna mais do que especial.

Fiz essa volta toda porque finalmente acabou a adaptação da Netflix desse universo tão rico que foi Castlevania e como escrevi resenhas de todas as temporadas, precisava explicar minha paixão por esse universo.

Castlevania foi uma das adaptações raras da Netflix que deu TUDO CERTO, a animação conseguiu escapar das muitas falhas que geralmente afetam as adaptações ocidentalizadas do serviço de streaming. A terceira temporada e final de Castlevania oferece tudo que queríamos assistir: vampiros sendo mortos às dúzias, mesmo que, como Trevor, às vezes pareça um pouco indisciplinado no contexto do enredo.

O trailer da última temporada da série animada mostrou o retorno iminente de Drácula, graças aos esforços contínuos de suas legiões de seguidores para trazê-lo de volta por quaisquer meios, no entanto, também fez o cansado Trevor Belmont lutando cara a cara contra a própria Morte. Ao longo de 10 episódios, Castlevania consegue terminar e montar todas as amarras soltas dos seus arcos de histórias para garantir recompensas adequadas para todo o elenco e toneladas de ação sangrenta lindamente executadas.

Nos primeiros três episódios, os telespectadores são rapidamente explicados sobre o que todos têm feito desde os eventos que aconteceram em Lindenfeld na terceira temporada, tudo para antecipar as coisas seis semanas depois disso. O público é tratado com a evolução do relacionamento de Trevor e Sypha, que agora estão sentindo as tensões de tudo o que eles passaram recentemente, embora isso certamente não seja o suficiente para mantê-los longe de seus deveres de caçadores de monstros e ainda serem um casal. Mesmo parecendo que para Trevor, as coisas estão no seu limite físico.

Castlevania
Netflix

Por causa desse ‘mode monster hunter’ eles acabam indo para Targoviste, a cidade em que Drácula liberou sua ira pela primeira vez após o assassinato de Lisa Tepes, e onde Trevor e Sypha acamparam durante grande parte da temporada. Enquanto isso, Alucard vê seu humor taciturno piorando após a traição que sofreu até que recebe um bilhete para ajudar uma cidade quase extinta graças a ataques noturnos que fica próximo de seu castelo. 

Além do trio principal, ainda existe Carmilla que continua com a ideia de conquistar toda Europa a partir Estíria, além disso, ficamos sabendo que no fundo, ela quer conquistar todo o mundo. É aqui que tudo o que foi configurado na terceira temporada começa a se desenrolar, Hector começa a tramar seu próprio caminho para sair de seu terrível destino como um escravo de Lenore e das outras irmãs vampiras.

Hector faz parte com outros vampiros de um grupo secreto, junto com o sempre falante Saint Germain para executar um grande plano para ressuscitar Drácula, e parece que a pandemia inspirou o roteirista Warren Ellis de alguma forma porque muito dessa estratégia é conduzida via FaceTime/Zoom/Espelhos Mágicos em diferentes cantos do continente. 

Isso não quer dizer que os erros de Saint Germain fiquem sem explicação, há uma longa sequência de flashback que conta ao público sobre seu passado e, finalmente, mostra o rosto de sua amante desaparecida, bem como uma explicação bastante complexa de como ele, como alquimista, precisa absolutamente trazer de volta Drácula. Talvez para alguns, todo o desenrolar dessa trama se torne lento e muito cansativo.

Castlevania
Netflix

Apesar disso, é fácil perdoar essa lentidão de Castlevania porque sempre se pode olhar para suas virtudes, e o forjador Isaac é a grande estrela da temporada. O crescimento de seu personagem é incomparável na série, indo de um mero fantoche de Drácula vingativo a um ser humano real que não tem medo de mostrar suas próprias criaturas noturnas como a vida é repleta de muitos sabores, sombras e nenhum propósito verdadeiro, tudo antes transportando a si mesmo e seu exército para a Estíria.

A partir do episódio seis é ação, sangue e carnificina. Oferecendo as mais variadas hordas de criaturas noturnas vistas até agora em uma batalha que não estaria deslocada no final da temporada. É aqui que a animação começa a brilhar para mostrar o estilo de batalha brilhante de Carmilla, mas também onde cada personagem das irmãs vampiro aparece.

De todas as maneiras possíveis, Carmilla, Lenore, Striga e Morana cumprem seus destinos ao longo das escolhas que se espera que façam, porque, como nos dizem no final, os vampiros realmente não gostam de mudanças. Mais uma vez, Isaac assume uma posição superior recusando-se a tomar parte em quaisquer planos tortuosos que encontra, porque ao contrário do resto de seus ex-amigos vampiros, seu próprio crescimento o torna capaz de ver as deficiências de seu antigo mestre.

À medida que as coisas começam a acontecer em Estíria, as aventuras ‘monster hunter’ de  Trevor e Sypha provam ser uma perda de tempo absoluta que os impede de fazer a única coisa que querem, ajudar as pessoas. Sua nova amiga Zamfir é um espelho da loucura que envolve este mundo em que eles vivem e cria uma batalha fantástica entre Trevor e o mercenário vampiro Ratko, bem como algumas novas armas Belmont que ele parece ter obtido da Yuffie de Final Fantasy.

Os últimos três episódios certamente fornecem as maiores e melhores emoções para Castlevania, finalmente reunindo Alucard, Trevor e Sypha pela primeira vez desde a segunda temporada, criando algo que realmente parece o capítulo final de um game. 

E games não são nada sem grandes chefes aterrorizantes e poderosos, assim, o plano de Saint Germain finalmente consegue trazer o vilão da temporada: não o Drácula, mas a própria morte.

Ficamos sabendo que Saint Germain foi vítima de sua própria tolice e cabe ao lendário guerreiro Belmont acabar com a morte. A animação chega ao seu ápice e alto nível em todo o lugar com uma batalha final que parece muito com o clímax da série, graças ao uso magistral da música que os fãs de Castlevania sabem nos primeiros acordes. O enredo inteiro, embora sofra de pequenos problemas de ritmo ao longo do caminho, ainda é melhor do que muitos jogos da franquia Castlevania. Falo isso com conforto que estou certo.

É neste aspecto que Castlevania merece todos os aplausos, a série animada simplesmente canalizar o sentimento familiar a que os jogadores estão acostumados ao encontrar um chefe final, e faz isso após oito episódios que realmente constroem seus protagonistas de uma forma que não é apenas tolerável, como a maioria das adaptações de videogame, mas simplesmente porque evoca emoções reais de quem está assistindo.

Esta deve ser a última animação de Castlevania na Netflix (espero que não). No entanto, a série termina de uma forma semi-aberta que, juntamente com o nascimento do filho de Trevor e Sypha – futuro caçador de vampiros, Simon Belmont – pode ser apenas o suficiente para perseguir novas aventuras no futuro. A tradição de Castlevania é incrivelmente extensa e quase parece uma pena não continuar fazendo um grande anime baseado nele, talvez isso inspire a Konami e outras empresas de jogos a imitar as muitas coisas que ela faz tão bem.

A quarta temporada de Castlevania me lembrou a cada segundo o Pikachu de 1998. Uma obra prima TOTAL. Recomendo.

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.