Não deixe de conferir nosso Podcast!

Watchmen | Episódio 06: O racismo é cruel e a justiça cega

Episódio seis de Watchmen volta abordar o racismo de uma forma crua e atual, esta resenha contém spoilers!
Justiça Encapuzada
HBO

O quinto episódio deixou uma compreensão bem ruim sobre o atual estado do mundo dos Watchmen, não foi? “Este Ser Extraordinário”, episódio seis, opta por se concentrar no primeiro ponto possível na linha do tempo da série. Com Angela (Regina King) sob a influência da nostalgia de William (Louis Gossett Jr.), todo o episódio é um flashback dos eventos que fizeram de William o homem que ele é hoje. Também aprendemos lenta e deliberadamente que William não é apenas um policial afro-americano comum na cidade de Nova York durante a era da segregação. Ele também é o Justiça Encapuzada, um dos membros originais do grupo de heróis Minutemen.

Os Minutemen sempre ocuparam um lugar interessante nos mitos dos Watchmen (vigilantes), tanto do ponto de vista da trama quanto do tema. No romance gráfico original, eles foram Era de Ouro dos Super-heróis, onde os piores inimigos que esses vigilantes tiveram que combater foram um assaltante de banco aqui, um mafioso ali e, ocasionalmente, um vilão pateta com dominação mundial acolá. A lenda deles pretendia contrastar com as duras realidades dos eventos dos anos 80. Todos os seus esforços nos anos 30 e 40 não era para significar nada. Eles eram apenas um grupo de adultos brincando mascarados pela noite. Não existia uma causa maior para eles.

Sempre que um membro tentava fazer algo significativo – como Silhouette, no quadrinho Antes de Watchmen: Minutemen, de Darwyn Cooke, que tentava romper um círculo de pornografia infantil e posteriormente foi expulsa por ser muito política e por ser lésbica, enfrentou tudo de ruim por acreditar que estava fazendo o correto. Com o Justiça Encapuzada não é diferente, com o objetivo final de impedir o racismo sistêmico que está assolando a América. No entanto, esses não são problemas bonitos. Esses são problemas difíceis com respostas feias, que não são adequadas ao consumo público.

Will
HBO

Nos anos 30, havia generalidades brilhantes sobre como os super-heróis estão derrotando os bandidos. Em 2019, agora é uma desconstrução da mesma época e iluminando a verdade com uma enorme ajuda do melodrama narrativo que a série anda fazendo com maestria. A verdade não é bonita, a verdade é assistir Angela revivendo as memórias de Will. Como isso é pesado para mim, editor desse texto, pois sou um homem negro.

A série voltou a analisar seus temas de tensão racial entre civis e policiais, mesmo que a coisa tenha esfriado um pouco. Desde a estreia, ficou claro que confiar totalmente na polícia, não é a coisa mais inteligente a se fazer. A maioria da polícia em Nova York durante esse período é corrupta ou racista, ou ambas. Esses oficiais são membros ativos da Klan e desenvolvem tecnologia para incitar a violência racial a fim de promover suas próprias ideias insidiosas de pureza racial. Para parar esses vilões, obviamente é preciso entender um herói.

Nossa visão sobre a história de fundo de Will também serve como uma brilhante história de origem para o Justiça Encapuzado – um personagem que era anônimo em todo o material conhecido de Watchmen. Embora eu tenha certeza de que algumas pessoas podem ficar chateadas com o fato da série da HBO oferecer uma origem definitiva para um personagem misterioso, a decisão de ter o jovem Will (interpretado por Jovan Adepo) faz todo o sentido. Como os membros da Klan que escondem seus rostos para representar o mal no mundo, só faz sentido que um homem negro use um capuz para proteger os desprovidos deles. Mas, uma e outra vez, é um tópico muito sério para discutir, portanto, sempre que Will tenta pedir ajuda a alguém – como o Capitão Metropolis – seus problemas são descartados como não sendo sexy, com ligeiros tons de racismo em relação a Will.

Regina King
HBO

É ótimo ver a série atirando em todo mundo e abordar alguns conceitos muito difíceis de engolir. Claro, já vimos policiais racistas antes, mas há algo especialmente perturbador em vê-los espancar e tentar linchar Will – tudo da perspectiva de Will – que fica sob sua pele. A família aparece novamente como um tema, enquanto observamos Will lentamente tentar escondê-los, a fim de protegê-los do que ele está se tornando.

Afinal, Justiça Encapuzada é agora a personificação que todos acreditam. Justiça encapuzada foi criado no momento em que esses policiais tentaram ensinar uma lição a Will sobre seu lugar na sociedade e o amarraram no acostamento. Mas resta uma pergunta: Do que Will está tentando nos salvar e por que ele se aliou a Lady Trieu (Hong Chou)? O que ela tem a ganhar em tudo isso e qual é exatamente a ameaça? Acho que já podemos fechar que a 7ª Cavalaria tem sido uma cortina de fumaça para a verdadeira ameaça. Mas que ameaça é essa? A polícia e a cavalaria estão em busca de criar uma paz falsa, então qual é o inimigo?

Justiça Encapuzada
HBO

Na verdade, esse foi o episódio mais coeso e de ritmo de Watchmen até agora. Não há Ozymandias (Jeremy Irons) cortante para atrapalhar todo o impulso narrativo que a série estava precisando. Não há novos mistérios introduzidos com o objetivo de ter um novo mistério. Tudo em “Este ser extraordinário” parece deliberado e bem construído. Aprendemos sobre o passado de Will como Justiça Encapuzada, que Will está de posse da tecnologia Ciclope e que Judd (Don Johnson) pode tem culpa no cartório. As coisas finalmente estão começando a se unir de uma maneira que parece realmente significativa.

Com apenas três episódios restantes, é preciso se perguntar como todos esses vários tópicos da trama vão se unir. Ainda temos mistérios de episódios anteriores que não são abordados há semanas, e na próxima semana o Ozymandias voltará a ser julgado por sua tentativa de fuga. Neste ponto, não há uso real de prever o que pode ou não acontecer. Com muitas cartas em jogo, tudo o que podemos fazer agora é relaxar e torcer para que a trama e as peças se encaixem de maneira satisfatória.

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.