Terça, 10 De Julho De 2018

Notícias sobre Filmes, Séries e Netflix

20 anos de 300 de Esparta (Frank Miller e Lynn Varley)

Texto de Bernardo Aurélio
Frank Miller, autor que dispensa apresentações, lançou há 20 anos aquela que deve ser sua última grande obra: 300 de Esparta. Foi um grande sucesso de crítica e vendas, chegando a ganhar o Eisner (maior prêmio da indústria dos quadrinhos americanos) de 1999, como a melhor minissérie lançada no ano anterior. Não é para menos, afinal, o gibi é um clássico, merecidamente.
Miller decidiu fazer a HQ por conta de um filme homônimo (de 1962) que viu quando era criança e que o marcou fortemente. Para trabalhar com ele, esteve ao seu lado sua esposa, Lynn Varlley, responsável por colorir os melhores trabalhos que Miller já fez: Batman – Cavaleiro das Trevas (1986) e Elektra Vive, que considero, visualmente, o ápice na carreira destes autores, ou seja, os desenhos de Frank Miller e a cor de Lynn Varlley nunca estiveram tão bons quanto na simbiose que ofereceram em Elektra Vive, mas o assunto aqui é 300.

Cena de Elektra Vive.

Lançada no Brasil, originalmente, pela editora Abril como uma minissérie em 5 partes, de maio a julho de 1999, o quadrinho conta a história dos 300 soldados espartanos, liderados pelo rei Leônidas, contra os milhares de invasores persas do imperador Xerxes, naquele que é considerado o momento dos primeiros confrontos entre oriente e ocidente do mundo antigo, no século V antes de Cristo.
Posso dar uma contextualização histórica? O mundo da Europa antiga vivia o auge do que chamamos de período clássico, quando Esparta e Atenas eram os principais modelos de cidade-estado do momento. Entretanto, já existiam grandes impérios no oriente médio, como os assírios e os persas. As cidade-estados sempre lutaram entre si, para manter o controle do mar mediterrâneo e suas consequentes influencias sob as demais cidades gregas. Acontece que os Persas, desde Dario, pai de Xerxes, era imperador de um exército como nunca se vira antes e seu expansionismo era de causar espanto aos agrupamentos gregos, que, em comparação aos orientais, poderiam ser considerados pequenos, afinal, a Europa nunca havia conhecido um império.
Algo que não é contado no livro de Miller, mas que é historicamente muito importante, é que 10 anos antes de Xerxes, Dario tentou invadir a Grécia e foi derrotado por Atenas, na famosa batalha que eternizou o nome “maratona”: Fidípides, correu centenas de quilômetros, primeiro da cidade de Maratona até Esparta, para pedir ajuda a eles, que foi negada porque os lacônios (habitantes da região de Esparta) estavam no meio de um festival religioso e não poderiam batalhar naquele período, e segundo, correu de Maratona até Atenas, para avisar da vitória que os atenienses infringiram aos persas. Feito não menos impressionante que a batalha das Termópilas, da qual trata 300.
É curioso notar aqui que, 10 anos antes, Esparta ignora o pedido de ajuda ateniense alegando a Carneia, o período das festividades religiosas, único momento em que Esparta não poderia guerrear. E esse é o mesmo motivo que faz Leônidas partir sozinho com seu batalhão contra o exército persa, causando uma crise política, civil e religiosa, já essa atitude iria contra sua tradição, mas era necessário ser feito.
Maratona e Atenas foram tão importantes que o império Persa precisou de 10 anos para se reorganizar internamente para um novo ataque, principalmente por causa da morte de Dario e de todo o processo de transição do poder para Xerxes. Reforço isso porque a obra de Miller, talvez pela vontade de representar a opinião espartana sobre os atenienses, a quem consideravam efeminados ou glutões preguiçosos, endossa essa opinião. O fato é que, esses 10 anos de espera entre Maratona e Termópilas, permitiu ao mundo grego se organizar, criar certa ideia de nação que não havia antes, investir como nunca em um exército marítimo e todos os elementos que permitiram que a Europa ocidental não fosse subjugada ao poder de um império oriental.
Muito dos problemas enfrentados pelos gregos para organizarem a luta contra os persas diz respeito à criação de um sentido de unidade, de perigo externo em comum, de humildade e participação entre os povos, sempre muito altivos e orgulhosos em seus isolacionismos e as Guerras Médicas, de certa forma, foi o princípio que proporcionou isso à Europa. Digo só pra deixar claro, caso você seja um leitor de 300 super empolgado com Esparta, saiba que, no plano geral, muito se deve à Atenas.
Mas vamos voltar ao gibi…

Miller soube ser fiel ao espírito espartano, adjetivo que designa a sobriedade, o rigor e a severidade daquele povo que treinavam o tempo topo para a guerra. Assim como Leônidas, todas as “crianças”, condição que não existia, pois eram tratados como pequenos adultos, eram chicoteados até sangrarem e eram ensinados a serem cruéis, caçando e matando. A disciplina militar era rígida e os jovens só poderiam falar quando tinham permissão, e como falavam pouco, os espartanos eram de grande precisão na hora de o fazer, o que se tornou conhecido como fala “lacônica”, caindo como uma luva à narrativa de Miller, sempre sisudo, econômico e certeiro em suas expressões, desde as soturnas narrativas de Sin City.
Outra característica que pode causar estranheza aos leitores do quadrinho, é o fato dos espartanos andarem nus, entretanto, é histórico. Conforme cresciam, os cidadãos eram obrigados a andar descalços e nus, de modo que adquiriam a resistência de uma pele grossa, para melhor enfrentarem as intempéries da natureza e as guerras, sempre constantes no mundo antigo.

A história que Miller conta é muito pontual, não se aventurando no que aconteceu 10 anos antes, em Maratona, ou no que acontece depois da batalha das Termópilas, onde Leônidas enfrentou o exército persa, mas nunca teria conhecido Xerxes pessoalmente… Liberdades poéticas. Então, caso você ainda não saiba, não darei spoiler, mas tente imaginar o resultado de 300 homens enfrentando um exército milhares de vezes superior… Miller foca no legado espartano, o que fica claro ao se observar os títulos de capa capítulo de sua história: honra, dever, glória, combate e vitória. Que vitória seria essa senão aquela do legado, que seria contada e recontada pela oralidade até chegar às grandes mídias contemporâneas? É justamente a vitória da glória, do dever e da honra.
Por ser pontual, 300 não mostra como os persas são, de fato, derrotados pela organização dos povos gregos, da frota naval ateniense e da força espartana, claro, insuflados pelo espírito de Leônidas e seu pequeno exército. Mas isso não diminui a força da obra, balançada no pendão sedutor da arte e da história, Miller sabe ser um bom orador.
E pra contar uma história é preciso ir além do texto. O fato é que Miller e Varlley conseguiram dar uma identidade visual incrível ao gibi. Contrastes formais de claro e escuro que o autor já dominava bem desde seus trabalhos em Sin City, domínio das diagonais nos planos criando efeitos dinâmicos de ritmo e movimento, cores fortes de marrom e vermelho, tudo isso características marcantes da arte barroca, que, inegavelmente inspiraram os autores, namorando com um expressionismo forte apresentado pelos desenhos distorcidos de Miller.

A arte de 300 impressiona. Principalmente se você tiver a edição em formato horizontal, lançado posteriormente pela editora Devir. Impressiona tanto que, ao ser adaptado para o cinema por Zack Snyder (2006), teve esse visual recriado na telona. Quando digo “recriado” estou falando literalmente, pois Lynn Varlley foi chamada para pintar alguns dos cenários utilizados no filme. Por essa adaptação fiel, Zack Snyder ganhou o título de “visionário”, o que calçou o caminho da sua história em produções futuras, como Watchmen e Batman v Superman.
Ator Gerard Butler ao lado de pintura de 1814.


https://i1.wp.com/2.bp.blogspot.com/-Ue4Zg2o91kQ/WuCWP7kcacI/AAAAAAAALX4/1sS1tYMxI281-3UrFDseH7Q1DM4VoKdEwCEwYBhgL/s640/944_Frank_Miller_300_-_300SpartanWarriors_-_4.jpg?w=640&ssl=1
Atualmente, Miller publica “Xerxes” nos Estados Unidos, que deve ser a continuação direta de “Os 300 de Esparta” (ou não, já que na capa há a frase “the fall of the house of Darius”) e, como ainda não tive acesso, não posso traçar comentários. Mas, avaliando os últimos trabalhos do autor a que fizemos leitura, como as duas continuações de Cavaleiro das Trevas e Holy Terror, não criaremos nenhuma expectativa. Infelizmente, terminamos esse texto como começamos: Os 300 de Esparta deve ser a última grande obra de Miller e, por isso, deve ficar em destaque na sua prateleira.
Resultado de imagem para imagem 300 devir
Ficha Técnica:
Capa dura: 88 páginas
Editora: Devir Livraria; Edição: 5 relançada em 19 de março de 2018
Dimensões do produto: 24,2 x 32,6 x 1 cm
Preço de capa: R$ 89,90
Resultado de imagem para imagens 300 frank miller

Este texto é patrocinado pela livraria Quinta Capa Quadrinhos. Maior referência em quadrinhos no estado do Piauí.
Localizada na Rua Dirce Oliveira, 3047 – Ininga, Teresina – PI, 64048-550.


 
 

Posts Relacionados
%d blogueiros gostam disto: