Não deixe de conferir nosso Podcast!

Aves de Rapina: Arlequina e Sua Emancipação Fantabulosa | Crítica

Margot Robbie é o sociopata mais legal com quem você gostaria de sair e explodir coisas em “Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa”.
Aves de Rapina
DC/Warner

Margot Robbie é o sociopata mais legal com quem você gostaria de sair e explodir coisas em “Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa”.

 

Esta resenha não contém spoilers, tudo mencionado, foram assistidos nos trailers.

 

O “Esquadrão Suicida” azedou um pouco na boca, mas graças a ele que conhecemos Harleen Quinzel em 2016, quando ela era a namorada violentamente obediente do Coringa; “Aves de Rapina” oferece uma verdadeira mistura dessa “vilã” da DC Comics em toda a sua glória carismática e complicada. Ao detalhar a história de origem da personagem e estabelecer sua própria franquia, a diretora Cathy Yan realiza a tarefa complicada de misturar sequências de ação elaboradas com desenvolvimento convincente de personagem, de nos transportar para uma Gotham City ricamente específica, mas com a cultura certa. Além disso, a diretora deixou diversas referências, variando de Bernie Sanders a Tweety Bird e Frida Kahlo.

 

Desde a sua abertura animada, o filme de Cathy Yan é uma explosão, cheio de energia e força irresistível. E Robbie, em sua versatilidade aparentemente interminável, enfrenta todos os desafios em um papel que é tão exigente fisicamente quanto verbalmente. Ela é positivamente infecciosa no caos colorido que cria.

 

Robbie brilha no centro do filme como a recém-solteira Harley Quinn – seja ela fazendo uma rapsódia sobre um sanduíche no café da manhã com bacon e ovo para curar sua ressaca ou emergindo de uma nuvem de brilho e fumaça cor de arco-íris em câmera lenta, com um sorriso malicioso. Mas Robbie recebe grande ajuda de uma variedade diversificada e talentosa de co-estrelas, incluindo Jurnee Smollett-Bell, exibindo convincentemente uma das heroínas mais ferozes da DC, a cantora Canário Negro. As duas são o foco principal do filme dentro da minha perspectiva. O roteiro de Christina Hodson (Bumblebee) é uma celebração do Girl Power, de mulheres descobrindo e aprimorando seus poderes para se apoiarem em um mundo onde os homens as decepcionam – ou pior. São damas que se alegrarão em oferecer um laço de cabelo antes de partirem para a batalha juntas.

 

Mas, depois de um emocionante primeiro ato com seu humor autorreferencial, gráficos explosivos e narração inteligente, “Aves de Rapina” arrasta-se no meio, à medida que salta no tempo e estabelece as histórias de fundo para as várias “Aves” com os quais Harley se unirá. Isso parece meio inevitável quando se passa por um processo de criação de novos personagens dentro de uma franquia em expansão, mas ao introduzir cada personagem, o ritmo perde um pouco a velocidade e fluidez.

 

Além de Canário Negro, a cantora de boate cuja voz libera ondas sonoras avassaladoras, há Mary Elizabeth Winstead como a Caçadora divertidamente estóica e socialmente desajeitada, que passou toda a sua vida treinando para se vingar com uma besta. Renee Montoya, de Rosie Perez, é um pouco subdesenvolvida como uma ex-detetive de polícia de Gotham City que está lutando contra seus demônios, enquanto encontra um novo objetivo como vigilante. E Ella Jay Basco traz um naturalismo ao papel da adolescente Cassandra Cain, que as reúne quando rouba o MacGuffin do filme – um diamante valioso – que deveria ser entregue ao chefe da máfia Roman Sionis, também conhecido como Máscara Negra (Ewan McGregor).

 

O diamante não é tão importante quanto a liberdade recém-descoberta de que todas não desfrutaram em vida. Trabalho, relacionamentos e circunstâncias que as mantiveram pressionadas e presas por muito tempo. O título se refere à emancipação da Harley, mas todas as cinco mulheres sentem como é abrir caminhos novos em seus próprios termos. O momento não poderia ser mais adequado nesta era pós-# MeToo, e o tom de “Aves de Rapina” parece um sopro de boas-vindas após o “Coringa” complexo e sério de 2019.

 

E o filme é um deleite visual consistente. Matthew Libatique, o habitual diretor de fotografia de Darren Aronofsky, dá a Gotham City um brilho frio e esfumaçado, tanto para fazer as cores de Harley vibrar como para criar diversos elementos visuais. Nesse sentido, o figurino de Erin Benach (Drive, Demônios de Neon, Nasce Uma Estrela) é um chute no meio da cara, e não apenas para Harley em sua ampla variedade de brincadeiras divertidas. Mas sutilmente em todo o filme, a cena da Renee Montoya de Perez usando uma camiseta que é tão absurdamente profana e ao mesmo tempo divertida. E McGregor desfila em blazers de veludo em tons dourados e uma coleção de luvas com monograma para proteger suas mãos de todo o trabalho sujo que ele faz. O cara quando faz papéis de personagens com distúrbio se transforma num monstro, Máscara Negra é um dos melhores vilões da DC no cinema.

 

Algumas das opções musicais não foram felizes, no entanto. Joan Jett & the Blackhearts cantando “I Hate Myself for Loving You” estremecem quando Harley finalmente segue sua vida após o término com Coringa. “Barracuda” do Heart explode durante um confronto final entre Harley e sua equipe contra o Máscara Negra e o exército de caras furiosas que ele reuniu. Esperei mais da trilha sonora do filme, já que é algo constante em todo o filme.

 

Mas Cath Yan foi sábia em deixar as cenas de luta acontecerem, em vez de fornecer uma falsa sensação que os filmes de ação hoje fazem nas edições. Elas simplesmente deixou o espectador apreciar todo o atletismo e arte que uma coreografia exige. Essas Aves realmente voam e o futuro para elas parece promissor. Agora é esperar a reação do público e bilheteria, mas por mim, aqui estamos diante de uma boa franquia que a DC deveria investir.

Leia também:

10 Maiores Heróis da DC de Todos os Tempos

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.