Não deixe de conferir nosso Podcast!

Crítica | Coringa é o filme de quadrinhos mais desafiador, subversivo e niilista já feito

Coringa por @SzarkaArt
Arte de @SzarkaArt

Mais estudo de personagem do que filme de quadrinhos, e com uma atuação sem precedentes e digna de um Oscar de Joaquin Phoenix, Coringa é um sucesso de público e crítica que prova que se você não mudar sua perspectiva de filmes do universo de super-herói, ficará obsoleto.

Pode-se argumentar que o Coringa não precisava de uma história de origem definitiva nas telas do cinema. Eu mesmo fiz esta pergunta quando anunciaram esse filme, mas duas horas na companhia Joaquin Phoenix interpretando o Príncipe Palhaço do crime garantem um sorriso (nervoso) em seu rosto. Indo para lugares mais profundos, sombrios e perturbadores do que qualquer filme de quadrinhos até hoje, o Coringa não é apenas um estudo cativante de personagens, é um super-herói – ou deveria ser um supervilão? – como nenhum outro.

É impossível exagerar esse último ponto. Coringa é tão radicalmente diferente do cinema contemporâneo de quadrinhos – estrutural, emocional e moralmente – que tem mais em comum com Taxi Driver e O Rei da Comédia do que com Vingadores e Cavaleiro das Trevas. Em vários níveis, é o filme de quadrinhos mais desafiador, subversivo e niilista já feito.

Nos primeiros minutos, somos apresentados a Arthur Fleck (Phoenix), maquiando para se preparar para seu trabalho diário como palhaço de aluguel, com o rosto contorcido em uma horrível careta de meio sorriso e meio choro – o resultado de uma condição neurológica que provoca risadas involuntárias e patológicas. Ele faz seu tratamento patrocinado pela prefeitura, que além de auxiliar psicologicamente, é a fonte de seus remédios diários. Vivendo em um prédio de apartamentos gastos e quase caindo aos pedaços com sua mãe doente, e chegando a lugar nenhum como um comediante, Arthur é tratado com desprezo ou hostilidade total por quase todos que encontra por ser do jeito que é. Mas sua vida só começa realmente a espiralar depois que um encontro violento em um vagão do metrô inicia uma transformação terrível.

Espelhar a descida de Arthur é a própria decadência de Gotham. O ano é 1981. O lixo está se acumulando nas esquinas, ‘‘super-ratos’’ estão dominando a cidade e Thomas Wayne (Brett Cullen) está concorrendo a vaga de prefeito. Longe do empresário altruísta do passado dos pais de Bruce, Wayne é um repugnante e poderoso homem de negócios. Sem desculpas, ele odeia a pobreza. Numa época em que a obscena divisão econômica entre ricos e pobres aumenta a cada segundo, o filme do Coringa aponta seu pulso político e social de maneiras inesperadamente ousadas. Simplificando, Gotham é um barril de pólvora e o Coringa está perfeitamente posicionado para acender o pavio.

Eu já disse que o Joaquin Phoenix é maior ator vivo que existe, eu venho dizendo isso há muito tempo. O fato de ele ter encontrado uma nova visão de um personagem tão desgastado quanto o Coringa é uma coisa que parece tão definitiva, à sua maneira, quanto as interpretações indeléveis de Jack Nicholson e Heath Ledger. Fisicamente e psicologicamente, é uma performance terrivelmente engraçada. Perdendo 23 quilos para o papel, Phoenix torce sua estrutura esquelética em configurações perturbadoras, enquanto ele corre de uma maneira amplamente cômica que parece que ele tem sapatos grandes demais presos nas solas o tempo todo.

Alguns podem sentir uma pontada de decepção pelo fato de o arlequim de ódio de Phoenix não ser uma mente criminosa, alegre e cruel como nos quadrinhos – essa é uma história de origem, afinal – mas existem várias sequências distintas no estilo do Coringa que não vou estragar aqui. E Phoenix encontrou uma risada do Coringa que assusta e dá pena: uma gargalhada meio forçada, que você supõe que Arthur a faça em contraste com a horrível histeria que ele é forçado a suportar regularmente. Em uma das escolhas mais incomuns e inspiradas do filme, Arthur entra em serena dança solo depois de momentos de trauma extremo – uma espécie de calma após a tempestade – existem sequências filmadas de maneira tão requintada pelo diretor de fotografia Lawrence Sher que ele faz Arthur girar de uma maneira quase idílica.

Fundamentalmente, onde o passado do Coringa foi definido por seu humor e insanidade sádica, a característica definidora de Arthur é que ele é um doente mental. Phoenix gera uma empatia tão poderosa por Fleck que alguns dos horríveis contratempos que ele enfrenta, incluindo um falho e horrível sistema de assistência à saúde mental, são genuinamente perturbadores. De alguma forma, essa profunda simpatia persiste mesmo quando Arthur começa sua queda. Pelo ato final carregado e diabolicamente brilhante do filme, você sente a raiva de Fleck pela injustiça do mundo tão esmagadoramente que, embora suas ações não possam ser justificadas, elas são claramente entendidas.

O fato de Coringa ter sido dirigido e co-escrito por Todd Phillips – mais conhecido pela trilogia Hangover – torna isso ainda mais notável. Phillips comentou que usou muito para escrever seu material da coleção literária “Ace of Knaves”. A estética do início dos anos 80 é tão convincente que quase parece um filme feito por um contemporâneo de Scorsese. A presença de um ruído de fundo quase onipotente – telefones tocando, latindo de cães, zumbindo de TVs – lentamente o leva a outro patamar, refletindo o estado mental de Arthur. A partitura cheia de perdição do compositora de Chernobyl, Hildur Guðnadóttir, é sublime. E a implantação precisa de inúmeras revelações só funciona porque Phillips e o co-escritor Scott Silver são contadores de histórias dispostos a matar a estética dourada da DC.

Se existe uma falha, é Coringa ser um filme inspirado nos filmes de Scorsese do final dos anos 70 / início dos anos 80. É quase como uma sombra. Mas ele se livra de um roubo tão descarado ao reconhecê-lo abertamente. Em uma inversão consciente de seu papel em O Rei da Comédia, Robert De Niro interpreta um amado apresentador noturno cujo programa Arthur sonha em aparecer, por exemplo. Vários papéis coadjuvantes também são usados de uma forma simplista; Zazie Beetz, vizinha de Arthur, sendo o exemplo mais claro.

Mas este é o show do Coringa do primeiro ao último quadro, e Phoenix destrói tudo como uma onda. Claro, ele não está fazendo truques de mágica com lápis, ou deixando Gotham de joelhos com gás hilariante, mas esse Coringa é tão válido e fascinante quanto os anteriores, e funciona melhor por não estar ligado a um universo maior. E isso é que faz dele uma obra-prima do cinema.

Imagem da postagem cedida pelo artista: @SzarkaArt

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.