Não deixe de conferir nosso Podcast!

Dark: segunda temporada é incrível, a viagem no tempo nunca foi tão divertida

Dark
(Netflix)

Esta é uma resenha sem spoiler da segunda temporada de Dark. Todos os 8 episódios estão disponíveis para você assistir na Netflix em todo o mundo.

Primeiro, vamos simplificar Dark, eu mostrarei em outra postagem as partes mais complexas da série da Netflix/Alemanha que vem ganhando um grande número de fãs desde 2017. Dark é uma série intimidante, com sua densa narrativa de viagem no tempo e uma longa lista de personagens para lembrar e anotar – especialmente considerando que a primeira temporada foi em 2017. Mas a Netflix oferece a você 3 minutos de recapitulação dos acontecimentos antes de começar a segunda temporada e isso é de grande ajuda.

É uma saga que já dura décadas em torno da misteriosa cidade alemã de Winden e que precisa de toda a sua atenção para compreender exatamente o que está acontecendo de momento a momento; Dark não é para assistir olhando para o celular. Se você é daquelas pessoas que cada cena é um twitter, pare e deixe para tuitar quando acabar cada episódio. Sério. Até um simples diálogo revela um segredo da trama colossal que existe por trás da história. A segunda temporada tem um mundo rico, cheio de personagens complexos e fascinantes paradoxos apocalípticos. E eles vão explicando isso de forma sutil.

A história começa seis meses depois dos eventos do final da 1ª temporada, com o jovem Jonas (Louis Hofmann) ainda preso no pós-apocalíptico Winden em 2053, enquanto seu eu mais velho interpretado por Andreas Pietschmann – está em 2020. Depois de morar nas ruínas desoladas de sua cidade natal, Jonas se tornou um personagem mais interessante na segunda temporada. Ele também é muito mais proativo em todos os episódios, trocando sua ingenuidade da temporada passada por uma atitude mais adulta, introspectiva e consciente de seu papel, especialmente quando ele tem que se levantar contra a liderança militarista que domina o futuro.

O complicado, mas intrigante elemento de viagem no tempo de Dark continua se expandindo na 2ª temporada, saltando de 2020 para 2053 a 1954 para 1921. E isso as vezes pode confundir os desavisados, mas é só parar de olhar para o celular enquanto assiste que vai dar certo acompanhar.

Embora pareça que os criadores Baran bo Odar e Jantje Friese estejam tentando provar o quão inteligentes eles são, em nenhum momento demonstram arrogância na narrativa que está guiando os eventos – eles são apenas ótimos contadores de histórias. No episódio 4 (o meu favorito), intitulado “Os Viajantes”, a história realmente começa a aparecer ficção científica na mais pura latência. Semelhante ao simulador de exploração espacial cheio de quebra-cabeças da Mobius Entertainment, Outer Wilds, Dark não segura sua mão explicando cada coisa ou considera sua inteligência como garantia que vá entender a proposta da narrativa dela. Mas recompensa se você for paciente.

Dark
(Netflix)

Como sempre, precisamos de um vilão em enredos complexos e Noah, de Mark Waschke, é tão ameaçador quanto sempre. Há muita filosofia – eles colocam lindamente diálogos explicando o que é o bem e o mal, com alguns personagens se referindo a Noah e as pessoas que ele trabalha como mal ou até mesmo o diabo. Em vez de apresentar a moralidade da série em termos retos em preto e branco, os escritores espertamente imprimem a Noah algumas nuances muito necessárias. Sem entrar em muitos detalhes, vamos apenas dizer que a progressão de seu personagem é um dos enredos mais emocionantes da 2ª temporada.

Em 2020, em Winden, a polícia local nomeou uma força-tarefa especial para ajudar a encontrar as crianças desaparecidas, lideradas pelo Clausen (Sylvester Groth). Dark não é famosa por ser uma série engraçada, mas as reações sutis de Clausen “o que o m*** está errado com esta cidade” durante a temporada são inestimáveis. Ele faz todas as perguntas que nós, telespectadores, temos sobre a cidade – por que ninguém nunca vai ou foi embora de lá? A Alemanha é o terceiro país mais rico do mundo. Groth é o ajuste perfeito para o papel, retratando Clausen com uma memorável atitude “Eu não estou comprando nenhum de seus touros”. Todo mundo que está em Winden é suspeito, então é bom finalmente ter um personagem que, pelo menos, pareça ser honesto.

A segunda temporada dá mais tempo para brilhar também. O a gangue juvenil do ensino médio de Winden – Magnus, Martha, Franziska e Bartosz – são mais integrantes da história geral desta vez. Em vez de apenas esperar que algo interessante aconteça, o time decide tomar as coisas em suas próprias mãos, estabelecendo alguns enredos atraentes para a segunda metade da temporada. É um grande elenco, mas os criadores fazem um trabalho sólido dando a todos o seu tempo para brilhar. Do grupo, Magnus (Moritz Jahn) e Franziska (Gina Stiebitz) amadureceram como jovens atores, cada um deles tendo algumas cenas dinâmicas para mostrar seus respectivos talentos.

Os criadores têm mais uma temporada para passar antes que seu ambicioso conto termine. Até agora, tem sido uma viagem temporal divertida pela caótica história de Winden, que está toda conectada … De alguma forma?

Dark
(Netflix)

Veredito

A segunda temporada de Dark pode machucar seu cérebro às vezes, tentando juntar todas as narrativas que viajam no tempo, mas no final, os criadores Baran bo Odor e Jantje Friese recompensam sua paciência com alguns momentos estelares dos atores e roteiro. Com oito episódios , Dark é uma tapeçaria de histórias convincentes e performances memoráveis de todo o conjunto. Não podemos esperar para ver como tudo termina na terceira temporada.

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.