Não deixe de conferir nosso Podcast!

Dica de Leitura | Coleção Tex Gold da editora Salvat

Coleção Tex Gold da editora Salvat, lançada em 2017, só agora, em 2019, chega aos outros estados da federação brasileira, fazendo com que os leitores tenham contato com as ótimas histórias da Sergio Bonelli Editore em edições coloridas, com bons roteiros e excelentes desenhos que fazem jus ao ranger mais famoso do velho oeste que já tem mais de 70 anos e uma geração de fãs fiéis.

 

Resultado de imagem para tex o profeta indígena

 

Antes de começar a falar sobre a coleção de Tex Gold da Salvat, é bom deixar claro que não sou um leitor habitual de Tex. Durante muito tempo, apesar de colecionar quadrinhos desde 1998, me mantive longe dos títulos do personagem. Talvez pelo excesso de edições que já comprava, ou pelo fato de que os títulos em preto em branco não me chamavam atenção, tendo as publicações envolvendo o Ranger estado fora do meu radar como leitor.

Situação que só veio mudar recentemente, haja vista outros títulos da Sergio Bonelli Editore terem chegados às minhas mãos, como Dylan Dog da Lorentz e da Mythos e Dampyr da Editora 85, entre outros.

O fato é que tive contato com o título da Mythos Tex Platinum e pude ler mais sobre Tex. E fiquei impressionado como o personagem tem vários títulos no Brasil. De cabeça, posso citar: Tex, Tex Platinum, Tex Ouro, Tex Gigante, Tex Willer e Tex Edição Histórica. Possivelmente, é o personagem com mais títulos regulares sendo publicados no país, o que mostra o quanto de leitores de Tex existem nas terras brasileiras.

Porém, um fato me chamou atenção lá em 2017. A editora Salvat, famosa por sua coleção capa preta e vermelha dos títulos da Marvel, anunciou uma coleção do personagem com 60 volumes coloridos, contendo grandes histórias do Águia da Noite (alcunha navajo de Tex) e que formam uma bela lombada na estante.

 

 

E não sejamos hipócritas, toda vez que a Salvat, Eaglemoss ou Deagostini lançam essas coleções, nós leitores já ficamos de prontidão para adquirir os primeiros números que custam bem menos, tendo a primeira edição o custo módico de R$ 9,90.

Ou seja, o interesse era enorme por Tex Gold da Salvat. Mas o tempo passou, a crise das bancas e distribuidoras afetou o mercado de quadrinhos, quebrando grandes varejistas como a livraria Saraiva, e isso afetou a Salvat como um todo, tendo que parar as suas publicações por um tempo. Prejudicando assim o envio das edições de Tex para outros estados, como o Piauí, por exemplo, onde resido.

O prego no caixão veio em Tex Gold nº 40, quando, na própria edição, a Salvat anunciou o cancelamento da série.

Mas, em um virada do destino, em agosto de 2019, a editora voltou atrás e decidiu terminar a coleção com 60 volumes e enviar para os outros estados as edições desde o começo.

 

Resultado de imagem para tex o profeta indígena

 

Quando percebi, já estava soterrado pelo tanto de edições que chegaram às bancas de Teresina-PI, cidade onde moro. No momento que escrevo esse texto, a coleção já está na sua 4ª edição, tendo eu comprado as 3 primeiras, haja vista ter chegado uma edição por semana nesse ritmo rápido. E as vendas parecem que estão indo bem.

Para contar um caso da banca que frequento, uma das maiores da cidade e que tem um número elevados de leitores, Tex Gold 03 – Patagônia já foram vendidas todas as edições, sendo que o dono me informou que pediu duas caixas da publicação. É um fato impressionante para o mercado atual que vive uma crise severa de debandada dos leitores nas bancas.

 

Resultado de imagem para tex o profeta indígena

 

Alguns fatores explicam essas vendas rápidas, como a espera de dois anos pela chegada da coleção em outros estados. Ou até mesmo a fidelidade que os leitores de Tex possuem. Mas não podemos esquecer que essas primeiras edições são bem mais baratas, custando R$ 9,90, R$ 24,90 e R$ 39,90, respectivamente.

Tendo comprado as 3 primeiras edições (O PROFETA INDÍGENA, O CAVALEIRO SOLITÁRIO e PATAGÔNIA), eu pude perceber o porquê de Tex prender tanta a atenção dos leitores e mantê-los comprando as aventuras do Ranger.

Sejamos sinceros novamente, o western (faroeste) é um tema bem em baixa no momento na cultura pop. Para citar uma exemplo mais conhecido, recentemente a Netflix teve que financiar A BALADA DE BUSTER SCRUGGS, dos irmãos Cohen, ganhadores do Oscar. Se não fosse pelo streaming, o filme episódico que se passa no Velho Oeste nunca veria a luz do dia, mesmo capitaneado por famosos diretores e atores, como James Franco e Liam Neeson.

Então, um quadrinho envolvendo o western, e em preto e branco, é que deveria chamar menos atenção ainda. Mas isso não ocorre aqui. Se duvida, como dito acima no texto, veja o quanto de títulos de Tex existem no Brasil.

 

Resultado de imagem para tex Joe Kubert

 

A resposta para a fidelidade dos leitores está na qualidade do roteiro e nos belos desenhos das tramas. E o leitor que acompanhar essa coleção da Salvat terá tudo isso, e ainda sendo adicionado de cores, em um trabalho competente, como pude ver por essas três primeiras edições que possuo.

As tramas de O PROFETA INDÍGENA, O CAVALEIRO SOLITÁRIO e PATAGÔNIA, junto aos ótimos desenhos, farão o leitor terminar as suas edições em uma leitura só, pelo tanto que prendem a atenção. Em especial, PATAGÔNIA, considerada uma das grandes histórias de Tex, quando o Ranger vem para a América Latina e se envolve  na luta entre o governo argentino e os índios da região.

O roteiro e os desenhos realmente fazem o leitor virar um fã de Tex, querendo conhecer mais do personagem.

 

Resultado de imagem para Tex Patagónia

 

É complicado indicar uma coleção como essa que tem 60 volumes, e que devem sim ter histórias duvidosas pelo caminho, sendo que já está adiantada em alguns estado, custando as edições atuais R$ 47,90. Mas o leitor de quadrinhos não pode se omitir ao ver pelo menos os primeiros volumes da coleção da Salvat de Tex Gold, pela qualidade dos roteiros e pela beleza da arte colorida das edições. O perigo é virar fã de Tex, como muitos, e acompanhar essa coleção até o final.

Thiago Ribeiro
Thiago de Carvalho Ribeiro. Apaixonado e colecionador de quadrinhos desde 1998. Do mangá, passando pelos comics, indo para o fumetti, se for histórias em quadrinhos boas, tem que serem lidas e debatidas.