Não deixe de conferir nosso Podcast!

Duas estreias de filmes originais Netflix que não valem a pena

A Netflix está com dois filmes em destaque essa semana que chamam a atenção pela temática e até pelos títulos, mas tenho que fazer o alerta: são, no máximo, filmes duas estrelas de cinco.

 

Contato Visceral da Netflix
Contato Visceral da Netflix

 

Eli” e “Contato Visceral”.  Esse primeiro, infelizmente, deixaria com uma estrela e meia.

Digo infelizmente por causa justamente da temática que poderia ser muito bem trabalhada, mas os roteiristas falham na construção da história e o diretor Ciarán Foy, de Eli, não consegue salvar o filme.

Eli é um garoto com uma doença rara que não pode ter nenhum contato com o ar e seus pais utilizam todos os recursos que possuem em busca de tratamento.

Quem não gosta daqueles dramas familiares pode até desistir logo no começo. Isso porque até praticamente metade da trama é dessa forma que a história parece que vai transcorrer até o final. E é nesse ponto o primeiro grande erro do filme.

A direção se perde na hora de “esconder” a surpresa. Nada aponta para o que vai ser apresentado no final. Não existe um crescimento emocional, é só a primeira e a segunda metade. E o pior: o filme acaba e fica tudo mal explicado. Sem querer dar spoilers e estragar a “diversão” de quem ficou curioso, mas o que se pode dizer é que Eli é um menino fraco e doente no começo, e se transforma em algo extremamente poderoso no final.

 

 

O “Contato Visceral” comete pecado parecido. Explora muito a surpresa e não mostra o que está por trás. O diretor Babak Anvari prefere explorar um romance mal resolvido e deixa vazio a temática central.

Após um briga em seu local de trabalho, o barman leva pra casa um celular esquecido por uns jovens. Quando chega em casa começa a receber umas mensagens estranhas. E quando tenta ligar, o aparelho emite um som que causa sensações pertubadoras.

Mas… quem está do outro lado linha? Que seita maligna está gerando tudo isso? Só se fizerem um “Contato Visceral 2”.

 

Marcelo Costa
Jornalista formado pela Universidade Federal do Piauí com mais de 20 anos de atuação na área, sempre com destaque para área cultural, principalmente no campo das histórias em quadrinhos, cinema e séries.