Não deixe de conferir nosso Podcast!

Dica de Leitura: Memória de Elefante (Caeto)

Um gibi que precisa ser lido

Texto de Bernardo Aurélio
Memória de Elefante é aquele tipo de gibi que você acaba deixando pra fazer a leitura depois porque não tem nenhuma referência, não sabe exatamente do que trata, a capa pode não dialogar muito contigo e aí ele vai ficando na pilha de leituras, ou mesmo você vai ignorando ele na livraria… Foi isso que aconteceu comigo.
Tenho uma livraria especializada em quadrinhos e confesso que leio muito devagar, não me mantenho atualizado. E Memória de Elefante foi lançado em 2010 (em minha defesa, só abri a livraria no ano seguinte). Há um bom tempo esse livro era colocado de um lado para outro em minhas prateleiras e, com um pouco de curiosidade e culpa de leituras atrasadas, eu dava uma folheado no gibi, prometendo a mim mesmo “um dia…”
Acho que sei porque, depois de tanto postergar, li esse gibi de um dia para o outro. Tudo começou em março, quando comecei a ler Vingadores Eternamente (parte 1 e 2, lançados pela SALVAT nos números 14 e 15, de lombada). Passei abril em um suplício tentando terminar. Prometi a mim mesmo ler aquilo só por causa do Kurt Busiek, afinal de contas, uma pessoa que escreve Marvels e Astrocity sabe o que faz. A ideia era produzir uma resenha, entretanto, reavaliei minhas prioridades, pois se iria me dedicar a escrever um texto deveria ser sobre alguma coisa que eu, no mínimo, tivesse gostado. Então, procurei outra coisa pra ler. Instintivamente, queria algo completamente diferente daquela coisa colorida e saltitante. Memória de Elefante brilhou na prateleira.
Comecei a ler o gibi de noite e quando fui dormir já tinha lido 150 das 228 páginas do livro. Provavelmente teria terminado a leitura se minha mulher não estivesse tentando dormir com um pano cobrindo seus olhos. Concluí na manhã seguinte. É clichê dizer que “aquilo me prendeu. Não queria largar o quadrinho”? Foda-se. Foi assim mesmo. E isso é muito raro na vida de minhas retinas preguiçosas.

Como falei no início, Memória de Elefante não havia chamado minha atenção, nem pelo título, nem pela capa (por sinal, acho que a capa dialoga muito pouco com o conteúdo do gibi. Muito melhor o Elefante que está na folha de rosto da obra), nem exatamente pela qualidade dos seus desenhos. Ou seja, realmente não é um quadrinho que se vende fácil. Talvez por culpa minha, nunca tinha ouvido falar do autor: Caeto. Minha única indicação de qualidade é a editora: Companhia das Letras, mais especificamente o seu selo de quadrinhos, o Quadrinhos na Cia. Dificilmente eles erram. De tudo que li do catálogo dos caras, apenas um gibi não me convenceu (um que inclusive é super elogiado pela crítica, o que me dá até certa vergonha de citar que não gostei, mas dane-se! “Umbigo sem fundo” é ruim. Se você discorda de mim, ponto pra editora, pois eles não teriam nada descartável… Bom, se você não estiver de bem com a vida, talvez não goste de “Repeteco”, mas eu o guardei na minha estante).

Caeto conta uma história autobiográfica, seus problemas na família, entre os amigos, na escola, na vida profissional… O grande lance é que não tem nada muito especial na coisa toda. É algo cru e simples, tanto no traço, na diagramação, quanto no texto. O personagem-autor perambula pelas ruas de São Paulo, nos inferninhos, nos bares, nas galerias de arte, fazendo sexo e um retrato curioso dessa vida alternativa da arte paulista, principalmente envolvendo a música punk e a produção de fanzines de quadrinhos. Um dos autores que dá às caras no livro é o Rafael Coutinho, autor de “revistinhas” (termo empregado com carinho e não pejorativamente) como Cachalote, Mensur e O Beijo do Adolescente. Memória de Elefante fala sobre arte, sobre tentar viver de arte através deste esquema de feiras independentes e vemos que, mesmo em São Paulo, a coisa não é fácil (alô, alô! Falando aqui diretamente de Teresina, Piauí).
A história é cotidiana e somos apresentados às dificuldades do protagonista, mas não apenas a isso, somos convidados a conhecer o autor e como ele pensa e isso pode incomodar a gente. Afinal de contas, é fácil não gostarmos de um personagem e curtir a obra. O difícil é você não gostar do autor, que é o protagonista da obra, e conseguir gostar do quadrinho. Novamente, repito que não conhecia o Caeto, mas depois de ler seu gibi, confesso que ele não é alguém com quem, provavelmente, eu curtisse conviver ou trocar umas ideias: mas seu gibi é bom pra porra!

Caeto é escroto, um tanto preconceituoso, impaciente e um pouco insensível. Sua sorte é conseguir lidar com a maior parte desses problemas internamente, sem explodir, transformando tudo isso num gibi para evitar ou uma úlcera no estomago ou espancar alguém. Talvez tenha consciência disso, fazendo do quadrinho uma grande terapia, mesmo que não seja o objetivo. Por sinal, acho que, definitivamente, uma terapia não é o objetivo do gibi, apesar de servir para isso também. Mas não pense que é um dramalhão, longe disso.
Boa parte do drama do gibi é sobre o autor conseguir estabilidade financeira, dormir em um lugar onde não existam pulgas que lhe atrapalhe seu sono, conseguir uma namorada e se relacionar com sua família, principalmente com seu pai doente.

Com a experiência de transformar seu cotidiano em matéria-prima, seu livro é um delicioso recorte de acontecimentos. Recomendo fortemente.
Caeto, se nunca cruzar com você, aproveito para lhe dar logo os parabéns pelo belo trabalho, melhoras na sua vida e saúde, caso espirres!

Ficha técnica:

Número de páginas: 232
Formato: (21 x 27,5 cm)
Preto e branco/Lombada quadrada

Preço de capa: R$ 37,50

Publicado em: setembro de 2010

Editora:Cia. das Letras
O leitor interessando pode achar a obra através do seguinte link ou na livraria Quinta Capa Quadrinhos, localizada na Rua Dirce Oliveira, 3047 – Ininga, Teresina – PI, 64048-550.
Thiago Ribeiro
Thiago de Carvalho Ribeiro. Apaixonado e colecionador de quadrinhos desde 1998. Do mangá, passando pelos comics, indo para o fumetti, se for histórias em quadrinhos boas, tem que serem lidas e debatidas.