Não deixe de conferir nosso Podcast!

O episódio dois de Watchmen nos faz questionar o que sabemos sobre bem e mal

Crítica: ‘Watchmen’ 1x02 — ‘Martial Feats of Comanche Horsemanship’
HBO

Esta é a resenha do episódio dois “Martial Feats of Comanche Horsemanship” de Watchmen da HBO, tem spoiler por todos os lados.

Nesta semana, a resposta da extrema direita ao Watchmen da HBO foi rápida e desconcertante. Sim, os perfis trolls de algumas redes sociais ficaram indignados com o fato de a nova série de Damon Lindelof ter mergulhado profundamente na política e no racismo histórico americano. Eles também estavam espumando pelo fato dos supremacistas brancos da série terem cooptado a imagem de Rorschach. O que eles não perceberam é que, embora ele seja o protagonista dos quadrinhos originais, Rorschach nunca foi escrito para ser um herói (na verdade, Alan Moore achou risível e aterrorizante que as pessoas pensassem no vigilante mascarado como um cara legal).

E assim, o seu segundo episódio de Watchmen da HBO deixa claro que não há mocinhos e bandidos nessa história. O episódio começa na Primeira Guerra Mundial, onde uma mulher alemã é chamada para escrever um panfleto de propaganda para ser jogado nos soldados americanos. “O que é democracia?” o folheto pergunta. “Você gosta dos mesmos direitos que os brancos da América? Ou você é tratado como cidadãos de segunda classe?” Isso foi realmente uma tática usada pelos alemães durante a primeira e a segunda guerra mundial. E o uso aqui na abertura deste episódio se conecta a um tema interessante para a narrativa do episódio. O bem e o mal são uma questão de perspectiva.

Um desses folhetos, como assistimo, é recolhido pelo pai de Will Reeves, ele traz consigo para a América ao final da guerra. Este papel ele usa também para anotar “Watch Over This Boy” enquanto fugia do Massacre de Tulsa. Isso dá uma perspectiva importante para esta série – que o racismo institucionalizado na América é horrível, abrangente e venenoso ao longo da história. Não é algo que podemos esquecer, não foi resolvido, não pode ser ignorado. Então, devemos nos perguntar: os americanos – capazes de atrocidades como o Massacre de Tulsa em 1921 – são realmente bons? O que é bom e o que é mau?

Em uma cena interessante, vemos a reação inicial ao assassinato do chefe Judd Crawford. A polícia invade com violência um parque de trailers – conhecido como Nixonville – onde eles acreditam que a maioria dos supremacistas brancos reside. Até nossa protagonista Angela Abar perde a compostura e espanca um homem que tenta atacá-la.

Depois, é claro, há a roupa da KKK no armário de Crawford. Ele era amigo íntimo de Abar. Ele era o chefe de polícia. Em todos os aspectos, ele era um homem bom. Mas, aquelas roupas da Klan em seu armário provam o contrário. Com o telespectador, Angela deve reconsiderar completamente quem ela acreditava ser boa e quem era má. Obviamente, isso deve nos fazer reconsiderar o que pensamos de Will Reeves, que afirma ter assassinado Crawford. O que aprendemos neste episódio é que ele é o avô de Angela. Também sabemos que, se ele de fato matou Crawford, ele provavelmente o fez porque o chefe de polícia era um supremacista branco.

O episódio dois também ajuda a preencher algumas das histórias de fundo deste mundo e que deixou algumas pessoas com a orelha em pé no episódio anterior. Finalmente vemos o que o motivo que fez Angela deixar a força policial e esconder sua identidade enquanto lutava contra o crime. Foi um incidente conhecido como A Noite Branca, quando membros do Sétimo Kalvalry massacraram vários policiais conhecidos. Angela sobreviveu, mas muitos, incluindo os pais das crianças que ela adotou, foram assassinados. Este foi o evento que levou também a polícia a esconder o rosto. Aprendemos um pouco mais sobre a natureza de Redfordations, que é um dinheiro dado aos antepassados ​​daqueles cujas vidas foram destruídas durante o violento e racista Massacre de Tulsa. O episódio também fornece uma breve visão da suposta origem do Justiça Encapuzada, a figura lendária que foi o primeiro vigilante mascarado no final dos anos 1930. A identidade do Justiça Encapuzada nunca foi revelada, mas as especulações que apareceram nos quadrinhos originais de Watchmen o identificaram como Rolf Muller. Na série existe um programa de TV fictício chamado ”American Hero Story: Minutemen”, que provavelmente funcionará como uma história paralela dentro da própria série da HBO, especula-se que Muller foi um simpatizante nazista e também possivelmente um assassino em série, colocando em questão as origens éticas de todo o movimento de vigilantes mascarados.

Entre a abertura do flashback, a grande revelação de Crawford, o mistério em torno de Will Reeves e a resposta da polícia ao assassinato do chefe – em uma hora, toda a nossa percepção do bem e do mal neste universo de Watchmen foi invertida. Aqueles que consideramos heróis eram capazes de um grande mal. Aqueles que pensávamos que haviam cometido crimes poderiam agir de maneira ética. Essa é exatamente a área cinza moral que o material original de Moore ocupa. E prepare-se para mais debates, mais indignações e mais reações a essa história daqui para frente. Como o mundo real, nada está claro. E mais uma vez HBO fazendo história.

 

Leiam também:

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.