Não deixe de conferir nosso Podcast!

Watchmen | Episódio 03: A Brick in The Air

HBO
HBO

O episódio três de Watchmen da HBO afasta todos os preconceitos que você já tenha formado sobre a série. Laurie Blake é apresentada, uma personagem que os leitores de quadrinhos de Watchmen conhecerão melhor como a Espectral. Com Jean Smart fazendo um desempenho digno de prêmio como a personagem, elevando sozinha de um bom para um ótimo episódio.

 

 

 

Os primeiros minutos é com Blake contando uma piada para o doutor Manhattan através de um telefonema interestelar. A piada é sobre um homem perfeccionista fazendo uma casa perfeita, mas que no final de tudo, sobra um tijolo. A filha dele acaba por jogá-lo no ar. Não vai soar engraçado porque eu sou péssimo com piadas, mesmo transcrevendo cada linha. Mas é realmente engraçado de se assistir.

 

Embora isso possa ter sido uma abertura relativamente discreta, se a gente considerar as duas anteriores, sabemos instantaneamente que Blake vai causar um enorme impacto na série. O diretor Stephen Williams deixa isso claro com uma série de fotos em ângulo aproximado de seus lábios franzidos, curvando-se sobre cada palavra e frase, imbuindo cada sílaba com equilíbrio e propósito reais. Nosso objetivo é prestar atenção a cada palavra que ela diz. Se aprendemos alguma coisa com esses três primeiros episódios, é que as pequenas coisas importam.

 

Blake salta de paraquedas em Tulsa, Oklahoma, ao lado do novato Dale Petey para investigar o assassinato de Judd Crawford em nome do FBI. A dinâmica entre os detetives parece um pouco clichê, embora sirva para iluminar como Blake ficou endurecida com o tempo. Vemos isso novamente quando Blake conta ao Doutor Manhattan uma piada sobre ela, Ozymandias e Coruja (que agora sabemos que estão na prisão) encontrando Deus.

 

Mais tarde, Blake começa a coletar informações no funeral de Judd Crawford. Para a gente não esquecer que esta série é também sobre racismo, ela decide atirar em um dos membros da Seventh Kavalry, as coisas quase saem pela culatra literalmente. Era para ser um pouco mais tenso, mas seria tolice dos roteiristas matarem tão rápido uma personagem tão importante para a série. No entanto, aprendemos que, embora Blake possa ser esperta, capaz de quebrar um estojo muito mais rápido que Angela Abar, ela não é infalível (ao contrário de um certo semideus azul do outro lado do telefone). A atriz Jean Smart faz um trabalho magistral ao manipular todas essas emoções conflitantes. Ela não é apenas uma versão alternativa de Espectral, ela é a evolução natural.

 

Apesar do desempenho fantástico, há outro ator que quase arrebata o episódio de Jean Smart: Jeremy Irons. As Surpreendentes Aventuras de Adrian Veidt dão uma guinada importante neste episódio. Não vou entrar nos detalhes, mas a coisa realmente ajuda a entender um pouco mais desse personagem complexo e louco. Eu achei uma reviravolta interessante de uma série que até agora, sabe como nos fazer adivinhar de maneiras novas e imaginativas as coisas. Além de mostrar que Ozymandias de Irons é um homem de erros e que foi deixado para viver condenado destino sem significado, a coisa é toda tirada do poema Ozymandias, de Shelley, do qual ele extrai sua persona.

 

Veidt, no entanto, procura recuperar seu lugar no mundo. Ele coloca sua máscara e novamente adota o disfarce de Ozymandias um tanto inadequado pela primeira vez em décadas.A próxima semana está se transformando as coisas em uma loucura sem freios, graças aos planos planejados e prospectivos estabelecidos no episódio desta semana.

 

Tanta coisa aconteceu nesse episódio que o confronto de Angela e Blake era para ser um momento climático, mas isso não se concretizou. Por um lado, Angela parece minúscula na grande teia de conspirações e heróis fantasiados, além de perder sua investigação para o FBI. Enquanto isso, Blake parece que gosta de contar piadas ruins, mesmo que sejam sobre a Klan.

 

Cada atriz também parece esconder algo. A cena funciona apenas como uma desculpa para reunir as duas. Petey acaba se tornando um ajuste estranho que não se encaixa. Em uma série que fez com que cada ação parecesse decididamente inevitável, o encontro parece nesta fase uma pequena supervisão, mas que pode ser perdoada quando você tem dois talentos solares, como Jean Smart e Regina King.

 

Quanto à do episódio. Um tijolo – presumivelmente o arremessado pela filha do perfeccionista faz-tudo – voa pelo ar e mata Deus. Se isso pretende ser um aviso ao Doutor Manhattan de que nem mesmo os Deuses, azuis e “normais”, podem explicar ações aleatórias, o significado foi perdido. Em uma reviravolta do destino, o carro que transportava Will Reeves no final do episódio da semana passada cai bem em frente de Blake. A resposta dela? Cai na gargalhada. Alguém lá em cima está claramente fazendo uma piada para ela, deixando cair a resposta que ela estava procurando.

 

Desde a ligação telefônica de abertura, até a imagem absurda dela mostrando o que pode ser descrito como um monstruoso vibrador do Doutor Manhattan, é difícil entender o quanto Blake de Jean Smart está levando a coisa a sério. Resta ver até onde sua jornada pode ir sem desviar muito o foco da narrativa principal do programa. Mas essa primeira impressão é extremamente confiante, o suficiente para sugerir que ela será tão rica quanto todos os outros em Watchmen, que, depois de apenas três episódios, já está cheia de personagens com os quais você mal pode esperar para passar mais tempo.

 

Leia também:

 

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.