Não deixe de conferir nosso Podcast!

“Pulp” E O Passado Que Volta Marcado De Sangue

Nova York, 1939. Max Winters entrega ao seu editor mais uma história de Kid Rio Vermelho, personagem que criara para uma de suas publicações baratas, “Seis Tiros: Velho Oeste”. O pagamento é menor do que o esperado, o que já deixa Max contrariado. Para piorar, ele se envolve em uma briga na saída do metrô e acaba perdendo todo o dinheiro.

Max está cansado e doente e não sabe mais o que fazer. Com a situação financeira complicada, pensa na esposa e o que poderia fazer para não deixá-la desamparada. É preciso tomar uma atitude, pensa, e a única saída que lhe ocorre é fazer um assalto, como nos velhos tempos.

Sim… Kid Rio Vermelho vive, pois, como descobrimos, ele é o alter ego de Max, que registra no papel suas memórias de juventude vivida na fronteira. Mas alguém do passado reaparece, mudando o rumo das coisas. Talvez para sempre.

Neste romance gráfico envolto em nostalgia, o roteiro de Ed Brubaker, com seu apelo literário, é talhado de forma dura pela arte de Sean Philips. A paleta ocre adotada por Jacob Philips nas cores enche as páginas do ar pesado de um Arizona desbravado por homens valentes e suas armas carregadas, como se a poeira e a pólvora condensassem o destino de quem ali viveu, seguindo seus rastros até mesmo em Nova York décadas depois.

A entrada em cena de Jeremiah Goldman só confirma isso. Ex-agente da Pinkerton, que por anos seguira os passos de Max em seus tempos de fora da lei, aparece com uma proposta: roubar a sede da Federação Nazista, que estaria enviando recursos para fomentar os planos de Hitler na Europa.

A parceria improvável logo ganha ares de camaradagem, nascida entre aqueles que tiveram a brutalidade como rotina, enterrando fundo qualquer forma de pesar. Mas o último golpe de Max pode não sair como planejado, cobrando um preço que seu velho corpo talvez não possa pagar.

Pulp” (editora Mino, 80 páginas, R$ 69,90) foi o primeiro título lançado pela editora Mino após anunciar a publicação dos trabalhos autorais de Brubaker, grande parte deles em parceria com Philips. Era um material há muito desejado pelos leitores brasileiros, em vista da repercussão que sempre ganharam no exterior, além dos prêmios conquistados. E a leitura deste volume indica que as expectativas serão compensadas.

 

Rafael Machado
Parnaibano, leitor inveterado, mad fer it, bonelliano, cinéfilo amador. Contato: rafaelmachado@quintacapa.com.br