Não deixe de conferir nosso Podcast!

Ursula K le Guin | Conheça sua histórias essenciais!

Ursula K. Le Guin, faleceu no dia 22 de Janeiro com 88. Uma mulher além do seu tempo na literatura fantástica.

Da fantasia de Terramar aos planetas ambiciosos, estas obras-primas oferecem apresentações brilhantes de uma escritora deslumbrante, que quebrou paradigmas num terreno completamente novo com livros traduzidos para mais de 40 idiomas, Le Guin é reconhecida nos gêneros de ficção científica e fantasia. 
[Autoria: Alison Flood]
[Tradução: Daniely Marques]
 
O Feiticeiro de Terramar

O Feiticeiro de Terramar

“Das cidades em seus altos vales e os portos em suas baías estreitas sombrias, um Gontishman saiu para servir os Senhores do Arquipélago em suas cidades como assistente, ou mago, ou, à procura de aventura, divagando seu trabalho de magia para ilha de todo o Terramar “,  assim ela dá início à história.
Uma de suas primeiras obras, esta história está ambientada no mundo de Terramar, um arquipélago de ilhas, e segue a vida do jovem mago, Ged, da ilha de Gont. Ged é levado por um grande mago, Ogion, e estuda em uma escola para magia. (Parece familiar, a autora disse ao The Guardian que J.K. Rowling “poderia ter sido mais generosa” ao reconhecer a novela de 1968.) Enquanto lá, seu orgulho o tenta ao convocar uma “sombra”, uma fera que tentará escapar durante o  resto do livro, e só conseguirá vencer essa escuridão quando reconhece-la em si mesmo.
Existem muitas aventuras em Terramar,  incluindo Os túmulos de Atuan, O mais distante da costa e Tehanu, todas escritas  da forma mágica particular  de Le Guin. E com água, barcos e dragões, “de alas finas e espinhosas”. Grandiosamente, essas histórias para crianças, são mais profundas e mais sábias do que muitas romances de fantasia para adultos.
A mão esquerda da escuridão
Cortesia e reprodução: Revista TRENDR

Situado no universo de Hainish, ao qual Le Guin retornaria em outras histórias, “A mão esquerda da escuridão”  fala de Genly Ai, um emissário do planeta Winter ou Gethen, que está convidando seu povo para se juntar ao Ekumen, uma coalizão de planetas. Os Gethenians são “ambiciosos” – principalmente andróginos, quando entram no estado de “kemmer”, podem se tornar masculinos ou femininos para se reproduzir. A autora refere-se a cada Gethenian como “ele” – levando a frases como: “O rei estava grávida”.
Vencedor dos prêmios Hugo e Nebula Awards , ambos forçam o leitor a reexaminar o gênero e, mais tarde, se torna uma aventura holística, quando Genly é preso,  e seu amigo Getheniam se propõe a resgatá-lo. Para o crítico Harold Bloom, o livro significava que “Le Guin, mais do que Tolkien, criou a fantasia para a literatura acima do nosso tempo“.
The lathe of heaven (sem tradução ainda em Português)
The Lathe Of Heaven – Ursula K. Le Guin (1971)

“Eu tive sonhos … isso afetou não mundo dos sonhos, mas o real.” Diz  George Orr, um homem cujos sonhos têm a capacidade de mudar a realidade. Seu psiquiatra, William Haber, aproveita esse poder, usando-o de maneira mesquinho e assim: quando George sonha com a paz, os extraterrestres chegam para destruir o mundo. Sonhar com o fim do racismo significaria para George que a pele da mulher que ama ficaria cinza, uma advogada negra que tenta salvá-lo das garras de Haber, e acaba desaparecendo. “Nunca ter conhecido uma mulher com pele marrom, e cabelos curtos de forma que aparecesse a curvatura do seu pescoço, parecendo um vaso de bronze – não, isso estava errado. Isso não é possível. Que toda alma na terra deve ter um corpo de cor de um navio de guerra: não! ”
Os despossuídos
Reprodução

Le Guin chamou essa novela de uma “utopia anarquista” , uma reação à guerra do Vietnã. Originalmente, “uma história curta  e muito ruim” de acordo com ela mesma, havia um livro nele, e eu sabia disso, mas o livro teve que esperar para que eu aprendesse sobre o que estava escrevendo e sobre como escrever sobre isso. Eu precisava entender minha oposição apaixonada à guerra que nós éramos, sem parar, no Vietnã, e protestando sem parar em casa “, ela escreveu isso em uma introdução desse livro.
A ação alterna entre os mundos gêmeos de Urras e Anarres. Um século antes, revolucionários anarquistas de Urras criaram uma nova sociedade em Anarres e tentaram viver sem propriedade. As duas sociedades desenvolveram-se com poucos contatos desde então. Mas o físico Shevek, que está trabalhando em um método de comunicação interestelar chamado Princípio da Simultaneidade, está se desiludindo com a filosofia anarquista de Anarres e viaja para Urras para encontrar mais liberdade.
De acordo com um perfil de Le Guin pelo romancista Hari Kunzru, o livro ainda circula em comunidades ativistas, com jovens anarquistas lendo mais obras da autora para obter conselhos. Mas Le Guin disse a Kunzru que os encontros a deixaram “embaraçada e um pouco culpada” porque, desde que escreveu o livro, concluiu que o único caminho para uma sociedade anarquista ser totalmente implementada era “ficar completamente isolado de todos os outros”. Então, provavelmente, o mesmo se destruirá por dentro, porque somos criaturas perversas. Mas foi uma coisa adorável ler este livro e acompanha-lo até o final,  ele tem uma bela como uma estrutura intelectual para um livro de fantasia, principalmente conceitos sobre Anarquismo. Que era realmente o que o anarquismo era para mim, uma maneira de pensar, uma maneira de imaginar, mas não uma crença”.
 
[*] Artigo publicado em THE GUARDIAN (24/01/2018):  Texto Original
[**] Todos os textos traduzidos possuem conteúdo meramente didático e não lucrativo. Para citações deve-se recorrer ao original.
 

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.