Terça, 26 De Fevereiro De 2019

LOJA QUINTA CAPA

A Nada Supérflua Prosa De Turguêniev

Publicado em 1850, o Diário de um homem supérfluo, de Ivan Turguêniev, ocupa um lugar de destaque na história da literatura. É nele que pela primeira vez o termo lichnii, “supérfluo”, foi usado para designar um dos tipos mais característicos da grande prosa russa do século XIX – o “homem supérfluo”. Se tal figura já possuía antecedentes em obras de outros autores, é com Turguêniev que ele alcança sua formulação psicológica mais aguda.

O escritor tinha a incrível capacidade de perceber as forças sociais em movimento na sua época e dar-lhes representação literária precisa. Nesta novela, que tem a forma de um diário íntimo, um jovem à beira da morte reflete sobre a sua infeliz paixão por Liza, filha de um proprietário de terras na província, e sobre seu sentimento de desajuste com a vida, próprio da geração que cresceu sob o regime repressivo do tsar Nicolau I. Por meio de suas confissões, o leitor tem acesso a um vívido retrato da sociedade russa do século XIX.

A prosa sensível e cuidada de Ivan Turguêniev ganha uma versão à altura na tradução atenta e rigorosa de Samuel Junqueira, que assina também o posfácio desta edição, lançada pela editora 34, no qual esclarece a importância desta obra-chave da literatura russa, agora pela primeira vez publicada no Brasil. A edição sai com 96 páginas e preço sugerido R$ 38,00.

Ivan Turguêniev nasceu em 1818, em Oriol, na Rússia. De família aristocrática, viveu até os nove anos na propriedade dos pais, Spásskoie, e em seguida estudou em Moscou e São Petersburgo. Em 1838, mudou-se para Berlim, onde frequentou cursos de filosofia, letras clássicas e história. Em 1843, conheceu o grande crítico literário Bielínski. Influenciado por suas ideias, Turguêniev começou então a publicar contos inspirados pela estética da Escola Natural, depois reunidos em Memórias de um Caçador, coletânea que obteve enorme sucesso na Rússia e na Europa.

Na época, conheceu a cantora de ópera Pauline Viardot, casada com o diretor de teatro Louis Viardot; mais tarde, mudou-se para a casa dos Viardot em Paris. Durante sua permanência na França, tornou-se amigo de escritores como Flaubert e Zola.

Entre diversas obras, publicou Pais e Filhos, romance considerado hoje um dos clássicos da literatura mundial. Nele, o autor apresenta o personagem Bazárov, que se define um niilista, ou seja, aquele que não crê em nada, que se recusa a seguir regras e a reconhecer autoridades. Abalado pela polêmica que a obra suscitou na Rússia – acusada de incitar o niilismo -, o autor se estabeleceu definitivamente na França.

Consagrado como um dos maiores escritores russos, ao lado de Dostoiévski e Tolstói, e autor de vasta obra que inclui teatro, poesia, contos e romances, Ivan Turguêniev faleceu na cidade de Bougival, próxima a Paris, em 1883.

Posts Relacionados
%d blogueiros gostam disto: