Quinta, 21 De Fevereiro De 2019

LOJA QUINTA CAPA

Tomi Adeyemi: “Precisamos de um livro de fantasia de garotas negras”

A autora de Children of Blood and Bone (ainda sem tradução para o português) diz que seu romance de estréia foi uma resposta à ficção de gênero em que os personagens eram sempre brancos.

[Autoria: Sarah Hughes.]

[Tradução: Dani Marques, idealizadora do zine “Desembucha, mulher!.]

Ele tem sido considerado o maio romance de fantasia de 2018, atraindo comparações com Game of Thrones , a Pantera Negra e já rendeu um de filme avaliado em sete dígitos.

Mas Tomi Adeyemi, a autora nigeriana-americana de 24 anos de idade de Children of Blood and Bone, diz que tal sucesso foi a última coisa na mente dela, quando ela se sentou para escrever sua história épica de um mundo opressivo onde magia tem sido banida.

“Nos últimos 10 meses, passei muito tempo pensando, isso é real?”, Ela diz. “Eu tinha muitas razões diferentes para escrever o livro, mas no seu íntimo estava o desejo de escrever para as adolescentes negras que estavam lendo e não se viam nesses livros. Essa foi a minha experiência quando criança. Children of Blood and Bone é uma chance de resolver isso. Para dizer que você é visto “.

Adeyemi é a filha do meio — seu irmão é músico, e sua irmã mais nova ainda está na faculdade. Seu pai é um médico, enquanto sua mãe dirige um hospital psiquiátrico fora de Chicago. Ela estudou literatura inglesa em Harvard antes de se dirigir para o Brasil com uma bolsa para estudar cultura e mitologia do oeste da África. Foi na América do Sul que as sementes de Children of Blood and Bone , a primeira de uma trilogia, foram semeadas.

“Eu estava em uma loja de presentes lá e os deuses e deusas africanas foram retratados de uma maneira tão bela e sagrada … realmente me fez pensar sobre todas as belas imagens que nunca vemos com pessoas negras”.

Ela descreve a história — que mostraa filha do pescador, Zélie, e uma improvável banda de aliados e inimigos em busca de uma mágica real no país de Orïsha — como “uma alegoria pela experiência negra moderna”. Ela inspira-se tanto na mitologia do oeste da África quanto no movimento Black Lives Matter .

“Todo momento de violência no livro baseia-se em imagens reais”, diz ela, explicando que uma cena inicial na qual Zélie é atacada por um guarda foi inspirada pelo notório vídeo de um policial que empurra uma adolescente para o chão em um festa na piscina no Texas. “A minha intenção não é gratuita, mas quero que as pessoas estejam conscientes de que essas coisas estão acontecendo e que os vídeos reais são muito piores”.

Adeyemi não é a única autora jovem que usa a fantasia para fundir histórias pessoais com temas políticos. Justine Ireland, em Dread Nation , conta uma história alternativa de guerra civil dos EUA com zumbis adicionais, será publicada nos EUA no próximo mês. The Belles de Dhonielle Clayton , uma história sombria, com obsessão e magia, saiu no Reino Unido em fevereiro.

Enquanto isso, a conclusão da aclamada trilogia Shadowshaper , de Daniel José Older , que segue um grupo diversificado de adolescentes do Brooklyn enquanto lutam contra forças escuras, tanto mágicas quanto humanas, é esperada no próximo ano.

“No meu mundo perfeito, teríamos um livro de fantasia de garotas negras todos os meses”, diz Adeyemi. “Nós precisamos deles, e também precisamos de histórias de fantasia sobre garotos negros”.

Ela sente que Children of Blood and Bone é uma correção necessária, dado o quão branca é a fantasia atual? “Oh, sim”, ela diz com uma risada. “Isso faz com que meu sangue ferva — a idéia de que é totalmente bom ter uma rainha dos dragões, mas você não pode ter uma pessoa negra.

“É por isso que o sucesso do filme recente da Marvel, Pantera Negra tem sido tão significativo — o público negro e marginalizado tem a chance de se ver como heróis retratados de forma linda e capacitadora, e os espectadores brancos vêem novas histórias contadas, e torna-se mais fácil para eles imaginarem um super-herói preto. A imaginação é uma coisa engraçada — às vezes precisamos ver algo antes de podermos representá-lo verdadeiramente”.

É claro que a versão cinematográfica de Children of Blood and Bone, que foi escolhido como um livro de Waterstones do mês de março, deve ter um diretor negro: “é uma coisa profundamente pessoal — existem partes do livro que as pessoas negras instantaneamente irão identificar seu modo de vida”. Mas, ela avisa, é importante que as pessoas não usem a ficção adulta jovem como uma cura rápida.

“Não é porque tivemos Obama, como um presidente negro, que de repente racismo é curado, oito anos mais tarde nazistas estão marchando e as pessoas começam dizendo:”Talvez nós temos um problema de raça”,” ela diz. “Nossos livros não estão lá para consertar magicamente a publicação, mas talvez eles vão começar as mudanças movendo-se para que em seis meses nós tenhamos ainda mais grandes histórias, onde nos veremos e seremos ouvidos.”

[*] Artigo publicado em THE GUARDIAN (10/03/2018): Link

[**] Todos os textos traduzidos possuem conteúdo meramente didático e não lucrativo. Para citações deve-se recorrer ao original.

Fonte: Mendium

Quem é PikachuSama

Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.

 

  

Posts Relacionados
%d blogueiros gostam disto: