Não deixe de conferir nosso Podcast!

10 filmes incríveis que você nunca mais assistirá (e por quê)

Tem filme que é preciso assistir apenas uma vez.
Filmes que se assistem apenas uma vez
Reprodução

Nem todo filme merece ser assistido novamente, conheça quais são aqueles que é melhor deixar para lá.

A capacidade de retransmissão é para o cinema o que o reconhecimento de uma marca é para as empresas de tecnologia: é como uma assinatura de confiabilidade e qualidade que garante um público cativo que consumirá aquele produto/marca praticamente pelo o resto da vida. Então, é claro, os cineastas procuram fazer seus filmes para que eles sejam revistos tantas vezes possível por alguém.

Porém, isso não significa que cada grande – no sentido de ele ter sido marcante – filme é algo que você gostaria de voltar a experimentar tudo que sentiu quando o assistiu pela primeira vez. Porque nem toda história contada é necessariamente aquela que você deseja ver, ouvir e sentir de novo e algumas foram tão dolorosas e impactantes que que você mal quer lembrar delas, quanto mais vê-las novamente.

Mãe! (2017)

 

Darren Aronofsky parece estar bebendo da mesma xícara de café que Lars Von Trier. Bem a proposta final desses diretores é serem provocantes com seus filmes, mas será que apenas buscar isso é a melhor forma de contar uma história? Os dois tem um grande número de fãs, mas eu não me incluo nesse seleto grupo de humanos.

Mãe! Poderia facilmente estar numa lista de melhores filmes da década, dado seu alvo sobre religião organizada, sua violência fetichista e histérica, escrito por uma lógica ocasionalmente impenetrável. O filme é bem feito, profundo e impactante – e os críticos adoraram – mas não é, de forma alguma, agradável.

Na verdade, é exatamente o oposto, e esse é o ponto principal. Mas por que você se sujeitaria a esse tipo de ataque sensorial novamente? Essa pergunta ninguém consegue responder.

No Brasil disponível apenas no Youtube se pagar R$ 4,99.

O Menino do Pijama Listrado (2008)

 

Não faz sentido negar que O Menino do Pijama Listrado é eficaz em sua narrativa tortuosa para fazer você ter a menor sensação da enormidade dos horrores do Holocausto. É um filme que pouca gente gosta de assistir novamente.

Parte do problema da história, que adapta o livro com o mesmo título de John Boyne sobre dois meninos de 8 anos de cada lado do arame farpado de um campo de extermínio, é que quando você a assiste pela segunda vez, ela perde o impacto. E só perde o impacto porque é profundamente, terrivelmente traumático.

Você é levado a sentir um leve lampejo de esperança de que o jovem Shmuel saia daquele horror e ele com Bruno possam recuperar suas vidas “normais”, mas então o final real drena cada grama de sua positividade, já que os dois meninos acabam mortos. E não é apenas triste, mas convida você a apenas sentir algum triunfo vago e perverso no fato de que o pai de Bruno, um dos comandantes do campo, paga por sua desumanidade quase irreverente com a vida de seu filho – e o sentimento que é terrível em si mesmo.

Esse filme dilacera a alma de qualquer pessoa com coração bom.

No Brasil disponível apenas no Youtube se pagar R$ 4,99.

Dunkirk (2017)

 

Como uma obra-prima cinematográfica que transmite a narrativa emocional de um momento histórico (sem necessariamente se ater muito aos fatos da história), Dunkirk de Christopher Nolan é incomparável.

É uma conquista em termos visuais, de escala e – particularmente – de som. É um filme impecável quando se fala de categorias técnicas. Mas, para esse fim, também é quase totalmente vazio em qualquer quesito sentimental.

E também há o fato de que na verdade ele perde um pouco de seu impacto visual quando é assistido na nossa TV.

No Brasil disponível apenas no Youtube se pagar R$ 4,99.

A Paixão de Cristo (2004)

 

Quer você queira chamá-lo de um filme religioso ou uma narrativa vital refletindo sobre a condição humana usando o artificio de doutrinação, A Paixão de Cristo é filme profundo e bem feito até hoje.

Parece incrível, às vezes, o desempenho de Jim Caviezel como Jesus Cristo,  é de impressionante (especialmente porque ele raramente foi tão cativante) e conta uma história convincente. Mas o filme foi escrito, produzido e dirigido por Mel Gibson para fazer você sentir algo muito particular: culpa.

Há algo de desagradável ali e é perversamente cheio de violência. Ele não mostra isso para o telespectador, é você que precisa entender isso enquanto assiste o filme. O problema, porém, é que é intencionalmente excruciante e depois de um tempo, torna-se muito cansativo. Particularmente quando  está tentando lembrá-lo de que VOCÊ fez e faria isso com Jesus hoje.

Namorada Para Sempre (2010)

De um filme excruciante para outro completamente triste.

Blue Valentine, o nome original do filme, é uma narrativa totalmente fascinante de romance  envolto em uma história de destruição catastrófica sobre relacionamentos. O texto é bem legal, mostra Dean Pereira (Ryan Gosling) e Cindy Heller (Michelle Williams) se distanciando enquanto explica como eles se uniram.

Graças à intensa química entre Williams e Gosling e suas performances, você sente cada centelha de magia e cada golpe devastador. E no final, enquanto você observa Dean ir embora, quebrado, o impacto emocional que isso causa em você não é algo que gostaria de reviver. Se não assistiu e gosta de sofrer, assista.

No Brasil disponível no Prime Video.

O Operário (2004)

 

O Operário está indiscutivelmente condenado a ser lembrado apenas pela intensidade do desempenho de Christian Bale em atuar nele. Ele fez uma dieta infame por quatro meses, perdendo um terço de seu peso corporal por comer apenas uma maçã por dia com um pouco de água, um café e ocasionalmente um uísque.

O resultado foi exatamente o que você esperaria de alguém que comeu menos de 100 calorias por dia: ele parecia dolorosamente esquelético e perigosamente perto da morte. Não há como negar que foi feito para um desempenho incrível, mas é incrivelmente difícil de assistir porque esse custo corporal não é algo que você pode fingir.

A intenção do filme é capturar um estado psicológico traumatizado/traumático e ele faz isso tão bem que ninguém em sã consciência iria querer assisti-lo novamente.

Disponível no Brasil pelo Prime Video.

Manchester à Beira-Mar (2016)

 

Demorei para assistir, mas Manchester à Beira-mar é um filme profundamente comovente e terrivelmente traumático, sem nunca mergulhar em águas provocantes e emocionalmente lúgubres por causa do impacto. Simplesmente transmite uma história triste sobre personagens problemáticos de tal forma que penetra em seus ossos e os quebra por dentro.

É essencialmente uma história de como uma ferida que seria difícil o suficiente de suportar – a morte de um membro da família muito jovem e o fato de seu filho ficar órfão –  as lágrimas da perda abrem feridas mais antigas do irmão acusado de ser o guardião de seu sobrinho.

E apesar desse tipo de configuração geralmente levando a uma revelação e a um final feliz, Manchester à Beira-Mar apenas aumenta a miséria até que Casey Affleck percebe que ele não pode ter sua epifania. É final triste e vazio.

No Brasil pode assisti-lo pelo Youtube pagando alguns reais.

Precisamos Falar Sobre o Kevin (2011)

 

Como muitos dos filmes explorados aqui, a adaptação de Lynne Ramsay de We Need To Talk About Kevin é mais eficaz por causa da força das performances que o mantêm unido.

John C Reilly é muito bom sem nada vistoso e Tilda Swinton é incrível, mas são as performances de Jasper Newell e – ainda mais – Ezra Miller como Kevin Khatadourian – um garoto que cometeu um massacre na escola – que são mais profundas. Ambas as crianças são como punhais em seu cérebro, terrivelmente desequilibradas, sádicas e quase satânicas.

E então, quando nos é contada a história do que aconteceu naquele dia e nos é mostrada a tragédia adicional do que Kevin fez (assassinando seu pai e irmã mais nova), é quase demais para suportar. Assistir novamente é quase como ser cúmplice do sadismo.

Esse filme complexo de assistir novamente está disponível no Prime Video.

Voo United 93 (2006)

 

A história das atrocidades terroristas de 11 de setembro sempre inspira Hollywood, porque a arte é a forma mais profunda de entender a história. Ou como nos envolvemos novamente com ele para torná-lo acessível, mas essas histórias eram tão profundamente traumáticas e tão próximas  que encontrar o equilíbrio certo também sempre foi um desafio.

A assombrosa e comovente elegia de Paul Greengrass aos passageiros do vôo 93 da United Airlines consegue a façanha e é amplamente sem precedentes. O filme parece uma espécie de funeral de vigília porque a história não tem esperança e não há barreira protetora entre seu início e sua horrível tragédia. Você entra preparado e isso o torce por dentro.

Embora seja uma história importante para contar, parece muito pessoal e assistir novamente seria perverso e emocional. Portanto, é mais como uma exibição de um museu assombrado na beira de uma estrada.

Também disponível no Youtube se pagar alguns reais.

O Regresso (2015)

 

Há muitas piadas sobre como Leonardo DiCaprio literalmente teve que passar pelo Inferno para que a Academia finalmente reconhecesse seu brilho com um pedaço de metal brilhante. E essa conquista performativa é precisamente porque  O Regresso (The Revenant) é fundamentalmente uma experiência única.

Descolorado pelo sol frio, sufocado em lama, sangue e praticamente fedendo na tela, o conto tórrido de Alejandro Iñárritu sobre a experiência de quase morte e quase-urso do homem da fronteira Hugh Glass em 1823 é a própria definição de uma provação.

Você assiste, paralisado, como DiCaprio arrasta seu corpo pelos horrores mais inimagináveis, repetidamente até um final “feliz” envolvendo um ferimento profundo e a informação de que o verdadeiro Hugh Glass foi morto pela mesma tribo que o poupou no filme 10 anos depois .

Se você quiser assistir tudo de novo, provavelmente há algo de errado com você.

Disponível por alguns reais no Youtube.

Fonte

Saiba mais.

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.