Não deixe de conferir nosso Podcast!

Crítica | Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa

Crítica sem spoiler de Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa. O melhor filme da história do Universo Cinematográfico da Marvel.
Home-Aranha
Marvel Studios/Disney

Crítica sem spoiler de Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa. O melhor filme da história do Universo Cinematográfico da Marvel.

 

Se você gosta incondicionalmente de filmes de super-heróis e instintivamente entra em “hypes” enquanto o Homem-Aranha lança teias pelos prédios de Nova York, não há como não se apaixonar e emocionar com seu novo filme no cinema, Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa de Jon Watts. O filme é tão cheio de ação e emocionalmente envolvente que nunca perde o que o fez funcionar.

No entanto, mesmo que sua familiaridade com o universo do lançador de teias e suas aventuras seja apenas casual, Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa, com roteiro de Chris McKenna e Erik Sommers, é uma experiência saborosa. Assistir ao lado de pessoas fãs do Teioso será uma das maiores experiências de sua vida.

Humor, coração, história e peso são combinados harmoniosamente para conduzir o filme em direção ao objetivo que estabeleceu para si mesmo: ser o filme de super-herói mais completo e divertido do Universo Cinematográfico da Marvel. Claro que ele vai chegar em casa, mas terá muito esforço em todo esse processo. Tem duas sequências pós-crédito que prometem mais incursões no multiverso que só atiçou os fãs.

Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa começa onde Homem-Aranha: Longe de Casa terminou. O escudo do anonimato em torno das aventuras de Peter Parker (Tom Holland) é arrancado. Ele é culpado pela morte de Mysterio. O mundo inteiro agora sabe quem é o Homem-Aranha.

Com a identidade secreta do Homem-Aranha revelada, a cidade de Nova York e o mundo, estimulados por noticiários do canal sensacionalista de J. Jonah Jameson, ficam animados e a população fica nitidamente dividida entre quem o apoia ou virará hater. As pessoas mais próximas de Peter – sua tia May (Marisa Tomei),  namorada MJ (Zendaya) e melhor amigo Ned (Jack Batalon) – são as mais afetadas pela virada desses acontecimentos. 

Em desespero, Peter pede ao Dr. Stephen Strange (Benedict Cumberbatch), para lançar um feitiço que fará as pessoas esquecerem os antecedentes do Homem-Aranha. O Dr. Estranho concorda em ajudá-lo, mas o plano deles não sai do jeito que deveria. O feitiço que visa restaurar o ‘segredo’ do Homem-Aranha, abre o multiverso, trazendo cinco supervilões de volta para o universo presente de todos os outros universos em que o Homem-Aranha lutou e os derrotou.

Não se trata apenas de um garoto de 17 anos que espera ser aceito na faculdade dos seus sonhos junto com seus dois melhores amigos. É mais importante e profundo, é sobre uma criança aprendendo da maneira mais difícil a assumir a responsabilidade de ser um defensor de tudo o que é bom neste mundo. Ele lida com angústia e confusão enquanto a revelação de sua identidade causa estragos ao seu redor. Mas mesmo com suas opções se esgotando rapidamente, Peter deve continuar a lutar pelo que ele representa, precisa seguir em frente.

As explosões, sequências de ação movidas a efeitos visuais de cair o queixo são pontuadas por momentos reflexivos que são utilizados para o desenvolvimento dos personagens, de modo que cada um deles tenha uma sensação sobre sua própria realidade Tia May, referindo-se a um dos cientistas de outro universo que se perdeu no dela, diz: “Ele está perdido, mas não no cosmos, mas em sua cabeça”. Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa explora as noções de multiverso e realidades alternativas, aproveitando todos os voos da fantasia que o exercício mental acarreta. Felizmente, o filme nunca perde o contato com sua alma. Desculpa o palavrão, mas isso é foda demais, meus consagrados e consagradas.

Perda, tristeza, memórias apagadas, lembranças e o propósito do heroísmo – uma missão moral oposta à busca pelo poder – são bem valorizados e utilizados do primeiro até o último segundo do filme sem diminuir seu ritmo. O Homem-Aranha está determinado a dar aos antagonistas uma segunda chance de libertação, enquanto o Dr. Estranho defende que eles sejam mandados de volta de onde vieram e tenham permissão para encontrar seus destinos. Peter quer curá-los antes de enviá-los de volta aos seus respectivos universos. O muleque é puro altruísmo.

O senso de altruísmo arraigado do jovem Peter – seu tio moribundo Ben Parker afirmou em um filme anterior, “com grandes poderes vem uma grandes responsabilidades”, uma linha repetida neste filme em circunstâncias igualmente trágicas – torna-se sua ruína e como Norman Osborn / Duende Verde ( Willem Dafoe, reprisando o papel na trilogia Homem-Aranha de Sam Raimi) tira vantagem disso. Ele se volta contra o super-herói e impede sua tentativa de ajudar os outros vilões a se livrarem de seus históricos malignos.

Os filmes de super-heróis da Marvel recentemente viram Peter se afastar de suas origens. A trilogia com Tom Holland retorna aos princípios que o tornaram um cruzado contra o mal em primeiro lugar . Essa jornada para “CASA” é repleta de eventos que tornam o filme de duas horas e meia consistentemente estimulante.

Benedict Cumberbatch e Willem Dafoe frequentemente ameaçam assumir o protagonismo no filme e deixar Tom que interpreta o protagonista um pouco na sombra. É um crédito de Tom Holland que ele se manteve firme com uma intenção inabalável, articulando a turbulência interna de um adolescente comum dotado de um dom, mas confrontado com a perspectiva de ter tudo destruído. Zendaya por outro lado, brinca na cena, tenho certeza que ela decorou suas falas meia hora antes de gravar. É a atriz de sua geração.

O filme traz uma sequência constante de surpresas (a menos das quais pertence ao próprio personagem de Peter Parker) que só será consideravelmente atenuada se divulgada em uma crítica com spoiler. Basta dizer que Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa é um passeio incrível por uma rodovia pontilhada de maravilhas e pontos de referência, tanto esperados quanto inesperados. É INACREDITÁVEL! Mas você precisa ir assistir.

O fantástico e o engraçado, o selvagem e o espirituoso, o nostálgico (chorei litros e litros) e o novo se misturam felizmente bem em Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa para entregar um filme que é um blockbuster absoluto.

Eu consegui escrever sem spoiler, gostou? =)

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.