Não deixe de conferir nosso Podcast!

Crítica | Shazam! É pura magia dos quadrinhos!

Shazam! Capa do filme com Jack Dylan Grazer e Zachary Levi (DC Comics/Warner Bros. Pictures)

O mais recente filme da DC oferece uma história sincera de super-herói que é muito mais do que uma aventura infantil.

Shazam (que já foi chamado de Capitão Marvel) é um dos super-heróis mais antigos que existem. Surgiu menos de dois anos após a estreia do Superman em Action Comics # 1, Shazam já era uma história pura do sonho de alguém ser super-herói – principalmente, uma criança em uma capa que é realmente parece uma toalha. Tudo começa com um órfão de bom coração, Billy Batson, que diz uma palavra mágica e se torna um adulto invulnerável e herói mais poderoso da Terra. Ele recebe esse poder de um mago que vive em uma caverna chegando lá dentro de um vagão de metrô mágico. Esse enredo sobrevive quase 80 anos intactas. E se você quer saber mais sobre ele, leia nosso especial sobre o Shazam!

Os trailers que saíram do Shazam! Não revelaram muito mais do que essa história de origem, deixando muitos – acho razoavelmente – confusos com o enredo e como seria o tom do filme. Mas sobre isso, dou minha garantia que Shazam! É uma produção que precisa ser vista por todas as idades. Shazam nos trouxe uma adaptação de uma história em quadrinhos que todos estavam esperando e isso foi muito merecido.

David F. Sandberg, um diretor de gênero de terror (Lights Out e Annabelle: Creation) oferece uma fantasia completa e alegre que não desperdiça um momento em se sentir autoconsciente. Os roteiristas Henry Gayden e Darren Lemke fazem todo o trabalho para mostrar uma versão moderna de Billy no coração do espectador.

“Shazam!”, Zachary Levi (Shazam) e Asher Angel (Billy Batson). (Warner Bros. Pictures)

Esta versão de Billy Batson (interpretada por Asher Angel) segue a mesma origem dos quadrinhos do Shazam dos novos 52: um garoto órfão rebelde que passou por diversas casas adotivas, ignorando qualquer tentativa de construir uma nova família enquanto procura por sua mãe. Os últimos guardiões que tentam adotar o criminoso mirim Billy são Victor e Rosa Vasquez (Cooper Andrews e Marta Milans), que já criaram uma família de outros cinco filhos adotivos: Mary (Grace Fulton), Eugene (Ian Chen), Darla (Faithe Herman) e Freddy Freeman (Jack Dylan Grazer).

Esses personagens – a maioria dos quais são extraídos dos roteiros do produtor e quase dono da DC Films, Geoff Johns, e do gibi Shazam (2011) de Gary Frank – Acaba sendo um deleite inesperado, instantaneamente encantador e quase nunca enjoativo. A irmã mais nova, Darla, em particular, rouba todas as cenas que aparece, e o relacionamento de Freddy e Billy formam uma das espinhas dorsais do filme. Essa conexão também permite que Sandberg mostre claramente quais são suas sequências favoritas, aquelas em que Freddy e Billy exploram a natureza dos poderes de Billy e o começo de seu “trabalho de super-herói” como Shazam.

E se você conhece um pouco sobre o Shazam, sabe que ele tem muitos poderes, desde força, voo, invulnerabilidade, supervelocidade e a habilidade de disparar relâmpagos e raios de suas mãos. Freddy, o melhor especialista sobre super-herói que existe, guia Billy através da descoberta de seus poderes através de acidentes e experiências, enquanto filma tudo para o seu popular canal no YouTube.

Enquanto está na forma de um adulto que usa uma fantasia vermelha, meio encapuçado – que nunca é explicitamente dado um nome de super-herói para ele – Billy é interpretado por Zachary Levi, um papel que a ex-estrela de Chuck faz sem problemas, a coisa fica até orgânica. É o caso raro em que um traje que é literalmente o mesmo dos quadrinhos não fica cafona ou cartunesco num personagem de quadrinhos no cinema, na verdade, faz é melhorar tudo. Além disso, Acrescente a fisicalidade facial frenética de Levi e as transições fáceis da confiança para o pânico, e a ilusão está completa: um adulto não agindo no papel de criança, mas uma criança presa no corpo de um adulto. A maioria das pessoas que estão assistindo o Shazam! estão fazendo uma comparação com o filme Quero Ser Gente Grande (Big, 1989) com TomHanks – o filme faz até uma homenagem ao sucesso dos anos 80, mas quando pensar sobre isso, sempre lembre dessas palavras: pense mais numa Helena Bonham Carter fingindo ser Emma Watson fingindo ser Hermione fingindo ser Helena Bonham Carter fingindo ser Bellatrix Lestrange, e depois multiplique isso num filme de duas horas.

No momento em que o vilão do Billy e Shazam! Dr. Thaddeus Sivana (Mark Strong), realmente se conhecem, o filme dá uma quebra de ritmo, eu posso até dividir ele duas partes a partir dessa cena. Ficamos tão imergidos com Billy e Freddy construindo os conceitos e poderes de como é um super-herói e o desenvolvimento com seus irmãos que o personagem de Sivana é deixado de lado. Ele foi negado o poder ser o novo campeão do mago Shazam no passado, então não fica feliz com o Billy que acha que tem o direito roubar os novos poderes do garoto.

Mas é uma divisão necessária, mesmo sendo uma baixa no filme e talvez tirando a atenção do público, pois é uma recompensa emocional de Shazam! O ponto em que Billy realmente se torna um super-herói, e não apenas uma criança capaz de disparar relâmpagos de suas mãos, é quando o adolescente trombadinha percebe que tem algo que vale a pena salvar: uma família. Sim, é uma tema simples, mas isso não importa, pois estamos diante de uma fantasia de grande coração que se orgulha da mensagem que está passando.

As coisas também podem ficar estranhas quando um Silvana poderoso arrasta uma criança pelo pescoço para o céu, apesar de minha filha poder assistir esse filme (ela tem apenas quatro anos), algumas cenas podem soar pesadas. Pode até assustar com o Sete Pecados Capitais, pois os bichos são feios mesmo, mas sua cria pode lidar com isso e faça um favor, leve seus pequenos para assistirem este filme!

Shazam! abraça o absurdo usando todos os elementos na história de origem de Billy Batson – passeios de metrô; magos; uma mistura de figuras do cristianismo, judaísmo e mitologia grega; um herói que usa uma capa estranha – e consegue nunca passar um momento agindo como se alguém os considerasse absurdos. Eu diria que esses elementos que são normais num gibi e que poderia parecer estranhos numa tela de cinema ainda mais convincente do que Aquaman, apesar do fato de Shazam! tem que justapor seus elementos fantásticos com a cidade da Filadélfia.

E falando do resto dos filmes da DC Comics, eles não são um pré-requisito para o Shazam! Em vez de manter as referências apenas em linhas de diálogos, Gayden e Lemke criaram um mundo nos quais seus personagens estão plenamente cientes das sombras em que se encontram. Os incríveis assuntos e conhecimentos que Freddy sabe do folclore de super-heróis fazem parte do motivo pelo qual ele pede que Billy seja um herói, e o entendimento mais superficial de Billy significa que ele tem algumas lições para aprender sobre não ser um cara poderoso e idiota. Quase as mais óbvias convenções do universo interconectado em Shazam! são a inclusão de duas cenas de pós-créditos, que provam que Sandberg tem um mundo maior para construir, já que este filme acontece a completamente no centro da cidade.

Estamos na era dos filmes de heróis. Ao contrário de muitos de seus contemporâneos, este filme tem um trecho final que mistura humor, ritmo, raízes e verdadeira alegria que me fez sorrir como se nunca fosse parar. Sim, Shazam! é o santo graal das adaptações de super-heróis quando se trata de um clímax engajado, emocionante e emocionante.

A cena final da escola fez eu ficar sem respirar por alguns minutos que perdi a incrível animação dos créditos finais. E acho que a moça que estava do meu lado me viu chorando nessa hora rs

Steve Wilkie/Warner Bros. Pictures

Veredito

Shazam! É um filme fiel aos quadrinhos, talvez o mais fiel da história dessa indústria, mas vai além disso. O filme faz bem danado para o coração da gente que cresceu lendo quadrinhos ou amando o mundo fantástico e Billy Batson é o irmão mais velho que todo garoto que ama super-heróis precisa. O filme é cheio de referências da cultura pop, do mundo da DC, cara, é animal! Recomendo. Leve sua família.

Leia também: As Origens Do Shazam

Parte I Parte II
Parte III Parte IV

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.