Não deixe de conferir nosso Podcast!

Lista | Tudo que precisa saber sobre o Mago Gandalf

Gandalf
Reprodução

Conheça a trajetória do personagem mais querido do Universo Fantástico de J.R.R. Tolkien, o Mago Gandalf!

O Amazon Prime Video divulgou finalmente a data de estreia da série de O Senhor dos Anéis, que ainda não tem título oficial até o momento. Infelizmente, ainda vai demorar um bocado para que os fãs tenham acesso aos episódios já que eles só vão entrar para o catálogo do serviço de streaming em 2022, com lançamentos semanais.

Como sabem, estou fazendo especiais sobre O Senhor dos Anéis, passei um tempo enorme sem editar mais uma lista, mas estou de volta e espero que gostem.

Como já dito, falado, escrito, desenhando, visto, assistido, O Senhor dos Anéis de J.R.R.Tolkien, é uma história épica sobre diferentes e incríveis personagens. Hobbits, anões, elfos e homens, todos figuram com destaque nesta grande obra literária, no cinema e agora também na tela de seu celular ou aparelho de TV. 

Entre todos, há um personagem na história que se destaca (especialmente quando você leva em consideração seu chapéu alto e pontudo). Estamos falando, é claro, sobre Gandalf. O mago é único, não apenas por causa da parte fundamental que ele desempenha ao longo da história da Terra-Média, mas também porque, bem, ele é um mago.

Eu sei que o Gandalf não aparecerá na série da Amazon Prime Video. Não faz qualquer sentido acontecer isso, mas quando retornei meus textos, revisões, traduções e edições sobre O Senhor dos Anéis, Gandalf sempre foi o personagem que gostaria muito de falar. 

Para iniciar, tenha em mente uma coisa: Magos no mundo de Tolkien não são treinados em Hogwarts. Nem consistem em várias pessoas de diferentes raças simplesmente “praticando magia”. O conceito de um mago na Terra-Média é tão único no mundo de fantasia quanto o próprio Gandalf é em O Senhor dos Anéis. Então vamos do começo, lá da primeira até onde eu consegui montar a lista.

O Começo de Tudo (Primeira Era)

Gandalf
Gandalf na sua versão Maia Olórin (Arte de Rodrigo Fernandes)

Antes de qualquer coisa, Gandalf primeiro precisou existir, certo? E ele é tão antigo quanto a própria vida. Nasceu nos início dos tempos, como uma entidade espiritual, criada pelo ser supremo de Tolkien, Ilúvatar. Após a criação de Arda (isto é, o mundo como um todo), ele passa a viver nele junto com uma série de outros seres celestiais da mesma raça, chamados Ainur, milhares e milhares de anos antes de O Senhor dos Anéis ocorrer.

Durante esse período de “juventude”, ele se chamava Olórin e morava nas terras a oeste da Terra-média, Valinor. Passando boa parte de seu tempo nessa terra celestial repleta de jardins, lagos e rios. Esse lugar, que também se chamava Lorien, era a casa da Vala Nienna, ela fazia parte do Panteão dos Ainuir, mais conhecida por sua associação com a dor e a tristeza (Luto). Foi por causa disso que ele compreendeu o que era paciência e piedade.

Ao longo de sua existência nas duas primeiras Eras, Gandalf sempre foi atraído pelos “Filhos de Ilúvatar” – ou seja, tanto Elfos quanto Homens – sempre disposto a ajudá-los. No entanto, ele normalmente não se revela a eles em sua forma verdadeira, preferindo se comunicar com os “Filhos” por meio de visões – daí a origem de seu nome Olórin, que segundo Tolkien, seria uma tradução antiga para “Fantasia” ou “Sonho”.

Um Maiar

Os Valar recebendo os Maiar em Valinor quando desceram para Arda. (Reprodução)
Os Valar recebendo os Maiar em Valinor quando desceram para Arda. (Reprodução)

Os Ainur são a ordem mais elevada de seres na Terra-Média e estão divididos em dois grupos diferentes. Os Valar, compostos por 14 Ainur incluindo Nienna, são os reis e rainhas que governam a criação em nome de Ilúvatar.

Todos os outros Ainur fazem parte do grupo chamado Maiar. No livro Contos Inacabados – que compilou muitos dos trabalhos não publicados e inacabados de Tolkien – o autor se refere a essas criaturas como uma ordem “angelical” de seres. Não se sabe quantos Maiar existiam, mas vários deles aparecem ao longo da história da Terra-Média e são muito poderosos. Sauron, por exemplo, é provavelmente o Maia mais conhecido e poderoso. O Balrog que morava em Moria e aparece em A Sociedade do Anel, também era um Maia que foi corrompido.

No entanto, embora esses dois sejam forças do mal, houve muitos, muitos outros Maiar que lutaram pelo bem – incluindo Gandalf. Embora ele não seja tão impressionante nas primeiras Eras, digamos assim, só depois que já havia ganhado a fama de “Andarilho Cinzento” e aparecido apenas em algumas linhas escritas em O Silmarillion,  é que ganha as sábias palavras que ele era”o mais sábio dos Maiar”. Um atributo impressionante, considerando o fato de que cada um de sua raça são seres eternos e profundamente espiritualmente poderosos.

A Ordem dos Magos

Gandalf
A Ordem dos Magos (Istari) Imagem: Reprodução

Além de ser um dos mais sábios dos Maiar, Gandalf, como todos sabem, também é um mago. Mas, como dito acima, a ideia e até mesmo a terminologia de um “mago”  não é a mesma quando comparada à definição moderna da palavra em inglês. Em Contos Inacabados, Tolkien explica exatamente o que são os Magos da Terra-Média e por que eles são tão diferentes de suas contrapartes modernas.

Ele explica que “mago” é uma tradução da palavra élfica “istar”, representando uma ordem que afirma ter “conhecimento eminente da história e da natureza do mundo”. Esses feiticeiros, ou “Istari”, são diferentes dos feiticeiros e ‘fazedores’ de magia normalmente associados ao nome. Na realidade, eles são um subconjunto específico de Maiar que operou na história da Terceira Era da Terra-média.

Existem cinco magos (Istari) principais nos textos de Tolkien, referidos no livro A Duas Torres como os “Cinco Magos”, mas Contos Inacabados também explica que seu número total é realmente desconhecido e alguns muito bem podem ter visitado diferentes áreas além da porção noroeste de Terra-Média.

Mas como funcionam os Magos no mundo de Tolkien?

Istari
Reprodução

 

Agora vem a parte mais legal sobre eles.

Utilizando o próprio conceito, por assim dizer, os Istari são tecnicamente seres angelicais e sobrenaturais do glorioso oeste (Valinor). No entanto, a distinção importante que faz de um Maia um mago é o fato de que eles foram voluntariamente envolvidos na frágil mortalidade de um corpo mundano. E isso não é apenas uma aparência para que eles possam se misturar com Homens e Elfos. Seus corpos são reais. Levou uma facada no coração, adeus, mundo cruel.

Em Contos Inacabados, explica que as formas físicas que os magos assumem restringem suas habilidades e até têm o efeito de “obscurecer sua sabedoria, conhecimento e confundi-los com medos, preocupações e cansaço vindos da carne”.

Essa restrição é um efeito colateral da natureza de sua existência em primeiro lugar. Os magos foram criados e enviados para a Terra-Média especificamente para ajudar a resistir a Sauron. Por causa disso, está escrito no Silmarillion que eles foram proibidos de simplesmente dominar o Lorde das Trevas com seus próprios poderes reais, nem foram autorizados a sujeitar Homens ou Elfos para serem usados nesta guerra contra o Mal. Em outras palavras, os magos são Maiar envoltos em corpos físicos restritivos que foram enviados à Terra-Média para ajudar (não dominar) os povos a resistir ao poder crescente de Sauron.

Mensageiros enviados para a Terra-Média

Istari
Reprodução

Embora ele esteja por aí desde o início dos Tempos, acontece que só na Terceira Era é que Gandalf é convidado a assumir sua forma de mago.

De acordo com Contos Inacabados, o líder dos Valar, Manwë, escolhe pessoalmente Gandalf para se tornar o ” responsável pelo o ataque e defesa” contra o Lorde das Trevas, Sauron. No entanto, a reação inicial de Gandalf foi de resistência, ele não estava muito feliz em enfrentar o poder das trevas. Mas Manwë insiste, explicando que seu medo sábio é exatamente o motivo pelo qual ele é particularmente adequado para a tarefa.

Eventualmente, os cinco magos principais são escolhidos e eles começam a chegar na costa oeste da Terra-Média aproximadamente um milênio depois da Terceira Era. Isso coincide aproximadamente com os primeiros sussurros de Sauron começando a se estabelecer na Floresta das Trevas como o Necromante que eventualmente encontraremos na trilogia O Hobbit no cinema, já que no livro das aventuras de Bilbo e os Anões, Tolkien quase não explica bem quem era o Sauron. 

De acordo com uma versão da história em The Book of Lost Tales (ainda sem versão em Português),Gandalf é o último de todos os Istari a chegar e isso foi nada imponente. Já que ele é mais baixo que os outros,  cabelos grisalhos e apoiava-se em um cajado. Na verdade, a palavra específica usada para explicar sua aparência é que ele aparece como o “menor” dos intrépidos Maiar vestidos de mortalidade.

Humilhado do dia que chegou até o dia que foi embora, o pobre Gandalf.

Os Cinco Magos

Gandalf vs Balrog
Reprodução

 

Dos Cinco Magos, Gandalf é claramente o mais conhecido. Evidente. Dois aparecem às vezes nas histórias de O Hobbit e O Senhor dos Anéis e os  outros dois não têm parte ativa na narrativa e são pouco discutidos. Cada um desses cinco representantes dos Valar tem qualidades diferentes e, embora se conhecessem, claramente não deveriam trabalhar juntos como uma equipe o tempo todo.

O líder, o mais impressionante dos Cinco Istari é Saruman. Também chamado de Curunír (“Homem de Habilidades”; pron. [ˈkuruniːr]), ele foi o primeiro a chegar à Terra-média. Orgulhosamente vestido de branco, o que contrastava com a cor de seu cabelo preto como a noite ou um corvo, apesar que sua versão no cinema tenha os cabelos brancos.

Em seguida, temos Radagast. Vestido em marrom terra, Radagast veio para a Terra-Média por causa de seu interesse pelos animais e pássaros. Uma versão da história em Contos Inacabados também explica que Radagast foi enviado pela Vala Yavanna, para grande consternação e desdém de Saruman. Já que ele também pertencia a ordem da Rainha dos Valar.

Por último, e certamente pelo menos no que diz respeito à história, foram os Magos Azuis. Este par de Maiar, vestido com roupas azul marinho, chamava-se Alatar e Pallando e dizem que eles viajaram para a Terra-Média como amigos e ninguém soube o que aconteceu com eles depois de sua chegada.

O Fiel

Gandalf O Fiel
Reprodução

Embora a ideia de ter cinco equivalentes de Gandalf vagando pela Terra-Média pareça uma ótima maneira de lutar contra Sauron, descobriu-se que o único membro da equipe que realmente teve um efeito positivo na luta contra as trevas acabou sendo Gandalf. Tolkien se refere a ele como o único que permanece “fiel” à sua missão de fornecer ajuda ao povo livre que estava resistindo a Sauron.

O fracasso de Saruman está bem explicado em O Senhor dos Anéis e Contos Inacabados. O mago acaba se corrompendo por causa do poder, por ter sido lhe dado a função de liderança, ele tentou dominar os outros Istari e se colocar como um “inimigo mais provável” contra Sauron. Mas foi seduzido por isso e caiu. O destino de Radagast é silenciosamente trágico, enquanto o mago lentamente adquire o hábito de priorizar demais os pássaros e animais ao invés de Elfos e Homens. Seu destino não fica claramente explicado em diversas anotações que existem nos livros e cartas de Tolkien.

Os Magos Azuis há muito permanecem um fascínio para os fãs de Tolkien apenas por causa de seu mistério absoluto e completo. O próprio Tolkien falava sobre eles como se fossem um enigma que ele não tinha tempo de resolver. Diz-se que a dupla viajou para o leste com Saruman, mas nunca mais voltou. Na verdade, em uma carta em 1958, Tolkien explicou que ele não sabia o que aconteceu com eles, mas ele temia que eles tivessem falhado em sua missão e pudessem até mesmo ter fundado cultos secretos de magia antes de tudo ser dito e feito.

O Anel Vermelho

 

A primeira nota escrita sobre a aparição de Gandalf na Terra-Média tem a ver com um presente que ele recebeu ao chegar nos Portos Cinzentos (esse é o porto de onde Frodo sai no final de O Retorno do Rei). Lá, ele conhece o elfo Círdan, o Armador , o senhor élfico imediatamente vê através da aparência humilde do mago e reconhece o importante papel que Gandalf vai desempenhar na guerra contra Sauron.

Isso leva Círdan a dar a Gandalf um anel de poder para ajudá-lo em suas aventuras. O anel que Gandalf ganha se chama Narya, o Vermelho, um dos três anéis élficos. O poderoso anel tem como objetivo ajudar Gandalf em seu trabalho e despertar coragem nos corações daqueles que ele ajuda.

Na batalha contra o Balrog de Moria na Sociedade do Anel, Gandalf fala no video acima:

“Sou um servo do Fogo Secreto, que controla a chama de Anor. Você não pode passar. O fogo negro não vai lhe ajudar em nada, chama de Udún. Volte para a Sombra!”

Ele estava usando os poderes do Anel Narya.

Enquanto Gandalf aceita o presente, ele tenta mantê-lo em segredo. No entanto, Saruman descobre e fica com ciúmes do tratamento preferencial. Na verdade, de acordo com Tolkien, esta é a primeira coisa que começa a estragar a amizade entre os dois magos.

Aquele que anda solitário

Gandalf
Reprodução

Quando os Cinco Istari chegam à Terra-Média, os eventos de O Hobbit e O Senhor dos Anéis ainda estão a cerca de 2.000 anos no futuro. Portanto, uma grande questão a ser feita é o que Gandalf faz para matar o tempo. Seu nome raramente aparece durante os principais eventos geopolíticos da época, e ele parece ter praticamente sumido do mapa por longos períodos.

Felizmente, Tolkien nos dá uma pequena dica sobre isso em Contos Inacabados quando diz: “Provavelmente ele vagou por muito tempo (em vários disfarces), engajado não em ações e eventos, mas em explorar os corações de Elfos e Homens que foram e podem ainda devem se opor a Sauron. “

Em outras palavras, ele passa muito tempo vagando por todas as Terras Ocidentais da Terra-Média, geralmente se escondendo, fazendo amigos e aumentando sua compreensão da configuração do terreno. Ele também não se acalmou durante este período de peregrinação – lembre-se, ele é conhecido como o “Andarilho Cinzento” ou o “Peregrino Cinzento”. Isso contrasta fortemente com seus companheiros  Istari, já que Radagast eventualmente se estabelece em Rhosgobel, na orla da Floresta das Trevas, e Saruman fica famoso em Isengard.

Vários Nomes

Gandalf
Reprodução/Warner Bros./MGM

Com tantos séculos de peregrinação em seu currículo, é natural que Gandalf adquirisse uma longa coleção de nomes. Tolkien, mais uma vez, nos obriga por meio de múltiplas fontes, especialmente em Contos Inacabados, fornecendo várias delas, frequentemente junto com suas origens e significados. O nome Gandalf significa “o Elfo de Bengala”, já que os Homens pensavam que ele era um Elfo. O próprio Tolkien admitiu que ele tirou isso diretamente da mitologia nórdica.

Além disso, o Mago Errante também revela em As Duas Torres que “muitos são meus nomes em muitos lugares”. Os Elfos também o chamam de Mithrandir, que significa “o Peregrino Cinzento”. Somando-se à lista de apelidos, os Anões o chamam de Tharkûn, que se traduz como “Homem-Cajado”.

Ele também diz que no Sul se chama Incánus. No entanto, o próprio Tolkien parecia não ter certeza sobre como explicar este último nome. Em uma nota, ele diz que vem da língua Haradrim e significa “alienígena” ou “espião do Norte”. No entanto, em notas posteriores, ele afirmou que era apenas um nome comum para o Peregrino Cinzento em Gondor, que ficava relativamente “ao sul” em comparação aos locais que ele costumava peregrinar. Independentemente da forma como você o chame, não há dúvida de que o mago desenvolveu uma coleção impressionante de nomes ao longo de sua carreira nômade.

Ajudando os Hobbits

Gandalf e Bilbo
Reprodução (Arte Daniel Pilla)

Uma outra atividade importante da qual Gandalf participou durante os séculos antes de O Senhor dos Anéis foi fazer amizade com Hobbits. Entre todos os sábios, Gandalf é o único que vê o valor dos Pequenos, fazendo um esforço distinto para cultivar uma conexão profunda com a comunidade agrícola do Condado. Ele os ajuda quando precisam e é especificamente lembrado no apêndice de O Retorno do Rei por ajudá-los durante o desesperado Longo Inverno de 2758.

Das coisas da “carne” que Gandalf aprendeu a gostar foi fumar. E apenas os Hobbits cultivavam e produziam a folha que ele era apaixonado. 

Ele também diverte o povo do Condado sempre que possível, estabelecendo uma reputação por seus incríveis fogos de artifício, truques de mágica e excelente contador de histórias. Por outro lado, ele também recebe uma má reputação em toda aquela tranquila comunidade por convencer muitos Hobbits “rapazes e moças” quietos a correr ” em busca de aventuras”. Pelo menos, é assim que Bilbo diz quando esbarra no mago enquanto sopra anéis de fumaça pela porta da frente de sua casa, lá nas primeiras páginas do livro O Hobbit. Desnecessário dizer que, quando os grandes eventos de O Hobbit e O Senhor dos Anéis acontecem, Gandalf está firmemente estabelecido como uma lenda local dentro das comunidades Hobbit.

O Conselho Branco

 

Embora Gandalf pareça permanecer escondido a maior parte do tempo na Terra-Média, isso não significa que ele não fez nada. Mil anos após sua chegada, ele visita a fortaleza de Dol Guldur no sul da Floresta das Trevas, onde Sauron estava reconstruindo seu poder na forma de Necromante. O mago expulsa o Lorde das Trevas (embora ele ainda não saiba quem ele é), levando ao longo período de séculos da Paz Vigilante.

Esta cena foi modificada no filme “O Hobbit”, mas as coisas aconteceram mais ou menos como visto na belíssima cena acima.

Ele também serve como membro do Conselho dos Sábios, também conhecido como Conselho Branco, que é composto por Saruman, Galadriel, Elrond e Círdan, entre outros. 

Gandalf é considerado o líder do Conselho, mas como não fica parado por muito tempo em qualquer lugar, ele dá essa posição ao seu amigo mago Saruman.

Em um momento, um pouco mais tarde, Gandalf sai em busca do desaparecido rei Anão Thráin II. Em sua busca, ele viaja por Moria e então revisita Dol Guldur. Lá, ele encontra o Anão – que lhe dá um mapa e uma chave para a Montanha Solitária – na prisão e finalmente descobre que o Necromante voltou e é, de fato, Sauron. Ele diz ao Conselho Branco e os convence a atacar enquanto o inimigo não está preparado. O Conselho eventualmente ataca e derrota Sauron, momento em que ele se retira para Mordor.

Um Encontro Casual

Gandalf e Thorin
Reprodução (Warner Bros./MGM)

Como alguns já devem ter notado, começamos a nos aprofundar nos eventos de O Hobbit neste ponto e o papel de Gandalf na luta contra as trevas finalmente parece que está chegando ao fim. A casualidade é que move uma boa narrativa e as coisas começam a mudar quando o Mago encontra um exilado no famoso Pônei Saltitante em Bri.  Em Contos Inacabados, fala que Gandalf cavalgando um dia a caminho do Condado, se hospeda no Pônei Saltitante.

De repente, quem ele deveria encontrar senão o próprio Thorin Escudo de Carvalho. O herói Anão estava viajando como um exilado graças ao dragão Smaug, que dominou a Montanha Solitária, a meio mundo de distância. Os dois começam a conversar e Gandalf decide ajudar Thorin na luta contra o Dragão.

Após uma discussão mais aprofundada, o mago dirige-se ao Condado enquanto pondera sobre a situação. Não muito tempo depois, ele ouve sobre o excêntrico solteirão hobbit Bilbo Bolseiro, que ele não via desde que Bolseiro era criança. Ele começa a fazer um plano, e o resto é história da Terra-Média.

Gandafl
Espero que tenham gostado! Isso dá um trabalho dos infernos!

 

Além dos livros e traduções, as minhas principais fontes foram: Looper e Tolkien Gateway

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.