Não deixe de conferir nosso Podcast!

Na Era de Ouro do sci-fi pós-apocalíptico, Expresso do Amanhã tentou, mas não convenceu

Confira nossa crítica com spoiler da primeira temporada da série de ficção científica o Expresso do Amanhã.
Expresso do Amanhã
Netflix/TNT

Resenha crítica da primeira temporada de o Expresso do Amanhã, contém spoiler.

O conflito de classe tem sido uma preocupação norteadora do cinema de ficção científica distópico e pós-apocalíptico desde o momento em que o industrialista Freder (Gustav Fröhlich) desceu às profundezas da sociedade para encontrar uma máquina que devorava seus operadores da classe trabalhadora no clássico Metropolis de Fritz Lang, em 1927.

A luta entre a elite rica e as massas exploradas há muito tempo funciona como uma tensão dramática central para o gênero, empregada repetidamente para fornecer uma vantagem crucial e relevante para visões fantasiosas do futuro. Seja a paranoia relacionada à comida de No Mundo de 2020 (Soylent Green, de Richard Fleischer), o pesadelo do consumidor de O Despertar dos Mortos (Dawn of the Dead, de George A. Romero), o terror totalitário de 1984 de Michael Radford, a crítica da era Reagan de Eles Vivem (They Live, de John Carpenter), ou seu espíritos afins – pense em tudo, desde Jogos Vorazes, The Purge até Elysium, para citar apenas alguns – os filmes sempre olhavam adiante e viam conflitos surgindo da disparidade entre aqueles que governam os meios de produção e aqueles que trabalham à sua mercê. É uma dinâmica entre Davi e Golias que, independentemente da época, nunca envelhece.

Dos muitos esforços recentes para cultivar esse solo consciente da classe, poucos fizeram tão bem quanto o Snowpiercer (Expresso do Amanhã) de 2013, a estreia de um filme com atores falando inglês do futuro vencedor do Oscar Bong Joon-Ho, com um elenco liderado por Chris Evans, Tilda Swinton, Octavia Spencer, Jamie Bell, John Hurt, Ed Harris e o protagonista favorito de Bong, Song Kang-ho. Veja o trailer abaixo:

Adaptado de um a graphic novel francesa de 1982, o filme de Bong conta a história de uma Terra congelada até o âmago, resultado de esforços fracassados ​​no combate ao aquecimento global. Em resposta a esse cataclismo apocalíptico, os últimos sobreviventes da humanidade embarcaram em um trem com o que tinha de melhor em tecnologia e que só pode se sustentar (e seus passageiros) permanecendo em movimento perpétuo ao redor do mundo em um ciclo interminável. A bordo deste navio sobre trilhos, a sociedade foi separada em diferentes classes, com os ricos e poderosos residindo nos vagões da frente e os pobres e marginalizados vivendo na miséria na cauda deste cometa da salvação.

Os sistemas de segregação não são muito mais literais do que isso, e a rebelião, organizada pelo herói relutante de Evans, acaba em guerra civil.

Bong embeleza esse conto com uma série de floreios elegantes: uma brutal briga centralizada em machados; as origens memoráveis e grotescas do suprimento que a casta da cauda comem… não contarei o filme para vocês. No entanto, apesar de todo o seu momento empolgante, a narrativa e a mensagem de Snowpiercer (Expresso do Amanhã) se tornam um ponto: os mestres da indústria são vilões e cruéis; a classe trabalhadora é justa e gentil; e a revolta deles – da parte de trás do trem para a frente, uma metáfora simplificada do movimento social – é inerentemente nobre.

Há pouca nuance no filme de Bong, apenas uma fantasia de ficção científica simplista sobre os oprimidos atacando seus opressores. Assim, as notícias de que uma adaptação televisiva estava em andamento provocavam tanto entusiasmo quanto a perspectiva de expandir a premissa do filme de maneiras multifacetadas, e fãs do gênero temendo que – caso isso não ocorra – seu conceito possa ser apenas um monte de coisas monótonas.

Infelizmente, foi isso que aconteceu. Após mais de três anos de atrasos no desenvolvimento devido a confrontos entre a TNT e os produtores, o Expresso da Manhã (Snowpiercer) finalmente é lançado, entregando todos os comentários sociais que sua história prometeu e muito pouco da complexidade ou originalidade necessária.

Situado sete anos após a Terra ser transformada em um terreno baldio abaixo de zero, Expresso do Amanhã da TNT/Netflix não se desvia poderosamente da estrutura básica de seus antecessores.

Tudo acontecendo exclusivamente a bordo do trem, um trem com 1.001 vagões, a série gira em torno de dois personagens diametralmente opostos. Na cauda, ​​Andre Layton (Daveed Diggs) fomenta a insurreição. Na frente, a chefe de hospitalidade Melanie Cavill (Jennifer Connelly), transmitindo mensagens diárias dos alto-falantes, serve como a mão direita para o mítico (e nunca visto) arquiteto do trem, Wilford, mantendo a raça humana salva. Layton é baixa, mentirosa e controladora e Cavill é educado, meticuloso e rígido. Connelly consegue manter o senso de crueldade eficiente e sem sentido de Melanie em todos os episódios. Tais dicotomias também são encontradas em todo o veículo, com a cauda retratada como um campo de refugiados imundo e empilhado no beliche e a primeira classe retratada como uma coleção de salas de jantar chiques e residências de luxo.

A reviravolta inicial de Expresso do Amanhã é que, antes que esse barril de pólvora possa explodir, Layton – que antes da terra congelar trabalhava como detetive de homicídios – é inesperadamente contratado por Cavill para resolver o assassinato de um homem cujas extremidades foram cortados.

Como este não é o primeiro crime desse tipo a bordo do trem, um assassino em série está escondido entre os passageiros. Para Layton, porém, essa tarefa é uma oportunidade única na vida de finalmente se aventurar além da cauda e ver como a outra metade vive – e realizar um reconhecimento clandestino para sua eventual guerra. Ao combinar suas preocupações de classe alta e baixa com uma narrativa lenta, a série tenta seguir os passos do superior Blade Runner de Ridley Scott.

O problema, no entanto, é que mal se importa com esse ângulo investigativo; a coisa fica muito superficial, na melhor das hipóteses, e complementada por brigas incessantes sobre hierarquias de acesso no trem. A coisa não brilha, não funciona.

Certamente, alguns personagens acabam escolhendo lados e trocando lealdades, ou revelando sua feia e verdadeira natureza. No entanto, esse tipo de flip-flop não altera o paradigma moral unidimensional fundamental da série. Os oprimidos são bons, decentes e merecem igualdade, e os ricos – representados pelos esnobes Lilah (Kerry O’Malley) e Robert Folger (Vincent Gale), e sua filha ainda mais astuta e amoral LJ (Annalize Basso) – são a raiz de todo o mal.

Por todas as suas voltas e reviravoltas, incluindo revelações sobre as “gavetas” do sono induzidas quimicamente utilizadas por Cavill, Expresso do Amanhã não tem nada de novo a dizer sobre classe. Essa falta de sofisticação é agravada pela plotagem que muitas vezes passa despercebida em informações importantes e lida com pressa com desenvolvimentos importantes, deixando o processo parecendo insensato.

Um fluxo constante de histórias clichê não ajuda, nem o design de produção que não se baseia no filme de Bong. A passagem do aquário, o sushi bar e as lanchonetes, o mercado de terceira classe e o clube noturno (supervisionado pela sensual Audrey de Lena Hall) parecem polidos, mas sem imaginação. E o fato de que alguns desses compartimentos têm menos de três metros de altura, enquanto outros apresentam vários níveis – todos como fotos externas do Expresso do Amanhã provando que cada cabine é de tamanho uniforme – fazem muito para levantar questões irritantes e sem resposta sobre a estrutura literal do trem.

Por tudo isso, Connelly brilha, sua imoral imperícia empresta à ação um calafrio para combinar com o clima frio do lado de fora, enquanto ela coloria Cavill – uma autoritária convencida de que os meios justificam os fins – em tantos tons de cinza quanto o material de duas cores permitirá. Não é difícil vê-la saindo de uma milha de distância, mas Connelly a vende e suas consequências, soberbamente, o que é mais do que pode ser dito para Diggs. Ele trabalha com duas linhas de pensamento, fúria justa e fúria mais justa, e sua falta de sutileza é calamitosa para Expresso do Amanhã.

Até certo ponto, ele é uma vítima de roteiros que sempre se voltam para o previsível. Mas, mesmo assim, a falta de carisma de Diggs é um problema de rotina que se torna mais pronunciado à medida que a série se aproxima da sua conclusão (bastante decente).

Em seu foco em pessoas díspares presas em locais confinados, lidando com a desconexão e com medo de infecção, o Expresso do Amanhã prova uma saga involuntariamente oportuna sobre colapso individual e social, e o difícil processo de perseverança diante de dificuldades inimagináveis.

Esses paralelos ao nosso presente momento, no entanto, são tão fugazes e não substituintes quanto sua política é tênue e rudimentar. Como seus personagens, a série só é capaz de prosseguir em uma linha reta e estreita, e não leva muito tempo para que essa trajetória se torne tão tediosa quanto os muitos mini-dilemas rotineiros que acontecem dentro do trem. Apesar de alguns desenvolvimentos promissores para o final da temporada, o resultado final é um retrato cansativo da vida no fim do mundo.

O Expresso do Amanhã de 2013 e o Expresso do Amanhã a série 2020 estão disponíveis na Netflix.

Lista | 15 melhores produções originais da Netflix de 2020, por enquanto

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.