Não deixe de conferir nosso Podcast!

O Lado Negro da Força da Rey em Star Wars: Ascensão Skywalker

Rey Lado Sombrio da Força
Lucasfilm/Disney

Após o lançamento do trailer de Star Wars: Ascensão Skywalker, a internet está explodindo de teorias. A Rey finalmente sucumbiu ao lado negro da força?

Antes de começar o texto, veja novamente:

De todas as teorias sobre essa Rey com Sabre vermelho duplo e toda de preto, a teoria escrita pela jornalista Lindsey Romain do Nerdist, foi a mais contextualizada com a fã base de Star Wars criticando fortemente, mesmo assim, acredito que seja a mais provável que possa acontecer:

O nome Rey, lembra a Luz do Sol: “Ray-Raio”. No primeiro rascunho de Star Wars: O Despertar da Força, seu nome seria Kira, a forma feminina de Kir, que significa “raio de luz”. Ela é uma personagem pura e leve. Que evoca não apenas sua aura agradável, sua compaixão avassaladora, mas também suas roupas: marrom e branca – cores do deserto; mas também a paleta de traços e elementos que Star Wars associa ao lado da luz. Rey é boa, é nossa heroína, e sempre foi. Mas novas imagens de Ascensão Skywalker, o filme final da saga Star Wars, mostram Rey envolta em preto, empunhando um sabre de luz vermelho duplo. Uma cena, mesmo que dura apenas segundos, está cheia de iconografia que evocam escuridão e trevas, as cores do Sith. Mas isso pode ser apenas uma visão de um futuro possível para Rey, ou ela está realmente prestes a aceitar o lado negro?

Durante o trailer, uma frase é evocada: “NOW YOUR JOURNEY NEARS ITS END.” Sua jornada está próxima do fim.

Rey, Ascensão Skywalker
Disney/Lucasfilm

Star Wars é uma história simples, uma fábula do bem e do mal que raramente, até pouco tempo atrás, tocava em tons de cinza. Luke, um gentil garoto de fazenda de Tatooine que sonha com heroísmo, é empurrado para uma aventura que permitiu um final feliz? Darth Vader, pai de Luke, um homem propenso à ira que sucumbe para o lado negro e se torna o Sith mais aterrorizante da história da galáxia. Também é uma história de redenção, mas raramente existem nuances entre preto e branco, bem e mal. Até a trilogia nova, no fundo, aborda esses dilemas. O Despertar da Força e os Últimos Jedis apenas conseguiram contar histórias mais complicadas, mas a caixa de areia é ainda Star Wars. Eles nos apresentam novos dilemas morais, principalmente na forma de Kylo Ren – neto de Vader e sobrinho de Luke. Um personagem cuja linhagem é quente e fria, e que está preso em tudo do que isso significa; embora ele tenha escolhido a escuridão, a luz o chama.

Rey é justaposição. Ela nasce de alguém normal, mas se inclina para a luz a partir do momento em que sabe o que é a Força e que a possui. Mas seria simples considerá-la apenas por esse aspecto. Como Kylo é atraído pela luz, Rey também é tentada pelas trevas. Em Os Últimos Jedi, ela entra na caverna enquanto treinava, lá existiam trevas e ela aceitou aquilo. Foi a primeira vez que Luke sente a escuridão de Rey, fazendo o Mestre Jedi tremer diante dela. “Você foi direto para o escuro”, diz ele com preocupação. ” Você ofereceu tudo… e você nem tentou se conter.” Tanto que em O Despertar da Força quanto em Os Últimos Jedi, nós vemos; enquanto ela entra na mente de Kylo, que ela entende ou consegue assimilar os dois lados da força.

Rey e Kylo Ren
Disney/Lucasfilm

Nos dois filmes, Kylo e Rey recebem momentos distintos em que são oferecidos a luz ou a trevas. Kylo, quando Han o procura, e novamente depois que derrota Snoke. Só que nas duas vezes, ele escolheu o lado escuro. Rey, na Base Starkiller, quando ela tem a oportunidade de matar Kylo, e novamente, também após a morte de Snoke. Mas escolhe a Luz. Mas e se, para alcançar uma “Força Cármica”, esses dois opostos precisassem escolher um caminho diferente? E se a única maneira de restaurar o equilíbrio for nosso caráter “ruim” sobrepujar o domínio do bem e o caráter “bom” sobrepujar no domínio do mal? Como eles podem se entender, oferecer perdão ou ir além do conflito sem andar pelos dois lados?

Se Rey é a protagonista e mulher da trilogia, ela também pode possuir os princípios do feminino das trevas – mulheres mitológicas que adotam seus traços menos desejáveis. A ideia não é que essas energias sombrias sejam ruins, mas que elas estejam plenamente conscientes e em paz com todos os aspectos de si mesmas, incluindo suas sombras. Como observa o usuário do Twitter @ashesforfoxes, a ausência de uma presença feminina negra foi sentida em todos os filmes de Star Wars.

“Eles têm telegrafado o arco da Rey na Marcha Imperial em seu tema, o modo como ela luta por raiva, sua necessidade de encarar sua própria sombra – ainda. Isso também significa que ela será a pessoa que derrotará Palpatine no final, porque ela dominou (…)”

“Nós temos dado atenção ao Feminino Sombrio como uma fonte de potencial e poder inexplorado nesta história por um longo tempo. Eu não estou criando nenhuma expectativa mas eu adoraria ver isso “percebido””

Exemplos mitológicos do feminino que vem das trevas são Kali, uma deusa hindu associada à morte, ou Medusa, o monstro grego de cabelos de cobra. Ou, mais reconhecidamente, Lilith, da mitologia judaica, a primeira esposa de Adão que é vista – em alguns casos – como um demônio da noite. A figura de Lilith foi recuperada pelas feministas e ocultistas modernas como um símbolo do poder e do feminino sombrio; uma mulher no controle total de seus muitos tons, e assim iluminada.

Não é difícil traçar paralelos entre Lilith e Rey; ambos virtuosos e incompreendidos, como todos os faróis da força feminina; os gregos antigos tinham uma frase para o medo da beleza feminina: “kalon kakon” ou “a coisa do mal”. Se olharmos para Kylo como a figura de Adão da história de Rey, é ainda mais fácil preencher os espaços em branco. Ariel Guttman, uma renomada pesquisadora da área que disse sobre o mito de Lilith e Adão, “quando Adão exigiu que [Lilith] fosse seu ‘‘ajudante’’ (ou seja, escrava), Lilith respondeu: ‘’por que eu deveria ficar embaixo de você, quando sou seu igual desde que nós dois fomos criados a partir do pó? ‘”Rey e Kylo, também feitos de pó, também são iguais; mas ambos devem perceber todos os tons de seu ser antes que a iluminação possa acontecer.

Lilith e Adão
Cornelis van Haarlem/Wiki Commons

Para Rey, isso pode significar um flerte com o lado sombrio. Se ela a abraça completamente e se vira de bom grado, ou se apenas brinca com a possibilidade, há provas nesses segundos que mostram seu lado sombrio será explorado. Seria bom vê-la aceitar, fazer as pazes e evoluir além dela – e Kylo seguir o caminho oposto, abraçando sua luz interior e encontrando poder em sua restauração. Essa aceitação de todo entendimento interior – o abraço das virtudes e das falhas – evoluiria Star Wars, melhoraria a Força e enriqueceria as possibilidades da galáxia muito, muito longe.

Nota: esse trailer saiu primeiro a D23, para saber o que aconteceu na Expo da Disney, confira aqui.

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.