Não deixe de conferir nosso Podcast!

Segunda temporada de Mindhunter é tão boa que nem parece ser da Netflix

Mindhunter
Netflix

A segunda temporada de ‘Mindhunter’ prejudica seus sentimentos de todas as melhores maneiras. Resenha sem spoiler da segunda temporada de uma das melhores séries da Netflix de 2019.

Alfred Hitchcock certa vez disse: “Acho que todo mundo gosta de um bom assassinato, desde que ele não seja a vítima”. A popularidade do gênero continua com tudo, desde podcasts que abordam crimes reais, vídeos no Youtube, até sites especializados. Hitchcock não estava errado. A maneira como a mídia trabalha a oferta geralmente segue a demanda e não há escassez de entretenimento relacionado ao crime por aí, mas o Mindhunter encontra uma maneira de se destacar da multidão.

Como devem saber, Mindhunter é baseado no livro de mesmo nome que mostra os bastidores de alguns dos casos mais terríveis, fascinantes e desafiadores do FBI.

O livro conta que por mais de duas décadas em que atuou no FBI, o agente especial John Douglas tornou-se uma figura lendária. Em uma época em que a expressão serial killer, assassino em série, nem existia, Douglas foi um oficial exemplar na aplicação da lei e na perseguição aos mais conhecidos e sádicos homicidas de nosso tempo. Como Jack Crawford em O Silêncio dos Inocentes, Douglas confrontou, entrevistou e estudou dezenas de serial killers e assassinos, incluindo Charles Manson, Ted Bundy e Ed Gein.

A primeira temporada da série mostra a origem da Unidade de Ciência Comportamental (Behavioral Science Unit) do FBI no final dos anos 70 e início dos anos 80. Enquanto entrevistam os assassinos em série condenados em busca de obter uma visão da mente criminosa, dando mais ênfase a Edmund Kemper e Richard Speck e na segunda, a Charles Manson – mesmo que a série exigisse liberdades consideravelmente mais criativas com seu trio central, que são personagens compostos sem contrapartes específicas da vida real. Talvez como consequência, os agentes do FBI Holden Ford (Jonathan Groff) e Bill Tench (Holt McCallany) e a psicóloga Wendy Carr (Anna Torv) começam a se apoiar um pouco nos arquétipos, coisa que na segunda temporada todos aprimorem mais isso.

A cerne ou coração de Mindhunter surge de uma simples pergunta: “os criminosos nascem ou são formados?” Pode ser apenas uma das perguntas mais populares do gênero, uma variante particularmente sinistra da natureza vs. Incentivar o debate. Mas o que faz a série de Joe Penhall se destacar da multidão é a maneira pela qual sua dedicação à questão do motivo realmente permeia a narrativa. Muito parecido com o objetivo da equipe da UCC é descobrir o que faz os assassinos em série funcionarem, a segunda temporada do Mindhunter, em particular, mostra um fascínio e uma compreensão impecável da motivação humana. Onde a maioria das outras séries de crime encontra entusiasmo em sequências de ação intensa, Mindhunter costuma ser mais fascinante em cenas que podem ser descritas como “pessoas sentadas à mesa conversando”. Diálogos cheios de camadas e significados onde todas e cada uma dessas camadas soam incríveis. É uma série charmosa, mesmo sendo sobre assassinato.

Em termos de execução técnica, a segunda temporada é impecável, mantendo o estilo estabelecido na primeira temporada e mostrando evolução suficiente para manter as coisas sempre interessantes. Há algo no olhar particular de David Fincher para detalhes que é realmente inimitável. Em termos de narrativa visual, ele traz algo extra aos três primeiros episódios que os outros não removem. É certo que, nesse ponto, a história ganhou força suficiente para compensar pelo menos parte da diferença. Enquanto isso, as paisagens sonoras atmosféricas de Jason Hill elevam várias cenas estranhas a alguns dos conteúdos mais genuinamente perturbadores de qualquer série de TV deste ano. E eu assisti no volume baixo já que minha filha tem um sono leve, e corri para a internet para ouvir a trilha sonora.

No geral, a segunda temporada de Mindhunter é exemplar. Mantém todos os pontos fortes da primeira temporada e melhora nas áreas que mais precisavam ser aprimoradas. No que diz respeito às fraquezas, existem duas na primeira temporada. Há o foco singular no prodígio do FBI Holden Ford, as vezes é cansativo e nem o forte desempenho de Groff pode compensar completamente, principalmente quando se trata do relacionamento de Holden com a estudante de pós-graduação em sociologia Debbie Mitford (Hannah Gross). A segunda é o tratamento de raça da série. Mindhunter, particularmente na primeira temporada, é uma série muito branca. Não é algo inédito, mas a primeira temporada tem vários momentos desanimadores, nos quais praticamente inventa desculpas por sua própria brancura, como se estivesse antecipando reação e sentindo a necessidade de abordar essas críticas preventivamente. O principal exemplo dessa edição está no penúltimo episódio, que apresenta Jim Barney (Albert Jones), um agente negro do FBI de Atlanta que se inscreve na UCC. Ele é o melhor candidato para o cargo em termos de habilidades e experiência. Tench até dá o aval para ele, mas Carr coloca o pé no chão, argumentando que a maioria dos criminosos que eles entrevistam são brancos “e provavelmente racistas” e, portanto, Barney “poderia incitar uma resposta que afetaria o estudo”. Ao mesmo tempo, parece que a série está tentando justificar sua falta de diversidade enquanto joga casualmente o racismo “científico” da boca dos protagonistas e depois segue em frente. Em uma série tão diversificada em outros lugares, com tanta atenção aos detalhes e como as ações individuais têm múltiplas consequências, essa falta de jeito se destaca.

Já na segunda temporada, se beneficia significativamente de passar mais tempo focando em Tench e Carr. Enquanto Holden era o centro das atenções. E em relação à raça, como a segunda temporada aborda os assassinatos de crianças de 1979-81 em Atlanta, não apenas as questões raciais e suas relações são apresentadas com muito mais destaque, mas também geralmente são tratadas com muito mais nuances. Jim Barney retorna como um ator importante na nova temporada e até ajuda Holden a entrevistar o serial killer William “Junior” Pierce (Michael Filipowich) em uma cena que parece um pedido de desculpas pelo vacilo da primeira temporada.

Barney ainda parece uma oportunidade perdida. À medida que o programa lida com a desconfortável conexão entre o perfil criminal e o racial, a perspectiva de Barney como homem negro também tem um interesse significativo no trabalho de criação de perfis que a Unidade de Ciência Comportamental de Mindhunter não consegue explorar. Embora as duas principais subparcelas pessoais da segunda temporada sejam, em geral, muito mais eficazes do que o relacionamento forçado de Holden-Debbie na frente e no centro na primeira temporada – uma crise que aproxima a vida familiar de Tench e atrapalha sua pesquisa, cria uma história particularmente fascinante – a maneira pela qual a série adora explorar os emaranhados entre o pessoal e o profissional parece indicar Barney como candidato ideal para a história que a segunda temporada quer contar.

Existem entrevistas incríveis na segunda temporada e alguns elementos especiais sobre o propósito e importância da criação da UCC, mas resolvi deixar para vocês assistirem.

Veredito

Enquanto a nova temporada dobra o que tornou a primeira tão boa e faz uma grande variedade de melhorias, talvez a diferença mais marcante entre as duas tenha a ver com sentimentos. Mindhunter sempre foi uma série inteligente. Entre isso e suas tendências analíticas, a primeira temporada tem uma vantagem ligeiramente clínica. A segunda temporada é igualmente inteligente, mas tem muito mais inteligência emocional. E usa bem essa inteligência para tocar suas emoções como um violino. É um programa sobre assassinato e tenta entender por que as pessoas fazem coisas terríveis; basta dizer que não é uma história feliz. Dói, mas dói muito bem.

Leia também:

10 Coisas Sobre Ted Bundy Que A Netflix Deixou De Fora Do Documentário

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.