Não deixe de conferir nosso Podcast!

Crítica | A Lenda de Candyman aborda uma verdade inconveniente americana 

Racismo e terror, conheça um dos melhores filmes de 2021.
A Lenda de Candyman
Reprodução

Com um misto de terror e questões sociais, A Lenda de Candyman aborda o racismo estrutural que perdura dentro da sociedade norte-americana

 

Uma lenda apenas consegue sobreviver através de gerações, ganhando força e ressonância se ela for realmente importante. Lendas são parábolas que oferecem ao nosso mundo uma compreensão maior do que nos impulsiona e dá lugar aos horrores, belezas, fracassos ou maravilhas do sobre nós, meros mortais que, podemos nos adaptar à condição humana de maneiras mais palatáveis que apenas o meio narrador pode oferecer.

E se a lenda estiver ligada a um lugar específico, ela pode se tornar ainda mais potente, um organismo com raízes tão profundas e retorcidas que não podem deixar de voltar à superfície.

Assisti A Lenda de Candyman sem pretensão alguma e terminei o filme massacrado com a mensagem que ele tenta nos mostrar. Achei importante comentar sobre o que nos espera. 

Para quem não sabe, A Lenda de Candyman existe mesmo. É um dos maiores símbolos urbanos de Chicago pelos becos dos bairros periféricos da cidade. Uma geração inteira de Chicagoans negros cresceu sabendo não levar a lenda do Candyman levianamente – mesmo que tenha se originado no cinema em 1992.

Nesse primeiro “Candyman”, o escritor/diretor Bernard Rose (adaptando o conto de Clive Barker do livro “The Forbidden” Livros de Sangue) conta a história de uma alma ofendida se vingando da discriminação dentro do projeto habitacional Cabrini-Green em Chicago. Porém, muita gente só consegue lembrar do filme por suas mortes e pelas abelhas, quase ninguém se lembra que o pano de fundo era uma crítica sobre o racismo.

Algo nessa história sempre soou verdadeiro em relação à experiência negra em Chicago e história dos negros norte-americanos. Ele transformou um vilão de terror fictício em um ícone e uma lenda – que, em 2021, talvez tenha se transformado em algo muito diferente de sua forma inicial.

Em Candyman de 2021, uma “sequência espiritual” dirigida por Nia DaCosta e co-escrita por por ela e o produtor Jordan Peele (“Corra!t”, “Us”), conta a história de Anthony McCoy (Yahya Abdul-Mateen II) , um pintor cuja rápida ascensão no mundo da arte acabou com sua carreira graças a um bloqueio criativo. Com ajuda de sua namorada Brianna (Teyonah Parris), uma curadora de arte brilhante e bem relacionada, ele recebe uma nova oportunidade para mostrar que seus trabalhos têm valor para o cenário artístico esnobe e predominantemente branco de Chicago (compradores e críticos).

Antes de seu bloqueio criativo, o trabalho de Anthony era um reflexo óbvio de seu investimento na ideologia de justiça social contemporânea, mas aqueles no poder (compradores e críticos brancos), consideram que sua linguagem artística foi ultrapassada. Sua opinião sobre a justiça social não está mais na “moda”, por causa disso, ele precisa criar uma nova linha de quadros que ainda fala sobre negritude na sua arte. Anthony então parte na busca de uma experiência “negra” mais deslocada e empobrecida de Chicago.

A inspiração vem de uma fonte improvável. Enquanto Anthony e Brianna bebem vinho caro e relaxam em seu novo apartamento de luxo com o irmão de Brianna, Troy (Nathan Stewart-Jarrett) e seu parceiro Grady (Kyle Kaminsky), Troy evoca uma história assustadora – ambientada no bairro gentrificado que eles agora chamam de lar, situado a apenas alguns quarteirões dos projetos Cabrini-Green arrasados ​​e contado por meio de fantoches de sombra lindamente sombrios.

É a lenda do Candyman, um ser vingativo que pode ser convocado falando seu nome no espelho cinco vezes. Anthony, que é consumido pela lenda, o leva ao local abandonado, onde é imediatamente picado por uma abelha – um símbolo infame do espectro – e um caminho ramificado da lenda começa a se formar.

Nia DaCosta, cujo longa-metragem de estreia “Little Woods” (Passando dos Limites, 2018) foi muito aclamado, tem um sentido afiadíssimo para criar atmosfera e aumentar a tensão em A Lenda de Candyman. Por meio do uso de uma fotografia metódica e lenta, ela captura a beleza das paisagens do dia-a-dia, encontrando o ângulo certo e o equilíbrio no enquadramento. Sua maestria evoca tanto uma resposta emocional quanto as performances dos atores.

Essa abordagem – junto com a decisão de cortar cenas que, em um filme de terror mais tradicional, perdurariam – dá ao filme uma vibe artística, mais um thriller social do que um terror. Não é surpreendente, dado o papel de Jordan Peele como produtor e as questões sociais.

Isso não quer dizer que o filme não ofereça arrepios e sangue. Uma morte, ambientada em um luxuoso apartamento em Marina City, é especialmente sangrenta; outra, a cena do banheiro fortemente apresentada no trailer do filme também , oferece um pouco de satisfação.

Infelizmente, muito do resto do sangue parece óbvio, como se tivesse sido inserido simplesmente porque um “Candyman” com poucos respingos poderia ser difícil de vender.

Mas o que faz este remake ser surpreendente é sua mensagem social, especificamente no que diz respeito às questões de gentrificação e brutalidade policial. É aqui que o fantasma do Candyman começa a se transformar e a relação da lenda com a comunidade negra, inexoravelmente alterada graças à visão de DaCosta do passado que se tornou presente.

Essa reimaginação é tão necessária à luz dos problemas raciais que o Estados Unidos foi forçado a enfrentar e lutar no verão de 2020, quando protestos e diálogos sobre racismo, violência sancionada pelo Estado contra os negros e o que a verdadeira equidade e inclusão realmente significam.Algumas raízes, algumas feridas são profundas demais; mesmo pavimentando essas raízes, elas ainda podem desmoronar. E às vezes, quando o terreno muda, uma lenda retorna pelas fendas e clama por justiça.

A Lenda de Candyman acabou se transformando numa grande tela de arte sobre o racismo e sobre a injustiça que parece que nunca chegará a um fim. Simplesmente um dos melhores filmes de 2021. Recomendo sem medo, mesmo que uma cena tenha me prejudicado totalmente por causa da minha tripofobia.

A Lenda de Candyman estreia próximo mês no Prime Video.

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.