Não deixe de conferir nosso Podcast!

Jeff Lemire e o Ciclo da Vida em “Apanhadores de Sapos”

O quanto nos reconhecemos agora na pessoa que fomos antes? Como amadurecer sem perder a própria essência? É possível resgatar nossa história antes que tudo seja apenas memórias levadas pelo vento? O canadense Jeff Lemire nos faz pensar e sentir certa melancolia conforme avançamos, ligeiros, nas páginas de “Apanhadores de Sapos” (Editora Mino, 112 páginas, R$ 69,90).

No princípio, encontramos um menino, a capturar sapos num córrego. Ele vislumbra algo sob as águas, que aos poucos toma a forma de um homem mais velho, despertando num quarto de hotel. Lá ele encontra o garoto do início, que o esconde do misterioso Rei Sapo. Não há grandes explicações, apenas o risco iminente. Afinal, qual mistério cerca o hotel? Seria o Rei Sapo um perigo real ou só fruto da imagem da criança?

Presente e passado se intercalam nessa trama que não demora a revelar-se ao leitor, com uma mensagem tocante. O traço de Lemire, rabiscado e com poucos retoques, pode causar estranhamento, mas evoca o delírio de um homem que se agarra aos resquícios de uma vida passada a limpo.

Arte interna do quadrinho “Apanhadores de Sapos”. Todos os direitos reservados à editora Mino.

“Apanhadores de Sapos” pode não se destacar como um grande trabalho do prolífico autor, mas merece atenção, pedindo uma leitura carinhosa.

LEIA TAMBÉM:  Garth Ennis Explora a Psiquê de Frank Castle Em "Justiceiro: O Pelotão"
Parnaibano, leitor inveterado, mad fer it, bonelliano, cinéfilo amador. Contato: rafaelmachado@quintacapa.com.br