Não deixe de conferir nosso Podcast!

Crítica | “Echoes of the Soul” Crypta (2021)

Capa do álbum Echoes of the soul

O álbum de estreia da banda brasileira Crypta, “Echoes of the Soul”, é um soco no estômago do início ao fim.

Desde os primeiros acordes de “Awakening“, a música de abertura, a agressividade e a energia do som são evidentes. O vocal poderoso de Fernanda Lira é acompanhado por riffs de guitarra intensos e uma bateria devastadora.

Banda Crypta
Banda Crypta – (Reprodução – cryptaofficial.com)

A produção é clara e bem equilibrada, permitindo que cada instrumento brilhe em seu momento certo. As letras, que abordam temas como a morte, a luta interna e a desigualdade social, são bem escritas e entregues com emoção.

Destaco algumas faixas que se destacam, como “From The Ashes“, com seu refrão poderoso e melodia cativante, e “Starvation“, com sua abordagem frenética e agressiva. A faixa-título, “Echoes of the Soul“, é um destaque particular, com sua atmosfera épica e solos de guitarra impressionantes.

Capa do álbum Echoes of the soul
Capa do álbum Echoes of the soul – (Reprodução – cryptaofficial.com)

Mas há uma faixa em particular que eu simplesmente não consigo parar de ouvir em Echoes of the Soul: “Dark Night of the Soul“. A música começa com um riff matador de guitarra que imediatamente te pega pelo pescoço e não te solta mais. O refrão é especialmente cativante, com a vocalista Fernanda Lira entregando a letra com muita emoção e poder.

Em relação às influências, é claro que a Crypta bebeu de fontes do metal extremo consagradas, como Slayer, Kreator e Death. Mas há também uma sensibilidade mais moderna em suas composições, como se a banda estivesse consciente da evolução do gênero e incorporando elementos de outros subgêneros do metal. Por exemplo, a música “Blood Stained Heritage” tem um groove e uma melodia que lembram bandas de metalcore, enquanto “Under the Black Wings” é uma música mais arrastada e pesada, com um clima doom que remete ao Black Sabbath.

LEIA TAMBÉM:  Opinião| Porque Drácula é um dos vilões mais assustadores que já vi.

No geral, é um álbum forte e coeso que mostra a habilidade e o talento da Crypta. A banda que conta com Fernanda Lira (baixo e vocal), Luana Dametto (bateria), Jéssica Di Falchi (guitarra) – que substituiu Sonia Anubis – e Tainá Bergamaschi (guitarra), consegue equilibrar suas influências de forma impressionante, criando um som coeso e único.

Lançado pela Napalm Records, com edição em CD físico à venda também no site da banda, “Echoes of the Soul” é um lançamento impressionante e emocionante para fãs de metal extremo e um excelente começo para uma banda que promete ser uma grande força na cena do metal.

Com formação em análise e desenvolvimento de sistemas, assume o desenvolvimento desse site e mais alguns outros. Pai de Valentina, Edgar e Raul, escreve algo aqui sobre games, música ou tecnologia sempre que os pequenos deixam.