Não deixe de conferir nosso Podcast!

Os Melhores Desenhos Animados que passaram no Brasil na década de 80 | Parte 1

Conheça os maiores nomes da animação dos anos 80 que passaram na TV aberta e mudaram toda uma geração de crianças para sempre. Se gosta de desenho animado, seja bem vindo!!
Desenhos anos 80

Conheça os maiores nomes da animação dos anos 80 que passaram na TV aberta brasileira e mudaram toda uma geração de crianças para sempre. Se gosta de desenho animado, seja bem vindo!!

A origem dos desenhos animados, sua pré-história, começou lá com os teatros de sombras chinês, ainda nos meados do ano 121 depois de Cristo. Mil e oitocentos anos depois, um francês chamado Émile Cohl em 1908 criou o primeiro desenho animado, na época ele desenhava e pintava seus desenhos, além disso era inventor. Foi Émile Cohl que desenvolveu um sistema de animação com um aparelho chamado “praxynoscópio”. Só que esta técnica de projeção já servia para projetar as imagens em movimento na parede ainda no século 19 e antes mesmo das invenções de Thomas Edson em 1880, na verdade, ele só deu um upgrade na coisa toda. Se conseguir imaginar essa imagem como um GIF, compreenderá melhor o que estou falando.

A mecânica é simples: a partir de fotografias, ele montava cena por cena, movimento por movimento é uma ordem lógica, dando assim a sensação que aqueles quadros estavam em movimento. Sabemos que o olho humano consegue captar 12 imagens por segundo, baseado nisso, Émile e antes dele, outros inventores, já tinham as primeiras ideias do que hoje conhecemos como frames por segundo e como isso revolucionaria o cinema e tornaria esta indústria uma das maiores da história da humanidade.

O desenho animado que se chamava “Fantasmagorie” de Émile Cohl era supersimples, não tinha áudio e durava apenas 1 minuto e 40 segundos. Contava a história de um palhaço contracenando com objetos mórficos.

Veja aqui, apesar de toda a importância é um desenho muito esquisito:

A imagem em movimento, criou conceitos, possibilidades e novas ideologias. O universo dos desenhos animados é bem amplo e variado: super-heróis, aventuras, dramas, diversão, maluquices, extravagâncias, ficção científica, crítica social e o que mais se puder imaginar. Um mundo da fantasia que cativas pessoas de qualquer idade. A força das animações é tão grande que boa parte das produções ainda resiste ao tempo, por sua mensagem universal.

Sabendo disso, fizemos um corte com as melhores séries animadas da história, a década escolhida foi a 80, porque somente no Brasil chegaram mais de 100 produções, praticamente todos os canais da TV aberta tinham desenhos animados em sua grade de programação e a coisa mais importante: fazer linha de brinquedos para crianças.

Essa lista é baseada numa enquete feita no twitter ainda em 2017. E pela nostalgia, diversão e informação, venha sentir-se velho com a gente nesta lista! 

Cavalo de Fogo

Cavalo de Fogo
Reprodução

No meu sonho eu já vivi/Um lindo conto infantil/Tudo era magia/Era um mundo fora do meu/E ao chegar desse sono acordei”

Era assim começava um dos desenhos mais queridos de todos os tempos da televisão brasileira. O inesquecível “Cavalo de Fogo” (Wildfire), produzido pela Hanna-Barbera, empresa que detinha do monopólio de animações até 1993, ano em que foi adquirida pela Turner Enterprises, dona da Cartoon Network.

O desenho estreou em 1986 na TV americana, chegou no Brasil em 1988, nos extintos programas “Oradukapeta” do Sérgio Mallandro e “Show Maravilha” da Mara no SBT.

A história contava a vida de Sara, uma menina que ao fazer treze anos de idade percebe que o medalhão que sempre usou começa a brilhar, assim surgindo um lindo e imponente cavalo preto de crinas vermelhas, seu nome era Cavalo de Fogo, e ele foi o responsável de trazer Sara para nosso mundo para fugir das garras da terrível bruxa Lady Diabolyn na terra de Dar-Shan. Sara descobre que é uma princesa, filha da Rainha Sarana e do príncipe Kevin, e que precisa voltar ao planeta Dar-Shan para salvar o lugar das garras da bruxa e seus Espectros. Para ajudar na missão, Sara conta com criaturas mágicas e os amigos Dorin, Brutos e Alvinar.

Apesar de ficar no ar por mais de dez anos, Cavalo de fogo só tinha míseros 13 episódios! Quando somos crianças não percebemos como somos tapeados o tempo todo!

O desenho foi originalmente criado para meninas! Mas no Brasil, ele foi aceito por todos gêneros. Eu mesmo adoro o desenho até hoje e a música da abertura é uma das versões mais cantadas da história das aberturas de um desenho. Apesar disso, os episódios eram memoráveis, cheio de personagens inesquecíveis e roteiros muito bem escrito para um desenho infantil. Além do mais, o SBT nunca passou o desenho na ordem, o primeiro episódio é o que Cavalo de fogo aparece para a Sara e o último é que ele é escolhido para ser o Rei do Santuário dos Cavalos, mas abdica de sua coroa para se dedicar a cuidar de Sara e Dar-Shan.

 

Caverna do Dragão

Caverna do Dragão
Reprodução

Sua estreia na TV americana aconteceu em 1983 e o último episódio passou em 1986, o mesmo ano que estreava na Rede Globo, suas idas e vindas na grande da programação da empresa carioca durou até 2014; é bastante tempo, dando a Caverna do Dragão o prêmio de desenho animado mais marcante de toda uma geração. Também foi o primeiro desenho que teve uma trilha sonora épica que grudava na cabeça igual a chiclete.

A história acompanhava um grupo de seis jovens que acabam entrando em outra dimensão por uma montanha-russa, nesta dimensão, eles recebem armas e poderes mágicos. Hank (Guerreiro), Eric (Cavaleiro), Diana (Acrobata), Sheila (Ladra), Presto (Mago) e Bobby (Bárbaro), eram os protagonistas das aventuras de Caverna do Dragão, além deles havia um filhote fêmea de unicórnio, a Uni. Neste novo mundo, eles recebiam ajuda do emblemático Mestre dos Magos, no original Dugeons Master – função do mestre de uma mesa de RPG, que surgia do nada, dava seus conselhos e sumia como fumaça; o Vingador, o vilão e mago das trevas que tentava a todo custo tomar as armas mágicas dos jovens para derrotar o Mestre dos Magos e seu pior inimigo, o dragão de cinco cabeças, Tiamat.

A animação era baseada no RPG ‘Dugenons and Dragons’, foi até por causa desse desenho que os primeiros jogos de RPG chegaram no Brasil no final da década de 80, a série foi criada por Gary Gygax, o mesmo autor do jogo e produzida pela Marvel Productions. Nos EUA foi um sucesso de audiência, aqui nem precisamos falar. Porém, na terceira temporada encerraram a produção, com apenas 27 episódios, mesmo com o episódio final escrito.

Por se passar no cenário de D&D, cada episódio era recheado de referências do jogo, cada função e personalidade dos protagonistas também trazia muita coisa que até hoje se usa em filmes de fantasia. O mundo de Caverna do Dragão era chamado simplesmente de “O Reino”. Apesar do sucesso, ele foi polêmico, por ter conjecturas adultas nos episódios, como morte, violência e um teor sombrio. Isso foi tão sério que em 1985, o desenho precisou colocar um aviso de classificação PG (violência e atenção dos pais) quando começava os episódios.

Por causa de não existir um final, Caverna do Dragão, talvez seja a primeira série que criaria o termo “Teoria da conspiração” para uma animação. Na verdade, as crianças teriam sofrido um acidente na montanha-russa e morrido. O Reino seria o inferno, Vingador e Mestre dos Magos, seriam o diabo e o Dragão Tiamat um Anjo que tinha a missão de avisá-los que estavam todos os mortos. Essa história sem fundamento durou por diversos anos e o próprio roteirista, Michael Reaves, precisou desmenti-la!

Coube ao cartunista brasileiro Reinaldo Rocha criar as imagens do episódio final de “Caverna do Dragão”, intitulado “Réquiem” e lançado em quadrinhos. A história mostra que, de fato, o Mestre dos Magos era um personagem dúbio e que enganava os jovens para que eles ajudassem a recuperar Vingador que, na verdade, era seu filho que seguiu para o caminho do mal.

Duke Tales

Duck Tales
Disney (Reprodução)

 

Duck Tales teve quatro temporadas com 100 episódios, sua estreia original ocorreu em 1987 e encerrou em 1990, produzido pela Walt Disney Television Animation. Aqui no Brasil, ficou Ducktales – Os caçadores de Aventuras. As aventuras sempre envolviam Tio Patinhas, louco por dinheiro e seus sobrinhos, Huguinho, Zezinho e Luizinho atrás de relíquias e tesouros perdidos. Essas expedições tinham a função de ele vender o que achasse de valor.

Seu grupo ainda tinha o Capitão Boeing, um Pelicano, o professor Pardal que vez por outra chegava com alguma invenção nada convencional e uma lâmpada com pernas e braços chamada Lampadinho. Muitos personagens apareciam eventualmente como o primo Gastão, Vovó Donald e o Gansolino. A narrativa sempre lembrava Indiana Jones e isso era o grande segredo deste desenho tão legal. Eles ainda tinham que se livrar das tramas diabólicas da Maga Patológica que sempre queria roubar a moeda número um do Tio Patinhas, os irmãos metralhas e o Pão Duro Mcmoney.

No Brasil foi sucesso imediato, estreou em 1988, no SBT num domingo cinco e meia da manhã. Depois ele foi para o “Show Maravilha”. A versão da abertura nacional foi gravada pelo Luiz Ricardo (Cantor e o Palhaço Bozo). A série ainda ganhou um filme, sequências e uma linha de revistas em quadrinhos.

Em 2017 a Disney apostou mais uma vez nas aventuras do Tio Patinhas e sua família e trouxe de volta Duck Tales e mais uma vez o desenho foi um estouro de audiência e crítica, já contando com duas temporadas com 25 episódios cada. Está disponível na Netflix e recomendo muito!

Abertura nova é cantada nada menos que Ivete Sangalo!

Transformers

Transformers
Hasbro (Reprodução)

 

Transformers surgiu em 1984, quando a Hasbro, a maior empresa de brinquedos do mundo, se uniu à japonesa Takara, para explorar os direitos sobre duas linhas de bonecos-robôs: Micro Change e Diaclone. Com uma linha de bonecos, mas sem uma história por trás para atrair os jovens clientes, a Hasbro encomendou à Marvel Comics um enredo qualquer que explicasse quem eram tais robôs e o porquê lutavam. Assim, junto com a linha de brinquedos, foram lançados a primeira série em quadrinhos pela Marvel e o desenho animado, produzido pela Sunbrow Productions.

A história conta que no Planeta Cybertron, robôs que eram escravos de uma entidade superior, se rebelaram e tomaram o planeta. Se reproduzindo e criando novas tecnologias, eles prosperam. Só que então, o planeta acabou dividido em dois tipos de robôs: os Autobots (os cientistas e pesquisadores do Planeta) e os Decepticons (Militares), durante milhões de anos de guerra os Autobots a venceram pois descobriram a habilidade de se transformar, mas o planeta já não tinha vida, fontes de energia e condições de sobrevivência. Assim, eles enviaram uma nave-expedição com o intuito de buscar novas fontes de energia, mas ela foi atingida pelo Decepticons, caindo na Terra pré-histórica. Todos os robôs da nave, junto com os Decepticons entraram num modo de hibernação, acordando somente em 1984.

No Brasil foi um estouro, sua estreia foi em 1886, passava colado com “Comandos em Ação”. Nessa época a Globo não tinha programa infantil e seus desenhos passavam aos domingos pela manhã. Mas chegou o “Xou da Xuxa” e ela assimilou todos os desenhos para seu programa. O sucesso foi enorme, lançando até as linhas de brinquedos.

O que me fez amar Transformers para toda a vida foi a música do filme lançado em 1986. Sente o poder do metal!

Comandos em Ação

Comandos em Ação
Hasbro

Mais uma criação da Hasbro, o conceito de bonecos de ação é mais antigo que o próprio desenho, surgiu ainda em 1964. Até aquele ano o conceito de boneco era bem relativo para meninas, se você tivesse a possibilidade de comprar um boneco com 21 articulações, vestido de soldado e com 30 centímetros seria, com certeza, sucesso. E foi o que aconteceu.

Hasbro se tornou a maior empresa de brinquedos do mundo em apenas três anos, graças ao G.I Joe. Hoje a linha de bonecos já tem mais de 75 personagens. A produção deu uma pausa em 1978 e só retornando em 1982, agora com bonecos tde 10 centímetros e menos pontos articuláveis e cada um tinha sua própria história. Isso foi sucesso no mundo todo, eles usavam comerciais que chamavam atenção, na verdade, esses comerciais de brinquedos que aparecem na TV hoje existem graças ao modelo dos comerciais G.I. Joe, no Brasil esses vídeos ganharam o nome “Comandos em Ação”.

G.I. Joe apareceu a primeira vez na TV americana em 1983 e durou até 1986. Estão prestando atenção que 1986 está sempre aparecendo? Antes da série animada propriamente dita, foi produzido o “G.I. Joe: A Real American Hero” feito pela produtora Sunbow Productions com a Marvel. E O bagulho era colorido, tinha ação, roteiro muito bom e o principal: uma vasta galeria de personagens interessantes que a garotada já estava acostumada a consumir. Não tinha como dar errado, assim, em 1985 entrou no ar o desenho animado, onde os G.I Joe lutavam contra o terrorismo causado pelo grupo ‘Cobra’.

No Brasil estreou em que ano? Advinha: 1986. Ele durou até o começo dos anos 90 e aconteceu a mesma coisa que foi dito com os Transformers acima. A função final dos desenhos animados da década de 80 era sempre a mesma: vender bonecos.

Como o artigo ficou grande, precisei dividir em duas partes. Mas sairá ainda esta semana! Espero que tenha gostado!

 

Você pode gostar:

10 HQs que mudaram a história do mundo dos quadrinhos

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.