Não deixe de conferir nosso Podcast!

Todos os filmes da franquia Star Wars do pior ao melhor

Star Wars Destaque
Lucasfilm/Disney

Mais de 40 anos depois, Star Wars ainda é forte como a Força.

O primeiro filme foi lançado em 1977 – no dia 25 de maio, para ser exato – e a ópera espacial, inspirada nos seriados de Flash Gordon e nos filmes de Kurosawa, mudou toda a estrutura da cultura pop para sempre. George Lucas não tinha ideia do que estava fazendo, mas seu filme deu certo e alcançou toda a galáxia literalmente. Este arte deveria ter sido lançado no dia 04 de Maio, mas o bonito aqui  do editor, não conseguiu escrever a tempo.

Essa franquia é única, quatro décadas de existência – que aparentemente morreu pelo menos duas vezes e nasceu três vezes – mas que continua viva e ficando cada vez mais poderosa do que qualquer um imaginava.

Com três trilogias distintas, mas muitas ligações em entre si, Star Wars é um Universo que amamos, mas que às vezes desliza um pouco e entrega filmes abaixo do que se espera. Esta lista foi criada por diversos sites pelo mundo, mas ela vem com meu toque especial com um ranking com todos os filmes da franquia ordenados do pior ao melhor. Para a seleção foram consideradas a popularidade dos títulos entre o público e a avaliação da crítica especializada para deixar a coisa mais confiável.

The Clone Wars (Star Wars: A Guerra dos Clones)

Lucasfilm/Disney
The Clone Wars (Star Wars: A Guerra dos Clones)

Muito antes de a Disney ter comprado Star Wars e lançar sua própria trilogia, a Lucasfilm estava explorando filmes fora dos próprios episódios principais, pelo menos era isso que a proposta da empresa queria…

Apesar de ter sido lançado para o cinema, The Clone Wars, de 2008, é pouco mais que um piloto para a série animada (tanto que você provavelmente pode até falar que ele realmente não conta como um filme mas como saiu no cinema, entra na lista), e infelizmente é um negócio ruim de engolir.

O filme explora o período entre Ataque dos Clones (2002) e a Vingança dos Sith (2005), mas infelizmente é incapaz de fazer algo realmente interessante sobre esse período de três anos. A história tende a se desviar para o absurdo, com Anakin treinando e acompanhando a Padawan, Ahsoka Tano, e os dois indo em uma missão para recuperar o filho sequestrado de Jabba, o Hutt, com todo o terrível diálogo que Lucas vinha produzindo nos últimos anos.

Se há um benefício, é que isso nos deu o caráter de Ahsoka que, apesar de irritante, se torna uma dos melhores Jedi da história da franquia, ela deveria sim, ganhar um filme. The Clone Wars é totalmente esquecível e se você nunca assistiu, sorte a sua.

Ataque dos Clones

 

Lucasfilm/Disney
Star Wars: Ataque dos Clones

 

Enquanto é o Episódio I fala da infância e da ira do Anakin, em Ataque dos Clones tenta mostrar as mudanças de personalidade do quase adulto protagonista, o problema que esse filme consegue ser pior que o Episódio I. É o filme em que as falhas da trilogia prequela de George Lucas estão por todos os lados e que todo mundo parou de passar o pano e ter certeza que ele é um péssimo roteirista.

Isso não quer dizer que tudo no episódio II é horrível. A luta entre Jango Fett e Obi-Wan é excitante, auxiliada pela atmosfera encharcada e chuvosa de Kamino, além disso, é agradável assistir o detetive de Obi-Wan trabalhando, essas cenas permitiram que Ewan McGregor realmente se torne um personagem como o personagem precisava ser. A Arena também é um ótimo momento

Tudo isso, no entanto, está atolado pelo foco no romance de Anakin e Padme, no colapso do episódio I e em algumas conspirações absolutamente frágeis. O diálogo notoriamente ruim de Lucas está em seu ápice, assim como a atuação horrível de Hayden Christensen (e sua completa falta de química com Natalie Portman), mas o mais notório problema do filme é o uso excessivo de CGI. Já tentaram assistir esse filme atualmente?

Todos os tipos de cores e formas são jogados na tela para produzir uma mistura de efeitos complicados. Isso alimenta os problemas mais amplos do filme (e, de fato, a trilogia), com a ação sendo subdesenvolvida e carente de caráter, e a narrativa funciona tão sem vida quanto as criações geradas por computador.

Ameaça Fantasma

 

Lucasfilm/Disney
Star Wars: A Ameaça Fantasma

Pesadamente criticado como o pior filme de Star Wars (isso se você ignorar The Clones Wars), Ameaça Fantasma não merece esse título, mas esse é apenas o único elogio que consigo fazer dele.

O episódio I foi talvez o filme mais sensacionalista de todos os tempos antes do seu lançamento (e mesmo agora, poucos filmes conseguiram essa façanha), era uma tarefa titânica ele corresponder às expectativas, não podemos negar. No entanto isso não explica que seja uma bagunça ruim de acompanhar.

O filme é salvo pelo épico embate 2 contra 1 com sabres de luz, que é um dos melhores da franquia até hoje. Pode ser mais focado na coreografia deslumbrante do que na intensidade emocional dos originais, mas há uma beleza balética na cena, e é tão surpreendente quanto envolvente.

Sem contar a impressionante trilha sonora de John Williams, que representa alguns de seus melhores trabalhos na saga. O Pod race também é uma sequência impressionante mas não é suficiente para compensar acordos comerciais galácticos, midi-chlorians, diálogo digno de piada, Jar Jar Binks… deu tudo quase errado aqui nesse filme.

A Vingança dos Sith

 

Lucasfilm/Disney
Star Wars: A Vingança do Sith

Apesar de fechar a tão falada Prequel Trilogy e contendo alguns dos mesmos problemas dos filmes anteriores, A Vingança dos Sith é um passo importante em qualidade e o filme em que George Lucas realmente descobre que precisa de ajuda de outras pessoas para fazer de sua criação um arco fechado mais ou menos elegante, mesmo o final tendo sido uma desgraça.

Este é o filme onde Anakin Skywalker se transforma em Darth Vader, o que significa que o ritmo da história aumenta e o trabalho do personagem é interessante o suficiente para cobrir as falhas na performance de Hayden Christensen. É o filme que também faz os Jedi parecerem idiotas – uma noção abordada por Luke em Os Últimos Jedi.

No entanto, há muita coisa aqui que realmente funciona, incluindo algumas excelentes batalhas de sabre de luz – tanto Yoda e Mace Windu batalham com Darth Sidious – quanto o nascimento horrível de Darth Sidious que eu considero um dos melhores momentos sutis da saga.

Mas claro, o que é realmente memorável sobre o filme é o confronto final entre Anakin e Obi-Wan em Mustafar. É impressionante tanto em termos de cenário quanto de coreografia, e é um dos confrontos mais pessoais da saga, com muita ajuda da ótima performance de Ewan McGregor.

Solo

 

Lucasfilm/Disney
Star Wars: Solo

Um filme do Han Solo já era um projeto questionável, já que não era um projeto que muitos achavam que valeria a pena contar quando os diretores originais, Phil Lord e Christopher Miller foram demitidos do filme, apesar de terem feito mais de 80% dele e a entrada, às pressas, de Ron Howard para supervisionar o fim da produção em julho de 2017. Mas o pior aconteceu, Howard precisou refazer cerca de 3/4 do filme para ser lançando em 2018 e basicamente foi um terrível equívoco da Disney.

Mas é uma façanha que Solo seja um passeio divertido ao universo de Star Wars. Dá para acreditar? Pode não ter Harrison Ford, mas Alden Ehrenreich prova que os que duvidaram estavam errados. Ele se saiu um jovem Han charmoso, convencido mas com um grande coração e uma seriedade que o torna mais compreensível do que nunca.

O filme demora a pegar, engasgando no começo mas uma vez que começa, ele tende a melhorar no final. Alguns personagens são desperdiçados por causa desse ritmo, Emilia Clarke não tem um bom desempenho e há alguns momentos de fan-service muito questionáveis.

No geral, é filme divertido, cheio de blocos sólidos para alguns dos melhores personagens de Star Wars – Lando e especialmente Chewie são bem servidos aqui – e faz o seu trabalho de contar uma boa história que aprofunda nossa compreensão e apreciação de um dos heróis mais importantes da saga.

Rogue One

Lucasfilm/Disney
Star Wars: Rogue One

Poderia um filme não-Skywalker de Star Wars funcionar? Essa foi a enorme questão que Rogue One enfrentou, o primeiro filme autônomo da franquia. Felizmente tudo correu bem e foi melhor do que esperado.

Ele pode ter tido alguns problemas nos bastidores, principalmente nas extensas refilmagens que mudaram o final, mas ao contrário de muitos blockbusters modernos eles trabalharam para melhor. Este é o primeiro filme de Star Wars a colocar verdadeiramente a ênfase em apenas uma única linha de palavras, dando-nos um filme de guerra completo com algumas armadilhas galácticas mais.

É um dos filmes mais incrivelmente bem filmados da galáxia até hoje e apresenta um monte de novos personagens com os quais você se importa no final. A ação é soberba, tudo tem peso, e se torna uma história que vale a pena ser contada pelo peso que ela se conecta – e melhora – tudo que sabíamos sobre Uma Nova Esperança.

Existem alguns problemas, especialmente no departamento de ritmo. O filme leva muito tempo para começar, e você se preocupa com alguns dos personagens mais por causa da situação a que eles são forçados. A trilha sonora de Michael Giacchino é boa, mas você pode dizer que foi montada rapidamente e Krennic é em grande parte desperdiçado como um vilão. Mas essas questões são mais fáceis de ignorar quando tudo se junta no surpreendente terceiro e final ato, e nos dá duas coisas: Darth Vader desencadeado de forma incrível todo seu assustador poder, e o plot para Uma Nova Esperança.

O Despertar da Força

Lucasfilm/Disney
Star Wars: O Despertar da Força

Em 2012, você seria perdoado por pensar que Star Wars, pelo menos em termos de novos filmes, estava morto e enterrado. Claro, George Lucas sempre falou sobre fazer nove filmes, mas depois da má recepção aos prequels não parecia haver muito apetite por mais. Apetite soa muito bem colocado aqui por sinal.

Nesse meio tempo, a Disney compra a Lucasfilm e sacode toda a galáxia e, três anos depois, finalmente tivemos um Episódio VII. Este foi o filme mais falado de todos os tempos e foi responsável por trazer Star Wars de volta à vida. E não devemos esquecer de mencionar que J.J. Abrams merece muito crédito sobre isso.

O filme segue as batidas estruturais do Episódio IV de forma extremamente parecida, algo que muitos costumam criticá-lo, mas foi a melhor maneira de banir as memórias da saga do Anakin e restaurar a fé nos fãs – pode ser uma recauchutagem mas, pelo menos, parece Star Wars. Existem problemas maiores também, com o segundo ato indo para o terceiro bastante confuso em termos de ritmo e edição. O lance de mais uma estrela da morte meio que forçou bastante a coisa.

Ainda assim, há muito o que amar neste filme. Ele pode beber muito dos filmes anteriores mas Abrams também cria alguns novos personagens brilhantes e serviços antigos como o Han Solo indo par a vala finalmente. Rey, Kylo Ren, BB-8, Finn e Poe são a verdadeira força desse filme, proporcionando uma nova geração de fãs com heróis e um vilão complexo para zombar por décadas, e fazendo isso numa montanha-russa emocionante e divertida.

O Retorno de Jedi

Lucasfilm/Disney
Star Wars: O Retorno de Jedi

 

Não é uma posição justa mas esse ficou velho e, da trilogia original, ele é o que mais sofreu com o tempo. É o mais fraco dos três em diversos elementos, mas ainda deve ser lembrado como tendo um final digno.

Há alguns momentos incríveis e inesquecíveis neste filme. A força principal está em sua resolução do conflito Luke-Vader, que nos dá algumas reviravoltas, um épico duelo intenso de sabres de luz, assistido por um Imperador Palpatine com um final muito bem elaborado e pouco usual naquele momento histórico do cinema.

É também um filme que é muito divertido de assistir, com alguns grandes momentos de monstros e todos os tipos de caos dos Ewoks. Este é o filme onde você pode ver sinais que George Lucas faria mais filmes da franquia e para vender bonecos como nunca.

Richard Marquand não é um grande diretor mas também há muita interferência visível de Lucas, resultando em um filme confuso com alguns diálogos ruins. Ainda assim fez justiça com seu final.

Os Ultimos Jedi

 

Lucasfilm/Disney
Star Wars: Os Últimos Jedi

Ainda é relativamente cedo para falar sobre este filme que provou ser extremamente divisivo entre os fãs da franquia, a opinião da gente muda de um jeito ou de outro à medida que o tempo passa mas, por enquanto, este filme tem problemas com os antigos e novos fãs de Star Wars de uma forma que eu não esperava.

No entanto, é difícil deixar de lado a sensação de que Rian Johnson fez algo realmente especial. Como o fio intermediário desta nova trilogia, ele constrói o Despertar da Força e prepara o terreno para o Episódio IX. Poderia ser melhor? E como poderia.

Ele está mais preocupado em cumprir sua própria visão do que em abrir as caixas de mistérios deixadas por J.J. Abrams. Isso pode frustrar alguns mas acaba sendo a força deste filme. Esse fato permite que o filme de Johnson seja inteiramente enraizado em personagens e temas, o que significa que ele fez algo que parece Star Wars mas também cria seu próprio caminho e se torna algo realmente diferente. Isso não é para todo mundo, mesmo com alguns encontrando choques tonais ou problemas de ritmo (a subtrama Finn / Rose é fraca e há muito humor) mas é uma jogada ousada de diretor.

É um dos filmes mais bem dirigidos da franquia, e lindamente filmado por Steve Yedlin, a paleta de cores deste filme é suprema e existem algumas sequências incríveis. Mas é o que eles fazem com os personagens que dá o toque de destaque de Os Últimos Jedi. Eles são todos desafiados e empurrados de maneiras fascinantes:uma resolução aceitável e justificáve, desde o espelhamento de Rey e Kylo Ren – com uma performance impressionante de Adam Driver – até o retorno de Luke Skywalker. É um filme ambicioso, emocionalmente ressonante e tematicamente rico de se assistir.

Star Wars

Lucasfilm/Disney
Star Wars: Uma Nova Esperança

A década de 1970 é o marco zero para o novo cinema americano. É uma época em que Francis Ford Coppola, Steven Spielberg e Martin Scorsese estão mudando a sétima arte para sempre, e entre essa nova geração está George Lucas, que luta para lançar sua ópera espacial. Todos duvidaram na época que daria certo. Até mesmo o seu criador.

25 de maio de 1977 filas e mais filas dobrando quarteirões para assistir Star Wars. O filme que mudou o cinema e iniciou o que conhecemos de cultura pop, dava o início da maior franquia de todos os tempos. É quase impossível imaginar como seriam os 40 anos subsequentes do filme se isso falhasse, mas Star Wars – agora rotulado de Uma Nova Esperança – foi um grande sucesso.

Há alguns erros de roteiro no filme – aqueles erros que o Lucas em vez de consertar, só pirou nos anos seguintes – e Mark Hamill não é um grande ator até hoje, sejamos sensatos, mas foi uma boa escolha para um papel de um jovem sonhador idealista, Luke Skywalker. Esses destalhes são pequenos e fáceis de perdoar quando tudo funciona tão bem, dando início a tudo e se tornando o ícone do que conhecemos como a jornada do herói.

Além de seu status, é um filme completamente agradável de assistir até hoje. O ritmo nunca diminui, os novos heróis são imediatamente carismáticos, além de nos dar o terrível vilão Darth Vader. O filme caiu na boca da massa em poucos dias porque nessa época estava surgindo uma geração de fanáticos por ficção científica e, Star Wars ia além disso, trazendo também a Fantasia com a Força e os sabres de luz.

Uma Nova Esperança é engraçado e esquisito, épico e íntimo – desde dos primeiros momentos de sua abertura com o enorme Star Destroyer até a morte de Obi-Wan, tudo é meio familiar e alienígena, transformando todos nós em Luke Skywalker olhando o pôs do sol duplo no horizonte de Tatooine.

O Império Contra-Ataca

Lucasfilm/Disney
Star Wars: O Império Contra Ataca

O Império Contra-Ataca é a sequência que nos dá a noção que o futuro dos Jedi parece nada promissor. É um filme que se baseia em tudo o que foi estabelecido em Uma Nova Esperança, tornando este filme tão bom ao mesmo tempo em que move tudo para a frente e proporciona uma sensação ainda mais épica.

Depois de perceber que não era um bom diretor e muito menos um roteirista, George Lucas pediu ajuda a Lawrence Kasdan para supervisionar os rascunhos finais do roteiro, e Ivan Kershner para dirigir o filme. Ambos viram o potencial em criar algo mais sério e adulto, e ajudaram a impulsionar essa visão, apesar de Lucas não ter gostado disso.

Este é um filme que realmente testa seus personagens, dividindo-os numa jogada arriscada, dado o quão bem eles trabalharam juntos no primeiro. Continua a jornada do herói ao mesmo tempo em que o subverte, tem momentos de romance e humor, peso emocional, e é o melhor filme de Guerra nas Estrelas até hoje.

Kershner e o diretor de fotografia Peter Suschitzky criaram uma estética sombria, com azuis gelados, laranjas flamejantes e uma sensação cinematográfica clássica. E, claro, há o plot final. Todo mundo sabe disso agora mas é um momento de definição de saga que muda tudo; É um momento de uma tragédia esmagadora, de escuridão e presságio, e apesar de tudo isso, o filme ainda encontra um lampejo de esperança para terminar.

E qual é sua lista de piores para melhores da franquia? Deixe nos comentários!

Imagens: Lucasfilm/Disney

 

Fique por dentro:

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.