Não deixe de conferir nosso Podcast!

Crítica | O Rei (Netflix, 2019): Embora impecável, o filme se perdeu na beleza de Timothée Chalamet

O Rei
Netflix

Apesar da empolgação dos fãs, o primeiro corte de tigela que vemos em O Rei (The King) não pertence a Timothée Chalamet, mas de outro garoto bonito, Tom Glynn-Carney. Aliás, todos os atores desse filmes são bonitos se você não prestou atenção. Tom faz o papel do líder rebelde Henry “Hotspur” Percy, a primeira de muitas ameaças que o príncipe Hal (Chalamet), enfrentará em todo o filme enquanto ele se transforma no rei Henrique V. E embora o tempo de tela seja breve, Percy define o cenário que está por vir. Pois o que é O Rei, realmente, senão uma história épica sobre homens com cabelos esquisitos e bonitos lutando por poder?

A visão do diretor David Michôd sobre “Henriad”, a história base para o filme, de William Shakespeare – a partir de um roteiro co-escrito por Joel Edgerton (que também interpreta o mentor e amigo de Henrique, John Falstaff) – é uma história de amadurecimento envolvida nas armadilhas da realeza e de uma guerra medieval. Se tiramos as camadas de túnicas aparadas com arminho, armaduras pesadas e fala cortês, você encontrará Chalamet interpretando um personagem seguindo um arco semelhante ao Elio de Call Me By Your Name (Me Chame Pelo Seu Nome, 2018). Que é uma história sobre um garoto descobrindo o que significa crescer e lutar com outros garotos.

Quando conhecemos o futuro Henrique V, ele ainda é conhecido como Hal, príncipe de Gales, morando em uma sala deplorável na parte mais pobre de Londres, depois de se esquivar de suas responsabilidades reais por uma vida de bebidas, mulheres e becos noturnos. Ele não tem interesse em governar a Inglaterra e parece quase aliviado quando seu pai o informa com ressentimento de que ele está sendo expulso na sucessão em favor de seu irmão mais novo, Tommen…quer dizer, Charles Chapman.

Mas, conforme as circunstâncias, Hal acaba herdando a coroa. Antes que percebêssemos, ele muda o corte de cabelo em algo mais angular, com uma atitude sombria para combinar. E embora Percy não seja mais uma preocupação (não vou estragar como esse desenvolvimento acontece), o rei Henrique V tem inimigos mais do que suficientes para mantê-lo em alerta. A ameaça mais poderosa vem do outro lado do Canal da Mancha. Os conselheiros de Henrique, liderados por Sean Harris, convencem-no de que o rei da França planeja matá-lo, uma agressão que não pode ficar sem resposta, para que Henrique não pareça fraco. Coisa que de fato ele não é.

Uma grande parte do tempo de 140 minutos do filme é dedicada à invasão de Henrique ao seu vizinho gaulês, uma campanha que, como a guerra da vida real, fornece alguns dos momentos mais tediosos do filme, mas também alguns dos mais emocionantes. As pessoas acham que filme de guerra medieval é aquele mar de pessoas gritando, se jogando de altos castelos, fogo caindo, espadas tilintando… mas nesse tipo de guerra, as pessoas morriam mais de tédio, fome e doença do que lutando entre si. Como entusiasta de livros, histórias e qualquer coisa medieval, eu achei bem fiel, mas se você não gosta disso, pode ser cansativo ou até sonolento esse momento do filme.

Robert Pattinson – que está tendo uma temporada de filmes genuinamente selvagens – aparece como o Delfim (título do herdeiro da coroa durante as dinastias de Valois e Bourbon) da França com cabelos longos e loiros, entregando suas falas em um momento deliciosamente desestabilizador sotaque francês, que é totalmente incongruente com a situação em questão. Suas cenas são como lufadas de ar fresco para o filme. De repente, não é mais um filme sobre como a guerra é ruim, mas uma batalha contemplativa entre Timothée Chalamet e Robert Pattinson. Os dois em cena valerá cada segundo. Simplesmente estamos diante de dois jovens atores que podem ser os maiores de sua geração nos próximos vintes anos de cinema.

As batalhas são um banquete visual. O diretor de fotografia Adam Arkapaw captura o trabalho árduo e a carnificina da guerra de uma maneira que parece viva e, ironicamente, bonita.

Não importa quanto tempo dure um cerco, vale a pena assistir as cenas emoldurando um Henrique solene na luz dourada de suas catapultas flamejantes contra um céu azul da meia-noite. De fato, este filme poderia facilmente ter sido chamado Timothée Chalamet à luz de velas: um estudo em contraste. Seus ângulos são tão nítidos quanto a espada que ele carrega, e a câmera se diverte ao encontrar novas maneiras de exibir o jovem ator. Não se preocupe, ele não é uma pessoa vaidosa. Mas as câmeras realmente captaram imagens memoráveis de suas cenas, um exemplo disso, foi sua coroação: ela ilustra sua transição de jovem falível para um símbolo real, quase etéreo. Tudo é devidamente impecável no filme neste sentido.

Chalamet faz um trabalho mais sutil e contido que seu rival. Henrique é um garoto inexperiente que finge ser um líder de homens. Sua linguagem corporal trai sua vulnerabilidade. Suas conversas com seus líderes na campanha da França, principalmente seu amigo e mentor John Falstaff, falam que ele é apenas um jovem desesperado por ter alguém em quem se apoiar.

Leia também: Exterminador: Destino Sombrio É Um Filme Incrível, Mas O Que Deu Errado Na Sua Bilheteria?

Apesar de toda a conversa sobre o passado de Henrique como um festeiro bêbado, acabamos esquecendo isso rapidamente. Os personagens de Shakespeare são famosos por sua leviandade e gargalhadas para combater os inebriantes tratados sobre a natureza do poder. Mas o rei ignora que, a favor de uma ação “séria”, e ao fazê-lo, fica um pouco atolado em sua própria importância. O personagem de Edgerton diminui um pouco o entusiasmo bombástico e o charme grosseiro, mas O Rei confia demais na performance de Pattinson como uma maneira de tirar a plateia do estupor induzido por sussurros dos corredores e palácios reais. Mas nem tudo no filme é belo.

O maior problema de O Rei seja a soma de suas partes individualmente competidoras que não leva a lugar algum. Na superfície, aparece como o tipo de filme que requer ser assistido no cinema. A famosa batalha de Agincourt, que coloca as forças de Henrique contra os franceses em uma demonstração de guerra medieval que inspiraria gerações de reis ingleses, é simplesmente espetacular. A câmera segue Henrique enquanto ele percorre lama e sangue, culminando em um nível quase inimaginável de carnificina, ainda mais memorável pela partitura de compositor Nicholas Brittel, que se transforma em uma onda de som majestoso e excitante. Mas o filme perde um pouco de ritmo em diversos momentos.

Mas, como um lançamento da Netflix, a maior parte do público deste filme provavelmente assistirá em pequenas partes entre várias tarefas domésticas no final de semana. E, embora isso possa horrorizar alguns, pode realmente funcionar a favor de O Rei. Alguns dos momentos que se sentir perdido na narrativa abrangente acabarão sendo os mais memoráveis. Uma delas, é a triunfante cena de Lily Rose Depp como a princesa francesa Catherine de Valois, que usa seu tempo de tela limitado para castigá-lo com uma frase já dita por Claire Foy: “vocês são apenas um bando de garotos bonitos brincando de guerra” em O Primeiro Homem (2018). É um desafio bem-vindo às maquinações predominantemente masculinas do filme. “Eu não vou me submeter a você”, ela zomba enquanto Henrique promete sua lealdade depois de colocar sua família e seu país de joelhos. “Você deve ganhar meu respeito.” O garoto bonito pode ter vencido a batalha, mas é uma mulher que vence a guerra.

O Rei” passou nos cinemas em Nova York e Los Angeles no dia 11 de outubro e teve uma boa crítica e recepção, já está disponível na Netflix e prometo que você vai gostar de assisti-lo.

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.