Não deixe de conferir nosso Podcast!

Crítica | ‘The White Tiger’, da Netflix, é uma análise precisa e inteligente da Índia atual

The White Tiger
Netflix/Reprodução

Um dos melhores filmes de 2021 acabou de chegar na Netflix, conheça e assista ‘The White Tiger’.

Muita gente que entende de cinema não procura saber, talvez, mas o cinema na índia começou em 1897 e é um dos mais antigos do mundo. Porém, foi apenas a partir da década de 40 que o cinema ganhou uma importância quase religiosa na cultura deste país gigantesco. E isso aconteceu graças à independência da ìndia da influência inglesa, onde o cinema era a voz, a cultura e religião de gigantesco povo. Falar da Índia e termos superlativos não é conveniência, mas sim, uma necessidade.

Porém, nos anos de 1970, graças a corrupção política e a violência social, o cinema de massa teve uma queda significativa de público e crítica. Já que o governo estava impedindo que ‘certos pensamentos’ fossem usados nos filmes. A coisa só melhoraria nos anos 90, onde o país passava por uma liberdade de pensamento crítico, econômico e cultural. Principalmente quando os filmes abordavam sobre os conflitos de gerações e questões sociais.

É errado imaginar que o cinema indiano se reduz apenas a Bollywood. Um país com mais de 1 bilhão de habitantes, com uma variedade de línguas, cores e culturas diferentes tem um leque industrial quase infinito. Além disso, o mesmo erro de achar que apenas exista Bollywood acontece repetidamente entre os cinéfilos. Bollywood (junção de Bombaim – atual Mumbai – com Hollywood), que fala o idioma hindi, é apenas o terceiro maior em quantidade de produção de filmes no mercado indiano.

Então, por todas as letras, o cinema indiano é poderoso, rico e um dos melhores produtos que o país exporta na região oriental.

Eu fiz esse arrodeio tudo para chegar em ‘The White Tiger’ por causa de algumas coisas que precisam ser explicadas. O que sabemos da contemporaneidade da Índia são raras ao ocidentais. Quando se pergunta qual filme indiano você se lembra, a grande a maioria vai conseguir lembrar apenas de ” Quem Quer Ser um Milionário (Slumdog Millionaire) – 2008″, além disso, existe um mercado de séries e filmes da índia que são transmitidos pelos serviços de streamings onde eles escolhem apenas aqueles com temas da Índia da era colonial e imediatamente pós-colonial, quando o peso do Império Britânico ainda era forte no país.

Esquecendo que é feito milhares de filmes, novelas, séries e documentários por lá.

Estão percebendo que estou falando sobre racismo? É isso aí, o cinema indiano, apesar de tudo, ainda sofre com o preconceito terrível ao redor do mundo, principalmente no ocidente.

Muitos anos atrás, Ramin Bahrani era um estudante universitário. Ele conheceu e fez amizade com um cara hindu americano, um aspirante a romancista chamado Aravind Adiga.

“Nós nos conhecemos quando éramos alunos de graduação na Columbia University. E nós nos conectamos na mesma hora. Havia um grupo de indianos, iranianos, sírios, libaneses que se encontravam para conversar. E ele queria ser escritor. Eu queria ser cineasta. E então eu compartilharia scripts. Ele compartilharia manuscritos para feedback.” Disse o diretor de The White Tiger numa entrevista.

E tanto a história real do diretor do filme e do autor do livro, se parecem bastante com o protagonista de ‘The White Tiger’?

Pode haver pelo menos uma semelhança, no entanto. Balram (Adarsh Gourav), um jovem inteligente criado na extrema pobreza, está empenhado em melhorar a vida de pessoas pobres como ele não fez  com Gandhi fez.

The White Tiger
Adarsh Gourav, é Balram, Priyanka Chopra, Pinky Madam, em “The White Tiger.”

 

Para melhorar sua vida e a de sua família, Balram consegue um emprego como motorista e lacaio de Ashok (Rajkummar Rao), um jovem rico e ambicioso que sonha levar tecnologia para a índia que acaba de chegar de Nova York. Ele está de volta ao seu país com a ideia de se reconectar com seu pai – um grande e poderoso produtor de carvão que trata como animais seus empregados pobres – e se envolver na economia local, embora sua belíssima e médica esposa, Pinky (Priyanka Chopra Jonas), queira voltar para Nova York o mais rápido possível.

O filme começa no ponto onde essas três pessoas estão voltando de uma festa, dirigindo em alta velocidade pela madrugada de Nova Deli. Na verdade, Balram está contando sua história na forma de um e-mail escrito para o primeiro-ministro chinês, que está vindo a Bangalore para se encontrar com executivos de tecnologia.

“Sei que vocês, chineses, são grandes amantes da liberdade e da liberdade individual”, escreve Balram. “Os britânicos tentaram fazer de vocês seus servos, mas vocês nunca permitiram. Eu admiro isso, Sr. Premier. (…) Acho que podemos concordar que a América é ficou no ontem. E a Índia e China amanhã. ”

Esse pequeno diálogo é toda a premissa do filme e é tão inteligente e cheio de camadas que você não vê o tempo passar assistindo.

The White Tiger
Adarsh Gourav (Balram), Priyanka Chopra Jonas (Pinky), Rajkummar Rao, (Ashok), em, “The White Tiger.”

 

Como citado acima, ‘The White Tiger’ é baseado no best-seller de Aravind Adiga de 2008, um livro que narra um olhar inteligente, desoladamente engraçado e às vezes horripilante sobre o que um homem fará para escalar os degraus da escada social. O fato de também tentar mostrar as complexidades da Índia moderna. Aravind é um dos autores mais queridos dos americanos na atualidade e tudo que ele escreve vende como palha de arroz ao vento.

Adarsh Gourav, em seu primeiro grande papel no cinema, astutamente transmite a natureza dual de Balram – inocente, de olhos arregalados e bajulador um minuto; astuto, calculista e frio no outro. Rao é o típico filho rico que volta da cidade grande para sua terra de origem pensando que mudará o mundo. O problema é que ele não sabe disso.

Bahrani fez um dos melhores filmes de 2014 em “99 Homes” (disponível na Netflix), um drama de partir o coração ambientado durante a tempestade de execuções hipotecárias que se seguiu à crise financeira de 2008. Apesar do ruim  “Fahrenheit 451”, o diretor conseguiu fazer uma obra-prima do cinema com ‘The White Tiger’.

E por fim, para não estragar com spoilers do filme, apesar de ser um original Netflix com a produção de Priyanka Chopra e da incrível  Ava DuVernay, ‘The White Tiger’ mostra o que o cinema indiano tem de melhor. E depois que lerem isso, corram para assistir.

É um dos melhores filmes de 2021 e mostra que devemos mudar a forma como enxergamos o cinema oriental. 

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.