Não deixe de conferir nosso Podcast!

A verdade não contada sobre o Daft Punk

O legado e o fim da maior banda de EDM da história, o Daft Punk.
Daft Punk
LOS ANGELES, CA - FEBRUARY 12: Recording artists Daft Punk perform onstage during The 59th GRAMMY Awards at STAPLES Center on February 12, 2017 in Los Angeles, California. (Photo by Kevork Djansezian/Getty Images)

Daft Punk, depois de 28 anos de carreira, anunciaram o fim da maior dupla de música eletrônica que a humanidade já viu e ouviu. Conheça a história e os motivos para seu fim. 

Existem muitos grupos musicais incomuns, mas poucos são tão misteriosos quanto a dupla de música eletrônica Daft Punk. Com uma carreira de décadas, é surpreendente como sabemos pouco sobre eles. Eles preferem assim. Raramente concedem entrevistas e nunca podem ser vistos em público sem suas icônicas máscaras de robô. Daft Punk é formado por dois franceses: Guy-Manuel de Homem-Christo e Thomas Bangalter. Eles se conheceram na escola secundária (ensino fundamental) parisiense em 1987, tinham apenas 12 anos na época, mas formaram uma amizade que duraria para toda a vida.

Homem-Christo e Bangalter se uniram por causa de seu amor pela música. A dupla iniciou essa vida em 1992 criando uma banda de rock lo-fi chamada Darlin ao lado de um terceiro amigo, Laurent Brancowitz. Mas a banda teve uma vida curta, a crítica e os músicos achavam a musicalidade da banda muito mediana. Foi por causa de uma crítica do maior e mais antigo jornal de música da Europa,  Melody Maker, que chamou o som do Darlin de “um thrash punky daft” que eles desistiram do rock.

Em meados de 1993, Homem-Christo e Bangalter adotaram “Daft Punk” como o nome de seu próximo empreendimento musical. A dupla se afastou do rock, focando na música eletrônica. Eles buscaram inspiração em uma variedade de gêneros, fazendo samples de diversos artistas, especialmente aqueles dos anos 1970 e 1980.

THOMAS BANGALTER E GUY-MANUEL DE HOMEM-CHRISTO ESCOLHERAM SE TORNAR ROBÔS

Daft Punk
CHICAGO, IL – APRIL 24: Cosplayers dressed as Daft Punk attend the C2E2 Chicago Comic and Entertainment Expo at McCormick Place on April 24, 2015 in Chicago, Illinois. (Photo by Daniel Boczarski/Getty Images)

Daft Punk começou a se apresentar em casas noturnas francesas, chamando atenção de alguns figurões da música européia. Depois de assinar com a Virgin Records em 1996, foi que a dupla começou a viajar pelo mundo, apresentando-se em vários lugares nos Estados Unidos, e mais incrível, eles não tocavam de traje de robôs nesta época..

Porém, por desejo da dupla, o Daft Punk começou a preferir o anonimato após o lançamento de seu primeiro álbum de estúdio, Homework, em 1997. Homework causou um grande impacto no mundo da música eletrônica, temendo a atenção que recebiam como intérpretes pudesse prejudicar sua música, começaram a utilizar máscaras. Em entrevista raríssima, Bangalter explicou essa perspectiva: “Não acreditamos no sistema de estrelas da música. Queremos que o foco esteja na música … Não queremos ser reconhecidos nas ruas. ” No início dos anos 2000, a dupla havia adotado personas completas de robôs.

Qual a melhor forma de colocar as melodias, a habilidade e a produção em primeiro plano? Qual a melhor forma de deixar o trabalho falar por si mesmo? Até mesmo Maynard James Keenan, lendário cantor do Tool, começou sua carreira musical ficando na mesa de som durante a turnê do Tool “Lateralus” em 2000 para que a qualidade da mixagem durante as sessões ao vivo fosse melhor. É também um ato de não-ego, de entregar-se ao poder e ao fluxo da música.

O álbum de 2001, Discovery, trouxe-lhes ainda mais fama, com os singles “Digital Love” e “Harder, Better, Faster, Stronger” se tornando sucessos em tudo quanto foi lugar, na verdade, na minha cidade, virou até música tema de comercial e abertura de programas. A dupla ainda lançou  o álbum Human After All de 2005, mas as críticas foram mistas.

Os críticos temiam que Daft Punk pudesse ter atingido o pico. Após essa reação mista, eles pararam de lançar álbuns de estúdio. Isso não quer dizer que eles estivessem completamente inativos; Daft Punk compôs a trilha sonora do filme Tron: Legacy de 2010, e a dupla passou grande parte do início de 2010 colaborando com outros artistas, como Kanye West.

Random Acces Memories transformou o DAFT PUNK em MAINSTREAM

Daft Punk
Reprodução

Em 2013, Daft Punk voltou com força total. O gênero dance music retro-futurista da dupla tornou-se popular nas rádios e internet, após o lançamento de Random Access Memories em maio daquele ano. Neste álbum, a dupla colaborou com muitos artistas diferentes – Pharrell Williams para citar o mais famoso. De acordo com a Billboard, o maior sucesso do álbum, “Get Lucky”, alcançou a posição # 2 nas paradas dos EUA em 2013. O álbum viria a ganhar o álbum do ano no 56º Grammy Awards.

As músicas dos caras se tornaram viral. Um cover  pelo grupo a capella Pentatonix recebeu mais de 300 milhões de visualizações no YouTube. Assista o vídeo:

De acordo com a Rolling Stone, eles também foram acompanhados pela banda do exército francês durante uma apresentação de 2017 para o presidente francês Emmanuel Macron e o presidente Donald Trump. Através de sua colaboração em 2016 com The Weeknd no hit “Starboy”, Daft Punk finalmente atingiu o primeiro lugar nas paradas da América, na Billboard.

Até hoje, a dupla permanece calada sobre suas vidas pessoais, mas um artigo do site GQ sugere que cada um deles tem dois filhos. 

A RAZÃO DO FIM DO DAFT PUNK

Daft Punk chocou o mundo em 22 de fevereiro de 2021, quando eles anunciaram que seus 28 anos de pioneirismo na robótica e EDM (Electronic dance music) haviam de fato chegado ao fim. E eles fizeram isso da maneira mais legal e surpreendente possível: por meio de um vídeo cerimonioso de oito minutos intitulado “Epílogo”, que pode ser assistido no YouTube:

Magistral, não é?

Daft Punk é talento e estilo, tanto sonora quanto esteticamente, em vozes flangeadas de robô e texturização sonora de beep-boop criaram toda uma escola musical.

Uma grande parte do legado de Daft Punk vem de seu visual icônico de capacete de robô. Muitos artistas – especialmente DJs – usaram capacetes e máscaras, pintura facial e assim por diante, incluindo Deadmau5, Orbital, Marshmello, Cazette, roqueiros como Slipknot, Ghost, Gwar, rappers como DOOM e artistas clássicos como KISS. Daft Punk não foi o primeiro e definitivamente não será o último, porém, eles foram os maiores.

Não sabemos o motivo para a dissolução da dupla. Porém, isso não impediu que os fãs inundassem a internet com amor e homenagens. Este é um tributo adequado, já que a letra final do vídeo do rompimento repetiu as falas da faixa “Touch:” “Espere. Se o amor é a resposta, você está em casa.”

Obrigado por tudo Daft Punk.

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.