Não deixe de conferir nosso Podcast!

Crítica | The Glory é arrebatador

The Glory conquistou o mundo com uma trama surpreendente sobre vingança. Embarque numa das melhores obras coreana de 2023. 

The Glory
Reprodução (Netflix)

The Glory conquistou o mundo com uma trama surpreendente sobre vingança. Embarque numa das melhores obras coreana de 2023.

A Netflix aqui foi sagaz. Com um orçamento pequeno, transformou uma história de vingança em uma das suas melhores produções do ano até o momento. Hoje falarei dessa obra-prima chamada The Glory. Orçamento pequeno em relação à produções que a Netflix faz em suas séries americanas.

The Glory ou A Lição na versão brasileira, é um drama coreano que estreou em 2022 no dia 08 de Dezembro e foi dividido em duas partes já que a Netflix entendeu que assim, ganha mais fazendo dessa forma. A segunda parte estreou dia 10 de Março de 2023. Acabou que ficou entre as 10 séries mais vistas da história da plataforma que não é falado em inglês, se tornou a série do gênero drama mais assistida do mundo em sua estreia. Incluindo até o Brasil.

Mas o que conta a história? O drama narra uma história de vingança de uma mulher chamada Moon Dong-eun cuja infância e adolescência foi marcada pela violência e traumas em casa e na escola, interpretado brilhantemente pela atriz Song Hye-kyo adulta e Jung Ji-so na fase jovem. Aliás, o trabalho de Jung Ji-so é muito poderoso. Todas as cenas com ela são bem pesadas, dramáticas e essa jovem atriz merece todos os prêmios que esse drama ganhará este ano. Por causa disso, Moon Dong-eun tem seu corpo, mente e alma estraçalhados, mas ao contrário de muita gente, ela faz disso uma arma poderosa e passa décadas arquitetando sua vingança em todos seus algozes. Um por um.

Song Hye-kyo e Jung Ji-so (The Glory – Netflix)

Sua vingança começa quando ela finalmente decide morar na frente da casa de sua principal algoz e líder dos abusadores, a famosa e dama do tempo da Coreia Park Yeon Jin, papel feito pela doce atriz Im Ji Yeon. A pessoa responsável por todos os traumas no corpo de Moon Dong-eun.

A trama é sobre como esse pesadelo do passado, se torna uma vingança pessoal no presente. A primeira parte nos revela a jovem Moon Dong-eun sofrendo todo tipo e brutal de danos físicos na escola por um grupo de colegas ricos, principalmente queimando seu corpo com uma babyliss e os garotos abusando dela sexualmente. Em vez de se sentir protegida na escola, ela acaba também recebendo abuso físico de seu professor, enquanto sua mãe usa sua situação impiedosa de dinheiro. Assim, ela se torna uma mulher de coração frio com apenas um foco na vida – um plano meticuloso de vingança.

Ela se torna uma renomada professora e acaba sendo contratada para trabalhar justamente na sala da filha de Park Yeon Jin, também acaba virando uma exímia estrategista no jogo de tabuleiro “GO” para se aproximar do marido de sua pior inimiga. Durante toda sua busca por vingança, ela acaba encontrando um jovem médico que mostra vontade de se juntar a sua dança de espadas ao ver seu corpo marcado por múltiplas e grandes cicatrizes de queimadura. Ela não estava procurando um príncipe, mas um cavaleiro que vai cravar a espada nos corações de seus inimigos. Assim, Joo Yeo Jeong, interpretado por Lee Do-hyun, se torna principal confidente e seu cavaleiro negro.

LEIA TAMBÉM:   10 códigos de condutas moral de personagens icônicos que envelheceram rápido

Assim também termina a primeira parte do drama. 

The Glory
Reprodução

A história de Moon Dong-eun reflete a vingança pelo fato de que existem feridas na vida que são profundas e permanentes. No caso dela, o bullying escolar é extremamente brutal e violento ao ponto de destruir toda sua humanidade. Ninguém estava lá para ajudar (mãe, professores, polícia). A história mostra fortemente como a sociedade frequentemente lida com os ricos e os pobres – como aqueles com dinheiro e poder são facilmente desculpados enquanto os desprivilegiados são negligenciados ou não ouvidos. Não há como negar que a onda de dor e devastação que a Moon Dong-eun sente e a vingança acaba virando sua “Justiça”. Quem decide o que ela está fazendo é correto ou não é o telespectador. 

Mas até que ponto o que assistimos no drama “The Glory” é real ou não. Segundo o site Korea Herald, aconteceu de fato um caso de bullying utilizando uma Babyliss numa escola feminina em Cheongju, província de Chungcheong, em maio de 2006. A vítima ainda sofreu espancamento por taco de beisebol. Ficou hospitalizada por seis semanas. Mas casos de violência escolar na Coreia não são isolados, existem diversos planos do estado (escola e sociedade) e programas de TV sobre isso e depois de The Glory o tema ganhou visibilidade e ajudou muita gente a falar sobre esse assunto tão assustador e terrível.

Violência escolar, o bullying, existe em todo mundo. É considerado por alguns especialistas como um dos piores problemas sociais do mundo atual que existem. The Glory navega nesta chocante e dolorosa realidade violência escolar, aumentando a consciência pública sobre tais questões. Ela também enfrenta corajosamente o impacto do bullying extremo no bem-estar psicológico de uma pessoa. Embora o caso varie, os efeitos do bullying são por toda vida, principalmente se a pessoa tem baixa autoestima, ansiedade, depressão, automutilação, relações sociais quase inexistentes e violência doméstica. Por isso, se você vive ou conhece alguém passando por isso ligue e denuncie o número é: 0800 61 61 61. Pessoas irão lhe acolher e ajudar.

No caso de Moon Dong-eun, ela parece apresentar um tipo de Complexo de Transtorno de Estresse Pós-Traumático (saiba mais lendo esse artigo científico), uma condição psicológica que prejudica a qualidade de vida como resultado de repetidos eventos traumáticos. A pessoa manifesta raiva interna, uma visão fria do mundo, desconfiança em relação aos outros, isolamento, flashbacks vivos de violência e preocupação com seus tormentos. Então sobrou apenas para Moon Dong-eun a vingança. Ela já estava espatifada mesmo, a dor era tão grande que ela tentou se matar diversas vezes sem conseguir ir adiante.

Muitos de vocês podem não ter experimentado a violência escolar, mas podem ter experimentado as mesmas torturas emocionais que provocam feridas profundas e duradouras, especialmente traumas na infância, que pode incluir o abandono dos pais, abuso fisico ou abuso sexual. Para alguns, pode ser traição, violência doméstica, bullying no trabalho, cyberbullying… onde existe dor, ela vai machucar. 

LEIA TAMBÉM:  Crítica | Ted Lasso é a sutil forma do pensamento positivo

O elenco de The Glory ainda conta com a participação da lendária Yeom Hye Ran, ela tem um papel fundamental na trama e acaba se tornando um dos personagens mais queridos entre os fãs. Sua história é incrível e emocionante. Além dela, The Glory conta com Park Sung-hoon, Jung Sung-il e Cha Joo-young, mas não vou estragar para quem ainda não assistiu o que a vingança de Moon Don-eun tem para cada um. Essa resenha pode até conter alguns spoilers, mas não dá para revelar tudo já que as coisas que estou escrevendo são vistas no trailer do drama. Apenas sei enrolar com as palavras (risos).

The Glory é escrita pelo renomada roteirista Kim Eun-sook (Goblin e Mr. Sunshine) e dirigido também pelo premiado An Gil-ho. Os dois construíram um conto de vingança e todos esses elementos explodem sua cabeça na segunda parte do drama que estreou mundialmente no dia 10 de março.

A segunda parte você não consegue mais parar de assistir porque mostra como os cinco vilões: A Rainha Yeon-Jin, A Hipócrita Sa-ra, O Playboy Jae-Jun, A Mascarada Hye-jeong e o Criminoso Myeong-o; apesar de tudo, são fascinantes e más enquanto o plano de vingança de Dong-eun começa a expor décadas de segredos que eles guardavam entre si.

O que me chamou muito atenção em The Gloy foi a música. Todos os elementos musicais das cenas eram para mostrar o quanto uma mulher motivada apenas pela vingança é calculista e poética. Ela mantém uma parede gelada separando-a das pessoas mais próximas – e às vezes também consegue separar o sentimento que nós, telespectadores, tem por ela. No entanto, a montagem (passado e presente) transformam toda uma dor em algo inacreditável de bom. A trilha sonora encaixou demais em The Glory, escutem clicando aqui.

Os Dramas coreanos gostam de muitos plots, mas ainda assim, cada plot contribui para a construção desse conto de vingança como trama principal. E vai por mim, escrever isso não é fácil. Mais tarde percebi que Dong-eun não está apenas buscando vingança para si mesmo, mas também para outra pessoa, o que acrescenta outro nível à trama. É chocante e provocante. Também existe todo um pano de fundo sobre o passado de Yeo-jeong, suas motivações para se tornar o carrasco de Dong-eun e como isso o transforma num personagem profundo e não apenas um par romântico.

A cinematografia de The Glory é deslumbrante, enfatizando sempre a diferença entre os mundo dos ricos e trabalhadores, equilibrando o luxo exterior em torno dos ricos alvos de Dong-eun e como eles são pobres e malignos por dentro. Todos os atores, protagonistas ou não, fizeram desse drama algo único. The Glory é fascinante e vai lhe deixar de queixo caído. Simplesmente um dos dramas mais legais da temporada por enquanto.

Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.