Não deixe de conferir nosso Podcast!

Crítica | Treta é uma dicotomia maravilhosa sobre vingança

Resenha crítica sem spoiler da minissérie mais louca e divertida de 2023. Simplesmente assistam e leiam!

Treta (Netflix)
Treta (Reprodução/Netflix)

Resenha crítica sem spoiler da minissérie mais louca e divertida de 2023. Simplesmente assistam e leiam!

Treta está está concorrendo ao Emmy 2023 nas categorias de melhor minissérie ou antologia, melhor ator e atriz em minissérie ou filme para TV, melhor ator e atriz coadjuvante em minissérie ou filme para TV, melhor direção em minissérie, antologia ou filme para TV, Melhor roteiro em minissérie, antologia ou filme para a TV, ou seja, vai ganhar todos.

Eu assisti a minissérie meses atrás, acho que uma semana depois que foi lançada na Netflix e só agora vou conseguir escrever sobre um dos melhores momentos do entretenimento de 2023. Ouro puro! Mas vamos do começo como sempre.

Treta conta como o “dia de cão” de duas pessoas completamente estranhas uma para outra podem acarretar consequências para sua vidas e das pessoas ao seu redor. De um lado temos Danny Cho, um empreiteiro fracassado com um problema no ombro e do outro temos Amy Lau, uma empresária que tem uma vida incomum com seu marido. Os dois acabam se bicando numa loja de departamentos e a coisa vira uma guerra com bastante humor ácido e fortes emoções.

O legal de Treta é que parece que surgiu do nada. O trailer saiu apenas duas semanas antes de sua estreia e já mexeu com quase todas as redes sociais. A minissérie tem uma sensibilidade cômica muito sombria, um mergulho engraçado na mente de duas pessoas com problemas sérios de controle de humor, lidando com traumas, estresse e ansiedade. Tem dez episódios e posso dizer que essa produção é muito mais do que uma simples comédia. 

Graças às atuações estelares de Steven Yeun e Ali Wong, Treta é um olhar sobre as emoções e as lutas com as quais todos lidam diariamente, mas comprimidas em dois indivíduos semelhantes e diferentes ao mesmo tempo que vivem em Los Angeles. Treta começa em rotação máxima e não para até o último segundo do último capítulo. Uma das coisas mais legais que assisti em 2023.

LEIA TAMBÉM:  Crítica | Venom: Tom Hardy está brilhante, mas o spin-off do Homem-Aranha é bom?

Não vou contar os spoilers, claro, mas a medida que cada episódio avança, Danny e Amy desabafam sobre suas emoções causadas pelo quase acidente que tiveram na loja de departamentos e, ao mesmo tempo, descobrem maneiras de enfrentar as coisas que realmente tornam suas vidas miseráveis. Uma dicotomia maravilhosa ver essas duas pessoas se desprezando, embora tenham tudo em comum.

Enquanto Danny tenta maneiras complexas de se vingar de Amy, ele está profundamente triste e lutando contra uma depressão severa. Steve Yeun, que começou sua carreira fazendo comédia stand-up, provou ser um ator de drama incrível, desde seu papel de destaque como Glenn em The Walking Dead até sua atuação indicada ao Oscar em Minari. Em Teta, ele é cômico com um peso dramático impressionante. É impossível desviar o olhar quando ele está em cena.

Steven Yeun e Ali Wong em Treta (2023) Netflix
Steven Yeun e Ali Wong em Treta (2023) Netflix

Ali Wong é da comédia, sua estreia numa produção mais dramática foi no problemático Paper Girls (2022). Seu papel desempenha e supera qualquer coisa que ela tenha feito em sua carreira. É um equilíbrio entre a vida profissional e pessoal de Amy Lau, uma mulher bem sucedida que precisa vender de qualquer jeito seu negócio para a mega empresária Jordan Foster (Maria Bello). No fundo ela só queria tempo para cuidar de sua família e seu casamento. No mundo dela, tudo é felicidade, mas depois da guerra travada com Danny ela perde todas suas amarras e suas vinganças são hilárias. Ali Wong no papel de Amy consegue ampliar profundamente suas habilidades como atriz com a mesma intensidade de Steven Yeun. Ela é impressionante em Treta.

Cada episódio de uma hora equilibra os arcos de Danny e Amy e como eles se interconectam entre si, com os riscos aumentando a cada capítulo subsequente. O criador da série, Lee Sung Jin, tem experiência completamente em séries de comédia: It’s Always Sunny in Philadelphia, Outsourced, Silicon Valley, Dave e a animação Tuca & Bertie. Todas essas séries dão a ele e à sua equipe de roteiristas um toque de humor e a capacidade de misturar simultaneamente a escuridão dos momentos engraçados e os elementos dramáticos intensos. 

LEIA TAMBÉM:  Clima esquenta na 2ª temporada de “O Escolhido”

Enquanto Lee Sung Jin dirige um episódio, os nove restantes são distribuídos entre Hikari (Tokyo Vice), que dirige três, e Jake Schreier (Brand New Cherry Flavor), que dirige os outros seis. As histórias têm a presença da cultura asiático-americana, incluindo chinesa, coreana e japonesa, mas a série nunca parece uma história “asiática”. Essa é uma história essencialmente americana sobre quem tem e quem não tem, que também se beneficia do fato de ter um pano de fundo multiétnico.

Treta tem pontos negativos? Eu não vi. Às vezes temos a sensação que a minissérie está atolada na fórmula repetitiva de Danny e Amy brigando entre si. Ainda assim, não consigo encontrar nenhum ponto  negativo. Os dez episódios abrangem uma enorme quantidade de desenvolvimento de caráter para cada protagonista, individualmente e entre si, antes de chegar ao ápice nos capítulos finais. 

É hilário, é trágico e Steven Yeun e Ali Wong já haviam se mostrado talentosos, mas Treta, de Lee Sung Jin, os eleva a um novo patamar. 

Treta é incrivelmente envolvente desde a primeira cena e com certeza suas nomeações ao Emmy são merecidas. Simplesmente recomendo! Disponível na Netflix.

Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.