Não deixe de conferir nosso Podcast!

Dica de Leitura | Injustiça: Ano Zero (Taylor, Tormey & Antônio)

Injustiça: Ano Zero é um dos melhores quadrinhos do escritor Tom Taylor, que acrescenta mais um elemento para o rico universo do game: A Sociedade da Justiça.

Arte de Injustiça Ano Zero
As duas gerações de heróis da DC se encontram pela última vez no universo de Injustiça, que é conhecido por não poupar a vida de personagens importantes.

Tom Taylor é um dos meus roteiristas favoritos da atualidade, e a lista de quadrinhos bons dele é imensa para mim. Então, afirmar que Injustiça Ano Zero é um dos seus melhores trabalhos é porque realmente esta história é boa para quem vos escreve.

Taylor sabe fazer uma história com todos os elementos que conectam a Liga da Justiça e Sociedade da Justiça, enquanto costura as pontas nesta prequel para o game Injustice: god among us. Para os fãs da DC Comics que sentem falta daquele período onde as duas equipes conviviam juntas e passavam por excelentes fases, com Joe Kelly na Liga e Geoff Johns na Sociedade, este quadrinho é a escolha certa, apesar de ser de partir o coração, pois é o último encontro das duas equipes, antes que os desastres do jogo ocorram e o Superman se corrompa.

Arte de Carlos Pacheco para Vícios e Virtudes
No começo dos anos 2000 até Crise Infinita, quando a cronologia da DC fazia sentido, as duas equipes viveram bons momentos, como em Vícios e Virtudes.

Quando a DC começou a lançar os quadrinhos do jogo, eu possuía o costume de ficar conferindo as notas que alguns sites americanos, como IGN, davam para os quadrinhos da semana. E Injustiça (que começou como uma web série) sempre obteve notas altíssimas. Então, quando o encadernado saiu no Brasil, comprei imediatamente, apesar do medo de ser uma história ruim, por ser baseada em um jogo de luta.

Porém, a história mostrou que tanto o quadrinho quanto o jogo (feito pelo mesmo estúdio de Mortal Kombat) tem uma história e um universo coeso, com boas tramas. E muito se deve nas HQs à escrita por Tom Taylor, que voltou para Injustiça 2.

E a qualidade das histórias dessa realidade não decai em Injustiça: Ano Zero. Ao contrário, é um dos pontos altos, onde Taylor mistura elementos da cronologia da DC com uma trama bem perturbadora envolvendo o Coringa, e que levará aos atos do Superman que darão origem à trama principal.

Imagem de Injustiça: Ano Zero
Nem todos os heróis sairão vivos desse prequel de Injustiça, mantendo a tradição da violenta série.

Os dois desenhistas,  Cian Tormey e Rogê Antônio, estão ótimos, misturando elementos clássicos da DC e seu vasto rol de bons personagens. E a troca de desenhistas quase não é sentida, mantendo a qualidade da edição.

E cabe um apontamento aqui: os personagens ainda não usam aqueles designs dos jogos, que são bem chamativos e diferem da Terra Primordial. Não é explicado o porquê.

imagem do jogo Injustice
O visual, a história e a jogabilidade de Injustice: god among us fizeram a fama do jogo, que é excelente.

Há algumas coisinhas que incomodam neste encadernado, mas nada muito grave, como exemplo, o Lanterna verde Hal Jordan desaparece da história sem mais menos, assim como não há construção nenhuma da Mulher-Maravilha, personagem que sempre chamou atenção nos jogos e nos quadrinhos de Injustiça. É o problema de escrever uma história com duas grandes equipes, afinal, nem todo personagem poderia ter destaque.

Com tantas boas histórias, e, levando em consideração que o quadrinho de Injustiça 2 foi mais uma prévia do jogo 2, a torcida é imensa pra Taylor, que é roteirista exclusivo da DC, continuar nesta realidade tão rica, pois entregou um ótimo quadrinho em Injustiça Ano Zero.

Thiago Ribeiro
Thiago de Carvalho Ribeiro. Apaixonado e colecionador de quadrinhos desde 1998. Do mangá, passando pelos comics, indo para o fumetti, se for histórias em quadrinhos boas, tem que serem lidas e debatidas.