Não deixe de conferir nosso Podcast!

Mentiras que contaram para você sobre o Vikings

Você estava sendo enganado pela literatura, cinema e séries sobre o bárbaros pagãos que aterrorizaram a costa europeia por 300 anos, os Vikings!
Vikings Capa
Reprodução

Você estava sendo enganado pela literatura, cinema e séries sobre o bárbaros pagãos que aterrorizaram a costa europeia por 300 anos, os Vikings!

Essa lista foi um trabalho titânico de dados e informações, traduções e para aumentar a imersão, enquanto estiver lendo, dê o play neste vídeo abaixo:

Imagine uma vida simples no século IX, pescando, caçando e plantando em sua aldeia. Do nada, barcos que mais parecem bestas do mar avançam em direção à costa. Você está sendo atacado por vikings que irão saquear sua vila, contaminar sua igreja e escravizar alguns aldeões (inclusive você, se continuar vivo). Certamente você já leu (alguém lhe contou) sobre bárbaros pagãos que destroem tudo quando atacam e invadem.

De modo algum é uma situação particularmente agradável; os Vikings aterrorizaram as muitas terras que exploraram. Mas quem eram, realmente, esses piratas nórdicos? Com o que se pareciam? Que tipos de armas eles usavam e o que exatamente fizeram? Durante séculos, muita informação imprecisa sobre esses marinheiros circulou por aí, surfando nas ondas da nossa imaginação e criando imagens em desacordo com a realidade histórica. E pensando nisso, aqui estão algumas coisas que você acham que são reais sobre os Vikings e a história consegue contrariar quem inventou essas mentiras. 

Sim, eles usavam mesmo Elmos com Chifres, mas…

 

Vikings Elmos
Reprodução

Quando você pensa em vikings, você pensa em elmos com chifres. Eu penso ainda hoje.Está arraigado em nossa mente, em parte graças aos Minnesota Vikings da NFL e seu design icônico de capacete, bem como o personagem Hägar, O Horrível de  Dik Browne. No entanto, nem todos os vikings os usavam, e mesmo esses eram uma minoria.

A origem dessa “marca” remonta ao fin-de-siècle, ou um pouco antes, ao lendário compositor, maestro e diretor teatral Richard Wagner. O alemão é o famoso compositor do épico Der Ring des Nibelungen, de 1876, que é totalmente inspirado, claro, nas lendas nórdicas. Saiu da cabeça do figurinista Carl Emil Doepler a idéia de incluir alguns chifres na indumentária – pelo menos para a ópera, difundindo assim o mito dos capacetes com chifres.

Embora os vikings não usassem tanto os chifres em seus elmos, outros povos o faziam – incluindo os guerreiros dos antigos de lendas germânicas. De acordo com Vox, os alemães do final do século 19 – já bem nacionalistas – acharam a história viking atraente, “em parte porque eles representavam uma história de origem clássica livre da bagagem grega e romana.” Assim, graças a Doepler, “cocares alemães antigos e medievais estereotipados – como capacetes com chifres” foram combinados com imagens vikings e, portanto, “lendas nórdicas e alemãs estavam entrelaçadas na imaginação popular, e ainda não as desembaraçamos”.

Em outras palavras, todos nós podemos culpar os alemães por mentirem para nós sobre os elmos com chifres. Além disso, essa peça de armadura não teriam sido particularmente protetora em combates corpo a corpo, pois permitiriam que o inimigo quebrasse seu pescoço com mais facilidade. Os vikings provavelmente eram mais espertos do que isso. Elmo com Chifre lhe deixa mais durão, mas não passava disso.

Saiba mais clicando aqui e aqui

Vikings eram estupradores e faziam pilhagem com bastante violência

 

Ataque Viking
Reprodução

Todos nós sabemos o que os vikings faziam de melhor. Eles apareceram na Inglaterra em 8 de junho de 793 e passaram 300 anos disseminando terror, violência, brutalidade, estupros e pilhagem. Só porque isso é de fato real, não significa que foi só isso que fizeram.

Dito isso, não devemos fingir que os vikings não eram brutais. Diz Simon Keynes, historiador anglo-saxão da Universidade de Cambridge: “Não há dúvida de como eles foram desagradáveis ​​e brutais. Fizeram tudo o que os vikings supostamente fizeram.” De acordo com Keynes, eles roubaram tudo que puderam colocar as mãos. Saquearam e contaminaram igrejas, raptaram mulheres, incendiaram assentamentos por séculos. Foram, de fato, bastante cruéis. Ainda assim, havia mais nesses invasores saqueadores do que aparentava.

Para começar, eles nem sempre pegavam apenas o que queriam; às vezes negociavam bens com os povos com os quais entravam em contato. De acordo com James Montgomery, professor de árabe na Universidade de Cambridge, o contato dos vikings com o império dos Cazares, as expedições a Bagdá e a contribuição para a formação de Kiev permitem uma reavaliação do violento estereótipo viking. Pesquisas recentes permitiram vê-los também como comerciantes globais, sem mencionar seu talento natural para contar histórias, com as sagas nórdicas às vezes sendo comparadas às primeiras novelas do mundo. E enquanto uns seguiam estuprando e saqueando, outros também ficavam para trás, se estabeleciam, assimilavam e influenciavam a cultura – aceitando e abraçando, inclusive, o cristianismo. 

Na verdade, de acordo com Chris Tuckley, chefe de interpretação do Jorvik Center, os vikings não eram tão ruins quanto os normandos, que sistematicamente “oprimiam a população local em vez de se integrarem como os vikings fizeram”.

Ainda assim, a imagem dos Vikings como invasores saqueadores e aterrorizadores torna os filmes mais envolventes. Afinal, ninguém quer ver um bando de noruegueses tentando plantar e fazer agricultura para não morrerem de fome.

Ferro e Sangue

Vikings
Reprodução

 

Junto com a imagem de estupradores e saqueadores vem também a visão de que os vikings eram excepcionalmente sanguinários – muito mais do que os pobres coitados que eles aterrorizavam. A história, porém, prova que este não é realmente um fato.

Ao contrário do que alguns podem equivocadamente acreditar, o mundo não era um lugar particularmente pacífico até que os vikings aparecerem e destruírem o paraíso. Onze anos antes de aparecerem em Lindisfarne, Carlos Magno cometeu um crime de guerra brutal na Baixa Saxônia, Alemanha. Conhecido como o Massacre de Verden, o Imperador do Sacro Império Romano ordenou a decapitação de cerca de 4.500 saxões, efetivamente erradicando sua liderança tribal e forçando-os a se tornarem súditos das autoridades francas – demonstrando um padrão de brutalidade sistemática bem acima de qualquer um demonstrado pelos vikings. E, de acordo com a BBC, os anglo-saxões não tomaram necessariamente o caminho certo contra seus inimigos pagãos, como dito:, “os anglo-saxões dificilmente eram defensores de um protótipo da Convenção de Genebra. Em 2010, foi relatado que 50 corpos decapitados haviam sido encontrados em Weymouth, pensados ​​para serem executados cativos Viking. “

Certamente os vikings podem ter sido grandes guerreiros e brutais algozes de suas vítimas, porém a história é um processo longo e sangrento, com os vikings ocupando apenas um palco violento, espremido entre outros capítulos violentos.

Eles eram imundos

mulheres vikings
Na cultura Viking, as mulheres tinham liberdade e não eram submissas (Reprodução).

Os vikings podem ter gostado de estuprar, saquear, quebrar e abrir crânios com machados sob a influência de cogumelos psicodélicos – mas gostavam de parecer revigorados ao fazerem isso.

De acordo com o The Telegraph, os estudiosos do tema da Universidade de Cambridge estão convencidos de que os vikings se preocupavam com a higiene pessoal. Na verdade, os dinamarqueses estavam quase limpos demais, de acordo com o cronista medieval John de Wallingford, que alegou que eles penteavam os cabelos todos os dias, tomavam banho uma vez por semana e chegavam a mudar de roupa regularmente. Além disso, as calças largas dos vikings aparentemente estavam na moda. As calças que eles usavam ainda é quase o mesmo modelo que usamos hoje.

Carolyn Emerick afirma que os vikings eram totalmente “metrossexuais”, exibindo uma tendência para a aparência e o estilo, com o penteado sendo especialmente importante para o homen viking. Emerick ainda afirma que os vikings descoloriram o cabelo e a barba de loiro, enquanto – como um estudante do ensino médio se exibindo no pátio no recreio – também desfrutavam de boa poesia e conversas sobre amor. O Museu Nacional da Dinamarca tem evidências de que os vikings usavam pentes, palitos e pinças bem desenhados para época – além de ambos os sexos ostentando uma maquiagem.

Portanto, da próxima vez que você assistir Ragnar Lothbrok e Lagertha matando alguns saxões, pode ter certeza de que eles provavelmente pareciam tão legais enquanto faziam isso de fato.

Bebiam em crânios

Skal
Reprodução

Por mais brutal que pareça beber sangue ou hidromel nos crânios de inimigos derrotados, esta imagem clássica do bárbaro viking é totalmente falsa.

Como muitos outros ao longo da história, a verdade desse mito parece ter se perdido na tradução. De acordo com English Poetry and Old Norse Myth: A History, de Heather O’Donoghue, “A célebre imagem dos vikings bebendo em xícaras feitas com os crânios de seus inimigos surgiu de um mal-entendido de um kenning na canção da morte.” Mais especificamente, o livro de O’Donoghue escreve que o tradutor em questão, Ole Worm, “parece ter confundido um kenning com chifres de beber”, que significava árvores curvas de crânios ou que se parece com crânios “, explicando em uma nota latina que o verso retrata guerreiros bebendo “ex craniis eorum quos occiderant.” Ole Worm errou, mas bem que poderia ser real.

Se está se perguntando o que é um kenning, eu explico: Kenning, na literatura medieval da Escandinávia, é uma figura de linguagem poética em que perífrases são feitas através de composições (notadamente aglutinações).

Na realidade, os vikings bebiam em utensílios mais simples, como xícaras de madeira e metal – embora haja evidências suficientes para sugerir que eles, de fato, bebiam em chifre de cabra ou  de vaca de vez em quando. E se alguém tiver a sorte de entrar no Valhalla, pode receber um chifre de hidromel de uma Valquíria.

Suas armas eram rudimentares

Lâminas Vikings
Reprodução

Junto com outros equívocos, a imagem estereotipada de um Viking é de um guerreiro carregando um machado de batalha bastante primitivo, clava, espada ou algo não muito bem trabalhado. Mas não era bem assim.

De acordo com a BBC, todos os homens vikings livres deveriam portar armas – como uma versão romântica nórdica do Velho Oeste – e magnatas ricos eram obrigados a fornecer armas a seus homens. Eles empunhavam lanças, espadas e machados de batalha finamente trabalhados, geralmente decorados com incrustações e metais preciosos, como prata, cobre e bronze. Lanças eram as armas mais comuns, embora alguns vikings mais privilegiados tivessem espadas com punhos e nomes personalizados, como Leg-biter e Gold-hilt.

O famoso machado de batalha Viking foi realmente usado, embora com a desvantagem de não ser capaz de segurar um escudo – forçando, assim, aqueles que defendiam o maciço machado a esperar atrás de uma parede de escudos, só podendo atacar no momento oportuno. Seus escudos eram de madeira, pesados ​​e eficazes, e alguns guerreiros provavelmente estavam vestidos com armaduras de couro  de rena, consideradas ainda mais eficientes do que a rara armadura de cota de malha possivelmente usada por líderes ou indivíduos mais importantes. 

Embora suas armas possam estar um passo atrás de algumas usadas pelos saxões ou francos, o armamento viking ainda era durável o suficiente para causar medo – ou efetivo dano – nos corações de seus inimigos.

Eles são da mesma etnia

 

Vikings Etnia
Reprodução

A maioria das pessoas tende a ver os vikings como um só povo ou como uma raça homogênea; isso foi uma das coisas me fez pesquisar e escrever essa lista.

De acordo com o History Channel, os vikings não eram uma raça, nem estavam “ligados por laços de ancestralidade comum ou patriotismo, e não podiam ser definidos por qualquer senso particular de ‘condição de viking'”. A maioria dos vikings cujas atividades são mais conhecidas vêm das áreas agora conhecidas como Dinamarca, Noruega e Suécia, embora haja menções em registros históricos de vikings finlandeses, estonianos e sami também. ” A única coisa que esses vários vikings tinham em comum era que eram estrangeiros, não eram civilizados pelos padrões europeus e – o mais importante – definitivamente não eram cristãos.

Na realidade, os vikings provavelmente nem mesmo se referiam a si próprios como vikings, já que a palavra em si simplesmente se refere a alguém que saiu em uma incursão ou exploração no exterior. As terras que compreendem a atual Dinamarca, Noruega e Suécia não foram unificadas, e as tribos certamente não eram estranhas à batalha entre si por terras e poder. Embora possa não ser a melhor tradução literal, chamar alguém de Viking seria o mesmo que chamá-lo de explorador escandinavo, pirata ou invasor – não tanto quem ele é, mas o que faz.

Mas, para facilitar, vamos continuar nos referindo a todos eles como vikings, certo? É muito mais fácil do que diferenciar entre dinamarqueses, geats, godos e islandeses. Isso fica para outro texto e pesquisa.

Todos moravam na Escandinávia

Escandinávia
Village of Saksun, localizada na ilha Streymov, Ilhas Faroes, Dinamarca (Reprodução)

Você pode ser perdoado por pensar que todos os vikings vieram da Escandinávia, visto que certamente pareciam ter se originado de lá. No entanto, ao contrário da crença popular, os vikings estabeleceram assentamentos em todas as direções – assimilando, influenciando e moldando uma variedade de culturas não escandinavas.

Não sabe onde é a Escandinávia? Não tem problema. Ela é uma região geográfica e histórica da Europa Setentrional e abrange, no sentido mais estrito, a Dinamarca, a Suécia e a Noruega. Num sentido mais amplo, o termo pode também abranger a Finlândia, as Ilhas Faroé e a Islândia. 

Diz-se que a assim chamada Era Viking durou cerca de 300 anos e, nessa época, eles certamente fizeram mais do que simplesmente invadir. Não deve haver dúvida de que muitos deles optaram por permanecer em suas terras recém-descobertas, influenciando essas culturas. Além da Inglaterra, os vikings fizeram seu caminho para América, França, Alemanha, Ucrânia, Rússia, Ásia Central e Oriente Médio, deixando pelo menos algum tipo de marca em cada um desses lugares – de Bagdá a Kiev. Alguns colonos Vikings compraram o que o Cristianismo estava vendendo e certamente houve uma boa quantidade de casamentos entre os povos. De acordo com a BBC, o rei Cnut, que regeu a Inglaterra por 25 anos, usava influência nórdica sem colocar um fim à vida regular e “normal” dos ingleses.

É claro que muitos vikings voltaram para suas terras natais apenas para atacar e saquear mais tarde. Muitos, entretanto, certamente estavam interessados ​​na oportunidade de começar uma nova vida em uma nova terra, e assentamentos influentes pontuaram as paisagens que os nórdicos visitaram. É sempre bom ter amigos ou parentes em países estrangeiros, para que você tenha um lugar para dormir após um dia de pilhagem.

O meu amigo Henrique de Barros me ajudou na revisão.

 

Gostou, escuta e assista esse vídeo:

Os 10 maiores erros cometidos pela Alemanha na Segunda Guerra Mundial

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.